Bullet journal 2024

Bullet journal

Meu bullet journal de 2024

Desde que comecei a usar o bullet journal, em algum momento entre 2016 e 2017, mudei muito minha forma de me organizar e me apaixonei muito pelo método. Não só porque colocar as coisas no papel me ajuda muito a visualizar o que preciso fazer no dia, mas porque também uso meu bujo como uma […]

lifestyle

27 de agosto de 2021

Ter um guarda-roupa feminino funcional é a garantia de ter sempre em mãos peças curingas para qualquer ocasião. Seja eventos formais, informais ou apenas um look para curtir um dia de folga dentro de casa.

Foto: Pexels

Ter roupas femininas essenciais para o seu dia a dia contribui para economizar tempo na sua rotina e evita que você desperdice dinheiro com peças que nunca usa.

Para te ajudar nessa tarefa, vamos te dar cinco dicas para montar um guarda-roupa funcional e estar sempre na moda

1- Defina o seu estilo

Definir peças, modelos e cores que você goste é muito importante para escolher e criar composições que te tragam sensação de bem-estar e elevem sua autoestima.

Talvez você se identifique com um estilo mais casual, romântico, esportivo ou mais tradicional.

Cada um tem suas especificidades e detalhes que podem mudar o astral e fazer a diferença ao vestir.

2- Conheça o formato do seu corpo

Cada mulher possui um formato de corpo e para que você se sinta bem ao vestir suas roupas, é interessante escolher roupas confortáveis e que tenham um bom caimento.

Algumas peças não ficam tão boas em corpos mais curvilíneos e outras têm o poder de realçá-los.

Se você possui um quadril mais largo, por exemplo, prefira peças, como camiseta, bermuda e vestidos mais soltinhos nesta região.  Já se o seu corpo não tem tantas curvas, abuse de peças mais coladas.

O ideal é fazer composições com equilíbrio e que te deixem com uma ótima aparência.

3- Aposte em peças básicas

As roupas básicas são as melhores opções para montar um guarda-roupa funcional. Elas conseguem compor looks de vários estilos e não deixam você correr o risco de errar na produção.

Elas também evitam aquela aparência de estar repetindo o look, pois por serem mais básicas não chamam tanta atenção a sua modelagem.

Além disso, elas são mais em conta do que os outros modelos mais elaborados, com detalhes e aplicações.

4- Escolha cores neutras

As peças com cores neutras são curingas na hora de montar um guarda-roupa funcional.

Assim como as roupas básicas, elas também podem ser usadas em todas as ocasiões e estilos, e contribuem para um visual completo e elegante.

5- Invista em acessórios diversificados

Com um guarda-roupa repleto de roupas básicas e cores neutras, agora é só abusar dos acessórios para incrementar as suas composições.

Eles são mais baratos e podem ser trocados com mais facilidade, evitando o desperdício de roupas.

Colares, brincos, anéis e lenços são algumas das peças que trazem mais praticidade na hora de se arrumar e transformam as composições com muito estilo e personalidade.

Viu como é fácil montar um guarda-roupa funcional? Invista nas peças que mais combinam com você e monte o seu.  

#Publicação patrocinada

Você também vai gostar

    Aprenda a identificar produtos sustentáveis
    Três modelos de óculos de sol masculino que estão sempre em alta

fotografia

13 de agosto de 2021

Confesso que, por muito tempo, eu fui uma pessoa que só editava fotos pelo computador. Talvez por sempre ter celulares mais simples, acabava não curtindo muito a qualidade das fotos editadas nos apps, então sempre ficava num processo infinito de mandar a foto pro computador, editar, voltar pro celular… enfim, um trabalho bem além do que o necessário, mesmo quando era uma foto simples pra postar no meu insta pessoal.

De uns tempos pra cá, desencanei completamente com isso e, admito, as vezes até as fotos que vem aqui pro blog são editadas pelo celular. O principal motivo foi ter encontrado um aplicativo que não destrói a qualidade das minhas fotos, o que me deixa muito mais tranquila.

Por isso, fiquei muito feliz quando a mybest Brasil me convidou pra participar de uma postagem colaborativa com outros produtores de conteúdo e fotógrafos pra falar dos nossos apps favoritos para editar fotos e vídeos!

A mybest Brasil é um site de recomendação de produtos. Eles tem diversos guias pra nos ajudar a escolher diversos tipos de produtos, além de rankings dos melhores produtos e indicações de especialistas e influenciadores – como esse de aplicativos que eu participei!

Lá na postagem, vocês podem conhecer um pouquinho das minhas funções favoritas do app que escolhi, além de outros aplicativos incríveis indicados por outras pessoas! Vão lá conferir e me contem o que vocês acharam ♥

#publi

Você também vai gostar

    Dezembro entre mares e morros
    Junho é o melhor mês e eu posso provar

pessoal

13 de julho de 2021

Um pouquinho atrasada com o Taking Stock #13, já que ele costuma sair por aqui no meu aniversário (25/06) e no Natal, mas depois de 13 edições eu já aprendi a só fazer quando dá mesmo pra não deixar essa tradição se perder.

Taking Stock 13

Se você é novo por aqui, explicando rapidinho: o Taking Stock é um momento que eu sento aqui pra atualizar sobre os meus gostos, sobre o que tenho feito, lido, assistido… enfim, sobre como andam as coisas por aqui. Eu faço isso desde junho de 2015 e sempre paro pra rever as “edições” anteriores, como uma forma de registro da minha vida também.

Taking Stock #13

#Ouvindo: não tenho ouvido muita coisa nova, pra ser sincera. Continuo com meu vício em Chris Stapleton, na maior parte do tempo. Também tô ouvindo Leave The Door Open, do Silk Sonic, milhares de vezes hahah. E a tal da Olivia Rodrigo me pegou também, mas bem de leve, com uma música ou outra. No mais, o de sempre: Mumford & Sons, Angus & Julia Stone, The Oh Hellos…

#Lendo: eu tenho lido bastante alguns romances hot, como contei no post sobre a série Amores Australianos, mas também tô lendo O Método Bullet Journal, do Ryder Carroll, e A Amiga Genial, da Elena Ferrante, apesar de estar um tantinho agarrada nesse último. Percepção feliz que rolou agora: depois que comprei o kindle, em julho do ano passado, essa categoria voltou a ficar movimentada por aqui.

#Agradecendo: a vacina que, aos pouquinhos, tá chegando pras pessoas que eu amo. Minha mãe, minhas tias e meu pai já tomaram pelo menos a primeira dose, vários amigos professores também, e já dá pra ter uma ideia mais concreta de quando vou me vacinar também.

#Pinning: eu comecei um novo instagram, só pra falar sobre/mostrar minhas coisas de bullet journal e papelaria. Desde então, confesso que eu tô 100% mergulhada nesse mundo, e o que eu mais tenho pinado no Pinterest é na minha pasta de inspirações pro bujo. (Aaah, e se você ainda não me segue no insta novo, corre lá: é @bujo.da.laura)

#Pensando: em como minha vida mudou nesse ~quase 1 ano e meio~ de pandemia e em como tudo vai ser diferente pra mim quando estivermos finalmente vacinados e livres pra viver ~normalmente. A rotina que eu tinha não existe mais prq estou acabando a faculdade e saí do estágio, então…

#Necessitando: de alguém pra fazer meu TCC pra mim, pode ser? Hahahah brincadeira. Vacina. É. E depois, quando for seguro, uma viagem pra botar o pé no mar de novo.

#Planejando: me formar no próximo semestre. Meu foco tá bem nisso no momento, no TCC que comecei mês passado e queria acabar ainda esse ano (mesmo defendendo só no ano que vem, 2021/2 na UFMG hahah).

#Assistindo: esse fim de semana, eu e o João pegamos Sweet Tooth e assistimos tudo numa sentada só. Achei fofinho, apesar de meio desesperador pelo momento ~pandemia~, mas tô curiosa com a próxima temporada. Eu e minha mãe também estamos assistindo The Crown, que eu sempre tive curiosidade. Também revi Virgin River toda, e agora que saiu a 3ª temporada e já tô doida pra ver. Aaah, e tem a novela preferida dos brasileiros ultimamente também, né? #CPIdaCovid hahahah

#Estudando: coisas sobre fotolivros, criatividade, edição… Até mesmo minhas matérias da faculdade parecem estar bem alinhadas com meu projeto final. E italiano por fora, porque é algo que me faz feliz.

#Desejando: sair por aí, entrar na primeira cafeteria bonitinha que aparecer, pedir um café diferente e passar um tempo só observando as pessoas. Isso é algo que eu gostava muito de fazer pré-pandemia e sinto muita falta.

#Amando: a ~comunidade~ de bullet journal que tem rolado no Instagram novo. Também tô curtindo mto perceber a ~diferença~ de ter um insta mais nichado: gente que já me acompanhava no meu pessoal tem se sentido mais à vontade pra conversar comigo no novo e eu acho isso incrível. E também tô amando minha tatuagem nova *vou mostrar ela ali pra baixo*

#Vestindo: calças de moletom e camiseta o tempo todo. Aqui em BH tem feito bastante frio, e ficando em casa o tempo todo confesso que nem dá vontade de vestir outra coisa.

#Comendo: o mesmo de sempre? Conheci uma hamburgueria nova aqui perto de casa (por delivery) e tô apaixonada. Também tô tentando incluir mais saladas na minha alimentação, apesar de ainda sofrer demais com isso.

#Sentindo: angustia por perceber que ainda tem gente apoiando o genocida.

#Desfrutando: Ainda do tempo livre sem minhas 4 horas diárias no ônibus. E do solzinho da tarde batendo no meu quarto e deixando ele numa temperatura gostosinha.

Bom, esse é meu Taking Stock #13! E finalizo o post com minha tatuagem nova, uma florzinha de manacá de jardim feita pela incrível @tatoosdamari.

Agora é a vez de vocês: me contem o que vocês tem lido, ouvido, assistido, planejado por aí nos últimos meses =)

Você também vai gostar

    Bullet journal 2024
    Meu bullet journal de 2024
    Dezembro entre mares e morros

livros

13 de maio de 2021

Eu não coloquei na lista de últimos livros lidos por motivos de “preguiça de polêmica”, mas uma das minhas leituras de 2020 foi Cinquenta Tons de Cinza. Com todos os problemas à parte, o livro me trouxe uma descoberta muito legal: eu gosto de romances hot. E aí pronto, somando isso à assinatura do Kindle Unlimited (que ganhei quando comprei o aparelho e depois decidi manter), abriram-se as portas de todo um novo universo de livros pra mim. 

Série Amores Australianos

Apesar de adorar ler do mesmo jeito, uma coisa eu preciso admitir: esse tipo de livro normalmente envolve homens MUITO PROBLEMÁTICOS e mulheres super padronizadas. Sejam elas cheias de personalidade ou mocinhas inocentes, a aparência e a forma de largar a vida pelo macho são as mesmas. Aí, no meio desse universo, encontrei os livros da Victoria Gomes, que são todos incríveis, mas, principalmente, a série Amores Australianos.

Que tal conhecer um pouco mais dos livros dessa autora nacional incrível enquanto passeia pela Austrália com os irmãos Taylor?

Conheça a série Amores Australianos

Em 3 livros (o 4º será lançado em breve), Victoria Gomes conta a história dos irmãos Taylor e como cada um encontrou o amor. O título e história de cada livro faz referência a alguma brincadeira de adolescentes e eles me encantaram muito pela representatividade e pela união e acolhimento da família, além da ambientação na Austrália. 

Cês não tem ideia do tanto que eu já ri e já chorei com essa série, viu? Vamos conhecer melhor cada um dos livros? 

Sete minutos no paraíso

O primeiro livro da série, Sete Minutos no Paraíso, inspirado na brincadeira homônima, conta a história de Sarah Miller, uma jornalista esportiva super bem resolvida que se muda para a Austrália para começar um novo emprego, e Luke Taylor, um dos irmãos da nossa família queridinha, que é o mais pegador e “moleque” de todos. 

Sete Minutos no Paraíso - Amores Australianos

Eles resolvem se envolver sem compromissos (na vibe da brincadeira, que o que acontece no “paraíso” fica no paraíso), mas um ~acidente~ na cama acaba fazendo com que eles se mantenham próximos. O livro mal tinha começado e eu já tava chorando de rir da situação. 

O que mais gostei no livro? Muitas coisas: a representatividade de Sarah ser uma mulher negra e gorda, mas isso em momento nenhum ser o foco dela ou a fonte de todos os seus problemas e personalidade; o fato de Sarah ser uma mulher muito forte e decidida, que não para a própria vida para viver em função de Luke, mesmo depois que eles resolvem ficar juntos, e que ainda dá uma bela lição sobre rivalidade feminina; a forma como eles constroem uma amizade incrível enquanto o Luke está se ~recuperando~ do acidente e, por fim, a forma como eles se admiram como pessoas e não só como amantes. 

O livro é divertidíssimo, tem cenas deliciosamente quentes e deixa a gente com o coração quentinho.

Verdade ou Desafio

O livro de Zoe e Ryan é o mais pesado emocionalmente e o que mais me surpreendeu, me tirou totalmente da casinha. Inspirado na brincadeira que aqui em BH chamamos de verdade ou consequência, o livro nos apresenta uma mulher doce e gentil, Zoe, e um homem sério e controlador, Ryan. 

Verdade ou Desafio

Os dois são casados e estão passando por um momento complicado, porque Zoe pediu o divórcio apesar de eles se amarem muito, pois ela sente que ele está escondendo algo que está afastando os dois e não consegue mais lidar com isso. O choque com Verdade ou desafio ocorre porque ele envolve BDSM, e, apesar de já ter lido livros com essa temática, nunca tinha lido sobre um homem submisso – o que torna as cenas hot bem diferentes do que estou acostumada, mas ainda assim interessantíssimas hahah. 

Em alguns momentos, o livro chega a ser angustiante por causa do segredo de Ryan, mas te mantém preso na leitura e querendo colocar todo mundo no colo pra cuidar. 

A forma como eles lidam com tudo e conseguem se reencontrar através do amor e do apoio da família é maravilhosa e me fez ficar ainda mais apaixonada por todos os Taylor. 

Mentira Inocente

Desde o primeiro livro, eu já estava completamente apaixonada e rendida pelo Alex, o irmão mais novo da família, então quando Mentira Inocente foi lançado eu já estava quase acampando na página da autora na Amazon de ansiedade pra ler logo. 

Mentira Inocente

O livro, inspirado na brincadeira 2 verdades e 1 mentira, conta a história de Alex, o irmão mais doce e romântico da família (e que, pra gente amar de vez, é confeiteiro!!), que reencontra seu primeiro amor, Chloe, 8 anos depois de tê-la magoado profundamente. 

Chloe é dona de uma empresa de organização de eventos e vive em função de seu trabalho e de seu filho, Aaron. Depois de ser magoada por Alex, ela vai para a França estudar e constrói uma carreira de sucesso. Quando ela volta para a Austrália e eles se reencontram, percebem logo de cara que ainda há algo vivo entre os dois. 

É muito legal ir aos poucos entendendo o ponto de vista de cada um na história, descobrindo porque cada um agiu da forma que foi, e perceber todo o carinho que um tem pelo outro. As interações do Alex com o Aaron e a forma como ele inclui o menino nos planos todos também é deliciosa de se ver. 

O livro é uma boa e necessária dose de açúcar para fã de romance nenhum botar defeito, e as cenas mais quentes… SOCORRO. hahahhaha… (Me desculpem, essa blogueira é 100% fã de Alex Taylor).

Vem aí: Amor Impostor

O último livro da série Amores Australianos será lançado no dia 20 de maio e já estou morrendo de ansiedade pra ler. Ele irá contar a história de Mike, o irmão mais velho dos Taylor, um viúvo mais reservado que aparece sempre nos outros livros, dando apoio e suporte quando os outros precisam. 

Seu par romântico, como podemos ver no final do livro anterior, é Isabelle, amiga de Chloe, que parece ser bem animada e divertida… e, a princípio, eles se odeiam. Por toda a história que entendemos ao longo da série, eu já tô me preparando pra rir e chorar muito com o livro, que será inspirado na brincadeira “quem é o impostor?” sem falar na saudade que já tô sentindo desses personagens incríveis. 

É isso: fiquei completamente apaixonada pela família Taylor e pela série Amores Australianos desde o primeiro livro, e acho incrível a forma como a Victoria conseguiu falar de assuntos tão pesados e diversos de forma tão leve e sensível, sem deixar de lado o romance e a sensualidade, mas sem exagerar também nas cenas quentes. 

As protagonistas dos livros são todas incríveis e poderosíssimas, mesmo tendo personalidades completamente diferentes umas das outras. A autora entrou pra minha lista de favoritas e estou adorando acompanhá-la nas redes sociais. 

Comecei lendo todos os livros pelo Kindle Unlimited, como comentei lá em cima, mas depois fiquei tão apaixonada e vi que os livros estavam por R$2,00 na Amazon, então comprei pra poder reler sempre que quiser! Aah, e apesar de todos os elogios, essa não é uma publicação patrocinada, ok? Coloquei os links dos livros usando meu código de afiliada da Amazon, então comprando por eles vocês me dão uma ajudinha =) 

Agora me contem: vocês gostam de livros desse estilo? Tem algum legal pra me indicar? Me contem aqui nos comentários! Se gostarem, posso trazer mais algumas indicações assim! 

Você também vai gostar

    Livros no kindle
    Livros lidos em 2020: voltando ao hábito da leitura
    A influência do blog na minha vida

livros

11 de maio de 2021

Se 2020 não tivesse sido um ano de tantas compras incríveis, eu poderia dizer que o Kindle foi a minha melhor compra do ano. O leitor digital só perdeu o posto porque chegou em um ano que também teve minha câmera nova (a tão sonhada FF), um notebook novo e minha mesinha digitalizadora.

Se levarmos em conta que as outras compras citadas tem um caráter mais “profissional”, acho que posso dizer que foi minha melhor compra pessoal de 2020. Como toda boa amante de livros, eu era meio desconfiada com a ideia de ler e-books, mas posso dizer que, depois da primeira leitura completa no Kindle, essa desconfiança se foi e acabei gostando muito da ideia. 

2020 foi um ano em que eu decidi retomar o hábito da leitura, que tinha se perdido quando entrei pro CEFET e parei de ter tempo pra qualquer coisa. Depois disso, eu só lia coisas para trabalhos de faculdade e sentia falta de viajar entre as páginas de um livro. 

Livros lidos em 2020 / começo de 2021

Eu já tinha tentado voltar com esse hábito antes, mas dessa vez resolvi começar comprando um livro novo (ao invés de tentar insistir com os que tinha parados na estante), o tempo “livre” por causa da pandemia ajudou um pouquinho também e o Kindle completou tudo que eu precisava para voltar a ler. 

Vamos conferir minha listinha de livros lidos por aqui? Já vou avisando: não esperem nada muito inovador ou gênero totalmente diferente… cês sabem que eu sou ratinha de romances clichês, né?

Eleanor & Park

Na saga de querer comprar um livro novo, entrei um dia nas lojas Americanas e Eleanor & Park tava em promoção por uns R$10,00.

Nem pensei muito, né? Lembrei que eu já tinha achado a capa bonitinha há uns anos atrás e, mesmo sem saber muito sobre o livro, comprei. E não é que comecei bem? O livro é um romance bem adolescente e cheio de drama familiar que conseguiu me prender do início ao fim. 

Livros lidos: Eleanor & Park

Eleanor & Park conta a história de dois adolescentes “esquisitos” (uma garota gorda, pobre e ruiva e um asiático nerd) que acabam se encontrando e se apaixonando na escola. Com certeza tem alguns problemas com relação à forma estereotipada que os personagens são retratados, mas sinceramente? Achei bem fiel ao que vi e vivi na escola mesmo… adolescente é cruel, né? 

O que mais gostei foi das sensações que o livro consegue transmitir: o coração acelerado por coisas simples como ficar de mãos dadas, as bochechas doendo de tanto sorrir… coisinhas bem adolescentes e gostosinhas que eu senti tudo de novo enquanto estava lendo. 

A garota que eu quero

Eu sempre gritei aos 4 cantos do mundo sobre como A Menina Que Roubava Livros é meu livro preferido e quando a Amazon me indicou um e-book de outro livro dele por R$2,00 eu nem pensei muito.

Eu ainda nem tinha o Kindle, e foi depois de ler A garota que eu quero em uns 3 dias pelo aplicativo no celular que eu resolvi comprar o aparelho. O livro é curtinho e também conta a história do primeiro amor de um garoto mais “esquisitinho”, Cameron, que não é popular como seus irmãos e se apaixona por uma das muitas namoradas do irmão. 

Livros lidos: A garota que eu quero

Não acho que chegue nem perto do meu livro favorito, mas conseguiu me fazer rir e chorar e terminar o livro bem feliz. O foco na relação entre os irmãos e as reflexões sobre amor, família, sucesso e outras coisas são muito bem feitos. A ideia de um garoto que encontra refúgio nas palavras também me agrada muito e terminei a leitura com vários trechos incríveis destacados. 

Descobri recentemente que o livro faz parte de uma trilogia sobre os irmãos e fiquei a fim de ler os outros.

Amor & Gelato

Oi, eu sou a Laura e eu sou completamente alucinada por tudo e qualquer coisa que tenha relação com a Itália. Sério, podem anotar aí: eu ainda vou morar lá. Quando vi a capa de Amor & Gelato pela primeira vez em algum desses bookstagrans da vida, eu soube que precisava daquele livro. 

Livros lidos: Amor & Gelato

Em Amor & Gelato acompanhamos Lina, uma garota que perdeu a mãe e, para realizar o último pedido dela, vai passar o verão na Itália, na casa de Howard, um completo desconhecido para ela. Pra piorar a situação, ele mora em um cemitério/ memorial da 2ª Guerra. Ela ainda está vivendo o luto e tentando se acostumar com todas essas mudanças quando recebe um diário escrito pela mãe quando estava na Itália, pouco antes de Lina nascer. 

É delicioso ir ‘passeando’ pela Toscana junto com Lina, Howard e Ren, um garoto que ela conhece lá (e que é a coisa mais fofinha desse mundo inteiro, quero pra mim!). O livro é super leve e fluido, tem um mistériozinho e é gostoso ir criando suposições ao ler as lembranças da mãe de Lina. Depois também saíram dois outros livros (Amor & Sorte, na Irlanda, e Love & Olives, na Grécia) que já estou mega ansiosa pra ler também.

O ano em que disse sim

Saímos rapidamente dos romances pra O ano em que disse sim, o primeiro livro que li em 2021. Eu resolvi ler basicamente por indicação da Karine e de algumas outras amigas da blogosfera, já que nunca fui fã das séries da Shonda. O livro conta um pouco da história dela e sobre como sua vida mudou depois que ela resolveu fazer um “ano do sim”, enfrentar seus medos e sair da zona de conforto. 

Livro O ano em que disse sim

A escrita da Shonda é maravilhosa, me senti em uma conversa de amigas compartilhando a coberta no sofá: morri de rir com as dramatizações que ela faz e me identifiquei super (a introvertida & ansiosa & sonhadora que há em mim se sentiu 100% representada). Também achei uma escolha maravilhosa pra “primeiro livro do ano” por ser bastante inspirador e me fazer pensar sobre meus próprios medos, inseguranças e vontades. 

Comer, Rezar, Amar

Comer, Rezar e Amar é um livro que tava na minha lista de leituras há muitos anos. Eu gosto bastante do filme e gostei ainda mais do livro – principalmente pelo começo, por entender melhor as motivações dela pra viagem, pelos relatos sobre a depressão e ansiedade. Assim como o livro anterior, o livro narra a história de uma mulher real e acho que gostei muito disso.

Livro Comer, Rezar e Amar

E a leitura foi mais ou menos assim: ENGOLI os capítulos sobre a Itália (oi, eu sou a Laura e eu sou alucinada pela Itália, lembra?). Aí quando ela vai rezar na Índia eu fico me perguntando quem em sã consciência escolhe ir para um lugar onde você vai ter que acordar cedo pra caramba e rezar o dia inteiro… não é pra mim. Mas até que consegui tirar coisas bem legais desse trecho também. 

Na Indonésia, apesar de ser a parte do “amar”, eu gosto muito da religiosidade envolvida (a bruxinha que há em mim se alegrou com o xamã e a curandeira) e de como ela começa a encontrar o equilíbrio. Entrou pra minha lista de livros favoritos, apesar de não ter sido uma leitura fácil. 

Quais foram seus últimos livros lidos?

Bom, essas foram as minhas principais leituras de 2020 e comecinho de 2021. Pra ser bem sincera, tiveram muuuitos outros, porque entrei na onda de romances nacionais do Kindle Unlimited e nisso rolaram vários livros que li em 1 dia, de tão rapidinhos e gostosos. Ainda essa semana volto aqui pra falar sobre um deles que gostei bastante!

E vocês, o que tem lido por aí? E o que está na lista de leituras? Eu tô querendo ler A Troca e Teto Pra Dois, que muita gente tem comentado e parece bem meu estilinho de livro. Se tiverem mais indicações, deixem aqui pra mim ❤

Você também vai gostar

    Série Amores Australianos
    Conheça a série de livros Amores Australianos, de Victoria Gomes
    A influência do blog na minha vida

lifestyle

5 de maio de 2021

Desde que escrevi o post comentando sobre os 10 anos de blog, bateu aquela nostalgia e parei pra pensar em todos os momentos que vivi depois de criar o blog e, consequentemente, no tanto que a blogosfera influenciou minhas escolhas e minha vida, num geral. 

Bom, claro que muito disso já faria parte da minha vida de qualquer forma, mas sei que me aproximei e me apaixonei mais por causa do blog. Afinal, o A Menina da Janela faz parte do meu cotidiano desde que eu tinha 12 anos e muita coisa aconteceu desde então, né?

A influência do blog na minha vida

Bom, já falei há uns anos atrás sobre coisas incríveis que o blog me trouxe, com as pessoas incríveis que conheci por aqui e muito mais, mas dessa vez escolhi falar sobre influências mais “profissionais”. Vamos lá?

Programação

O ano era 2011 e eu me achava super ninja personalizando meus temas pro blog e pro tumblr com HTML. Quem aí também viveu essa época? 

Se você está a mais tempo por aqui, talvez se lembre que no ensino médio eu fiz um curso técnico de redes de computadores no CEFET. Quando fui escolher o curso, eu estava na dúvida entre química e redes (oi? hahaha) mas depois acabei escolhendo a área de TI porque amava Internet e HTML e tudo o que eu sabia sobre a área. 

Ok, nem cheguei a me formar no curso e depois saí completamente da área (mais por culpa do esquemão massacrante dos colégios técnicos que qualquer outra coisa), mas é algo que eu realmente curto muito estudar e sempre tento me manter minimamente informada, pelo menos.  

Escrita 

Desde pequenininha, eu adorava escrever. Inclusive, tenho livrinhos que escrevi na infância e na última página ainda fazia um “sobre a autora” com meus dados, bem me achando hahahahah

Mas foi com o blog que eu comecei a mostrar pro mundo o que eu escrevo. No começo eu morria de vergonha e não deixava ninguém ver nada, quase morria quando surgia um comentário e custei a me acostumar com a ideia das pessoas saberem que eu tinha um blog. 

Home Office Letras

Com o tempo, isso se tornou mais natural pra mim (apesar de eu ter começado a evitar um pouco assuntos mais pessoais – o que ainda quero mudar um pouco). Quando fui entrar pra faculdade, meu plano inicial era o jornalismo, mas a faculdade de Letras sempre ficou ali como uma segunda opção. Ainda que não mantivesse o plano de “ser escritora ~quando crescesse~”, a única certeza que eu tinha era que tinha que ter alguma coisa a ver com a escrita. 

Fotografia

Eu nem sei bem quando comecei a fotografar com mais frequência, mas sei que foi pros posts do blog – se não me engano, em posts sobre livros que eu configurava o timer da câmera e corria pra posar como se estivesse lendo, hahahah

Desafio dos livros
Laurinha de 2014 no post de Desafio dos Livros <3

Foi pra melhorar as fotos do blog que eu comecei a estudar fotografia, e desde então não parei mais. Em 2018 me formei como fotógrafa profissional e sigo trabalhando na área (apesar da pausa por causa da pandemia, que estou aproveitando pra atualizar contratos, site, burocracias e etc hahah). Meu sonho ainda é trabalhar 100% só com fotografia. 

Edição

No começo do blog, eu falava sobre livros o tempo inteiro. Na época eu lia pelo menos 2 livros por mês e fazia uma espécie de resenha sobre cada um por aqui, além de responder várias tags literárias sempre. 

Inclusive, até hoje muitos bookstagrans me marcam quando respondem a tag 10 perguntas literárias, que eu respondi lá em 2014, acho o máximo hahah

Quando entrei na faculdade de Letras, eu fiquei meio perdida porque sabia que não queria ser professora (o que é o que a maioria pensa sobre o curso). Quando descobri a habilitação em Edição, eu fiquei MUITO empolgada com a ideia de trabalhar com livros/em editoras. 

Atualmente, depois de conhecer mais dos processos editoriais, eu fico ainda mais encantada cada vez que pego um livro e posso observar todos os detalhes, perceber os padrões de cada editora, namorar o livro como um produto mesmo. A minha crescente biblioteca de “livros bonitos” que o diga 😅

Marketing de conteúdo

Aqui chegou o momento que muita gente sensata torce o nariz, né? Hahahah

Quem está na blogosfera há mais tempo provavelmente se lembra do momento em que tudo começou a ser sobre SEO (otimização para mecanismos de busca), não é mesmo? De repente um tanto de gente parou de produzir conteúdos variados, pessoais e divertidos pra, basicamente, escrever conteúdo sobre como escrever conteúdo. 

Comecei a estudar sobre nessa época, trazendo algumas das técnicas e coisas que aprendi pra cá, mas nunca usei muito por aqui (só em conteúdos que acho mais relevantes e menos pessoais mesmo, que sei que podem ajudar outras pessoas se encontrados). 

Apesar da chatice envolvida no assunto até hoje e do incômodo com a forma que o marketing de conteúdo é tratado, é um assunto que eu gosto muito, que acabei fazendo cursos e, atualmente, trabalho com isso, como redatora e revisora de conteúdo pra web (de certa forma, tem bastante relação com o que estudo na Letras também). 

Bom, é isso! Se você também tem um blog, me conta aqui nos comentários quais são as principais influências dele na sua vida, se você conheceu algo através dele e se apaixonou?

Você também vai gostar

    Dezembro entre mares e morros
    Junho é o melhor mês e eu posso provar

pessoal

27 de abril de 2021

Você também é do clube de pessoas que ama um bom pijama, não só na hora de dormir, mas em todos os momentos de conforto em casa? Eu definitivamente faço parte desse time e praticamente coleciono pijamas gostosinhos ❤️

Se você também é dessas, vai adorar conhecer a Daniela Tombini, uma marca que começou com chinelos atoalhados, mas atualmente trabalha com moda íntima, casual, fitness e muito mais! 

Além do site, que entrega em todo o Brasil, a marca catarinense tem lojas físicas espalhadas em shoppings de Santa Catarina, São Paulo e Paraná. Vamos conhecer algumas peças da marca?

Pijamas femininos da Daniela Tombini

Hoje fiz uma seleção dos pijamas femininos mais lindos que encontrei no site, vamos conferir?

Camisola Bárbara Turmalina

Camisola Bárbara Turmalina - Daniela Tombini

Adoro camisolas e não preciso nem dizer que a estampa de folhinhas e a cor da camisola Bárbara Turmalina são tudo pra mim, né? 

Camisola Clarisse Helena

Camisola Clarisse Helena - Daniela Tombini

Normalmente gosto mais de camisolas mais simples como a de cima, mas achei essa camisola Clarisse Helena maravilhosa também! Achei a estampa linda e o detalhe de renda no busto muito maravilhoso ❤️

Pijama curto Vanessa

Pijama curto Vanessa - Daniela Tombini

Esse é um dos meus tipos favoritos de pijama também, apesar de preferir manga fina… Adorei a cor do pijama curto Vanessa e achei ele a cara da minha mãe, que sempre curte mais pijamas de manga curta assim e com short não tão curtinho! 

Short Doll Betina

Short Doll Betina - Daniela Tombini

Agora sim, meu tipo preferido de pijama: shortinho e camiseta básicos e soltinhos. Achei o short doll Betina INCRÍVEL porque, normalmente, encontro mais esse tipo de pijama com estampas fofinhas/infantis, e adorei ele básico, mas com uma paleta de cor lindinha assim! 

Pijama Legging Carina

Pijama Legging Carina

Com o inverno chegando, nada melhor que pijamas quentinhos, né? O pijama legging Carina me chamou muita atenção por causa da gola V: eu normalmente tenho um problema com pijamas de frio porque a gola é mais fechada e eu ODEIO dormir com coisa pegando no pescoço… e esse é perfeito!

Pijama Xadrez Silvia

Pijama Xadrez Silvia

Acho esses pijamas com botões assim CHIQUÉRRIMOS, e além disso resolvem o meu problema com gola pegando no pescoço, né? Achei o pijama xadrez Silvia lindíssimo e, por ser flanelado, deve ser ainda mais quentinho e gostoso pra aqueles dias mais frias, né?

Acompanhe a marca nas redes sociais

Essas foram minhas escolhas! O que vocês acharam? Qual o tipo preferido de pijama de vocês? Me contem aqui embaixo! 

Se curtiram os pijamas, podem acompanhar a Daniela Tombini no instagram

Essa é uma publicação patrocinada, mas as escolhas e opiniões aqui são autênticas, ok? 
Fotos retiradas do site oficial da marca.

Você também vai gostar

    Aprenda a identificar produtos sustentáveis
    Três modelos de óculos de sol masculino que estão sempre em alta

pessoal

3 de março de 2021

Confesso que tô escrevendo esse post meio frustrada, mas acho que ultimamente esse sentimento já é tão comum que nem me assusta, não me culpo. Consequências de viver num país governado por um imbecil durante uma pandemia, né?

Mas vamos falar de coisas um pouquinho mais legais: dia 28 de fevereiro esse meu cantinho completou 10 anos!! Pra mim é muito incrível pensar que eu tenho 10 anos de registro da minha vida por aqui – desde a Laura romanticazinha e ratinha de livros de 12 anos até a Laura de 22 viciada em arte e papelaria.

A Menina da Janela 10 anos

A frustração é porque eu pensei em mil e uma formas de comemorar: elas envolviam inclusive bolo com velinhas de 10 anos e MUUUITAS FOTOS, além de uma sessão nostalgia por aqui.

Eu realmente tava empolgada pra fazer isso, coloquei nas minhas metas do ano, juntei inspirações pra bolos e fotos… tudo lindo, mas aí veio fevereiro.

Fevereiro por aqui

Que mês que foi esse, minha gente?

Bom, vamos lá, deixa eu voltar no tempo pra explicar o que rolou por aqui (pra quem não me acompanha no Twitter e ainda não encheu o saco de me ver falando disso): lá no finzinho de janeiro eu comecei a ter umas dores de cabeça / de dente MUITO FORTES.

Um tipo de dor que eu já conhecia porque quando um dos meus sisos tava nascendo eu senti também, mas dessa vez era do outro lado e a dor absurda a nível de nenhum remédio funcionar e eu passar o dia inteiro encolhida na cama chorando de dor.

Lá vai a Laura atrás de dentista e exames e tudo o mais, né? E assim descobri que o problema é que meu siso tava “preso” embaixo do dente da frente, fazendo força pra sair mas sem conseguir, empurrando o coleguinha e enfim… o caos odontológico inteiro. Isso gerou uma inflamação/infecção e antes de marcar a extração do siso eu precisava tomar remédios pra tratar isso.

Sou a favor de gifs fofinhos pra lidar com coisas chatas de forma mais leve

Só que como o universo gosta de rir da minha cara, eu tive uma reação alérgica não só ao anti-inflamatório, mas também ao antibiótico (pensa a dificuldade pra descobrir que o problema era os 2). Passei dias passando mal e me coçando inteira mesmo depois de suspender o uso.

Até aí, tudo bem (eu amo essa frase. sério.). Se você me conhece ou me acompanha há algum tempo, provavelmente sabe que as coisas que eu mais tenho medo na vida são agulhas e cirurgias. E que eu sou uma pessoa MUITO ansiosa. Imagina a minha situação sabendo que ia precisar lidar com isso, precisar disso pra parar de sentir dor. Pois é.

E durante todo esse tempo eu tava tomando um analgésico fortíssimo que era a única forma de passar algumas horas sem dor. E meu estômago não tava curtindo muito isso, então eu tava meio que sem comer direito há uns 15 dias.

Eis que, finalmente, chega o dia da extração. Eu no auge da minha ansiedade só conseguia que pensar logo ia conseguir ficar livre. Mas lembra que o universo curte rir da minha cara, né?

Depois da extração, cheguei em casa e… percebi que a dentista tinha tirado o siso errado! (Foi o do outro lado, que também precisava ser tirado, mas como eu tava com muita dor ia ficar pra depois.). Não foi um grande problema, exceto pela parte de mais uma semana com remédio pra dor E sem comer porque né, agora além de tudo tinha um buraco gigante na minha boca.

Só na semana seguinte tirei o siso certo e aí foi mais uma semana com dor e sem comer porque ele tava numa posição super complexa e teve que abrir MUITO a gengiva pra conseguir extrair.

Eu nem sei como, mas já tava tão desesperada que lidei até bem com a anestesia e cirurgia em si (vulgo chorei só um pouquinho e passei uns 3 dias dolorida por travar o corpo de ansiedade).

Aí o fim da história é que só no dia 2 de março a saga acabou e tirei os pontos e fiquei livre dessa treta toda de vez. Ou seja: no dia 28 eu não tinha energia nem clima pra nada além de ficar mal humorada. E foi isso. Pelo menos tô livre das dores e dos remédios.

Fui pesquisar e, na leitura corporal, o siso tem relação com tomada de decisões, com a necessidade de buscar os próprios caminhos e aspirações. A parte louca é que o mês também foi cheio de ansiedade relacionada à minha vida profissional e coisas que em breve conto melhor por aqui.

A questão é que realmente foi um momento de tomada de decisões e de externalizar o que eu realmente quero – o que não foi fácil.

Tchau, fevereiro, feliz aniversário de 10 anos, bloguinho ♥

Bom, é esse o resumo de “porque eu sumi e nem comemorei o aniversário do blog da forma que tinha planejado”. Agora já tá tudo bem e eu tô só aliviada que o mês acabou, porque foi cansativo, viu?

Talvez ainda role um ~bolinho atrasado só pra não passar em branco~ e talvez eu faça a seção nostalgia por aqui porque se tem uma coisa que, como boa canceriana, eu AMO, é nostalgia. Mas tô no fim de semestre e tentando recuperar os atrasos todos do mês passado, então não vou prometer nada… veremos.

Agora me contem: como foi o mês de vocês por aí? Espero que tenha sido mais tranquilo, dentro do possível né hahah

Você também vai gostar