05 04 2016

Quase crise dos quase 18

Quase crise dos quase 18

Ou apenas “desabafos sobre o crescimento”

Desde sempre, esse é meu cantinho pra falar sobre mim, então vez ou outra cês tem que ler meus desabafos sim. Peço desculpas e, se quiser ouvir algumas tagarelices sobre minha mente confusa, fique à vontade: puxa uma cadeira ou se joga no sofá. Na cozinha tem limonada e cappuccino, você escolhe, não vou fazer sala que aqui todo mundo é de casa.

Há um ano atrás tomei um susto quando me peguei dizendo “tenho que ir lá preencher uns papéis e assinar uns documentos”. Isso não era pra ser uma frase minha, né? É frase de gente adulta. Mas ali estava eu, no meio das minhas férias, acordando cedo e indo assinar papéis pra uma bolsa de iniciação científica. Pelo que me lembro, foi a primeira vez. O primeiro susto, o primeiro choque. A primeira vez que senti que alguma coisa já não era como antes… “Tem certeza que não é minha mãe que tem que preencher isso tudo, moço?”.

Daí em diante não foram uma nem duas vezes as quais me assustei assim. Há alguns meses reencontrei um amigo que não via há tempos e PÁ! Estampada lá na cara dele, uma barba já cheia. Desde quando meus amigos têm barba mesmo? Da última vez que o vi ele tinha cabelo cacheadinho e cara de bebê.

Quando saio com meus amigos e olho ao meu redor, vejo um bando de gente vestindo roupas sérias, “descoladas” e pagando a conta do barzinho com cartão. Sabe, até outro dia a gente só saía pra ver filme no cinema e comer no Mc Donalds – Ainda nos achando super ricos com os R$50,00 dados pelos pais.

Outro dia foi o Google Maps quem me ajudou a chegar ao TRE mais próximo pra que eu tirasse meu Título de Eleitor- sem a companhia da minha mãe, que estava trabalhando e não podia nem precisava me acompanhar. É, eu já sou uma pessoa que tem um título de eleitor.

Na festa de uma amiga, semana passada, mais um choque. Um não, dois. Novamente, reencontrei amigos que não via há muito tempo – desde quando mudei de escola, há dois anos, pra ser mais exata- e nossos assuntos antes eram sempre filmes, livros, besteiras… vez ou outra contávamos de uma festa ou viagem muito legal ou de quantas horas dormimos na noite anterior. Besteiras no geral (boas, claro!). Na festa, quando percebemos, estávamos há tempos conversando e o assunto ia de escola pra cursinho, para trabalho e no fim sempre voltava pro tão falado vestibular.

Ok, estamos no ensino médio, o tal do vestibular tá chegando e ok, é normal falarmos sobre isso. Assustador mesmo foi quando percebemos isso e resolvemos mudar de assunto: demorou mais de uma hora entre silêncios e comentários ainda sobre o vestibular, os estudos e o cansaço, pra encontrarmos outro assunto. Quem foi que tirou de nós a capacidade de conversar sobre outras coisas? No dia, na semana, no mês, nenhum deles tinha algo pra contar que não envolvesse estudos e cansaço.

O outro susto quase me fez cair pra trás: dentre estas pessoas da festa estava um dos meus melhores amigos, que eu também não via desde que entrei no CEFET, também deixando a barba crescer. Perguntei, por perguntar, o velho “quê que cê tá arrumando da vida?” Esperando o clássico “ah, escola, cursinho… o de sempre” como resposta. Em vez disso, ouvi um “Ah, tô trabalhando no administrativo de um escritório de advocacia”. QUÊ? Como assim? Até outro dia os pais dos meus amigos levavam eles na porta da escola do bairro, pisquei e de repente eles trabalham no administrativo de um escritório de advocacia. Por quanto tempo eu dormi por favor obrigada?

Talvez você esteja lendo isso e rindo – alguns anos passada a maioridade, tudo isso deve parecer nada e até engraçado diante de tantas mudanças que sei que ainda estão por vir – algumas próximas, outras que ainda vão demorar mesmo depois dos 18. É só que de repente comecei a perceber as coisas mudando, primeiro devagarzinho e agora num ritmo que nem consigo acompanhar mais. E em meio a alguns anseios pelo próximo aniversário, começo a perceber também quase que uma Síndrome de Peter Pan aparecendo por aqui.

Não é que eu tenha medo de assumir responsabilidades – me assusta sim ver que cada vez menos minha mãe responde por mim e que sou cada vez mais responsável pelos meus atos, mas com isso eu até que consigo lidar. O que me assusta é ver toda aquela galera cheia de sonhos, críticas, energia e voz, cansados demais pra curtir uma noite. O que me assusta é ver que ninguém mais vive além do vestibular. O que me assusta é ver o sistema engolindo todos, que estão tão ocupados e envolvidos que não conseguem nem mesmo perceber.

E confesso, lá no fundinho, tem também um certo orgulho de pensar que nos meus assuntos ainda tem a viagem de duas semanas atrás, o petit gateau do último feriado e as  novidades do blog. Que no último fim de semana nem toquei num caderno, dormi umas 12 horas, dancei forró e ri muito. Que ainda tenho coisas pra contar e nem mesmo sei o que os cursinhos tão chutando pro próximo tema de redação do Enem.

11 Comentários

11 Comentários em "Quase crise dos quase 18"

  1. Wanila disse:

    Que fofa! hahaha Eu faço 20 esse mês, mas confesso que desde os 15, não sei o que rolou. Perdi meu pai aos 15 e todas as responsabilidades que viriam aos 18, vieram mais cedo pra mim, então hoje me vejo vivendo coisas que só imaginaria viver daqui a uns 10 anos… Mas tá tranquilo, tô gostando!

    [Reply]

    Laura Nolasco Reply:

    @Wanila, Hahahah ☺
    Nossa, imagino que não deve ter sido fácil… que bom que vc está conseguindo lidar bem com isso!
    Beijos!

    [Reply]

  2. Rafa disse:

    Laurinhaaa! Li seu texto todinho! Pois eh menina… Eu tb me pergunto cadê a rafa de 13 anos que escrevia o hiper Friends? Agora tenho aqui a rafa de quase 20… rsrs
    Mas que bom que vc ao menos foi capaz de fazer toda essa reflexão, imagina as pessoas que estão cegas com os 20 anos na frente dos olhos delas, que nem são capazes de perceber que a vida mudou? 🙂
    Está na essência de cada um,ser jovem e criança para sempre. Acho que vc tem isso, assim como eu ?
    Beijinhos!!

    [Reply]

    Laura Nolasco Reply:

    @Rafa, hahahahh pois é, Rafa!!
    Muito obrigada…
    Beijos!!

    [Reply]

  3. Moça passei e venho passando por isso, já tenho 18 anos, e percebo o quanto as coisas vão mudando aos poucos.
    Hoje fico impressionada, quando penso que eu “já posso tantas coisas”, que preciso resolver minhas questões sozinha, que as conversas com os amigos já tomam outros rumos.
    Me deparo com meus dilemas de caloura, com a busca pelo primeiro emprego, as duvidas e os medos e as barreiras que precisam ser quebradas. E vou compartilhando esses meus dilemas com os meus amigos que também estão no mesmo barco , nessa descoberta da vida de ”adultos”.
    Adorei ler seu texto!
    Beijos

    passarosjanela.blogspot.com.br

    [Reply]

    Laura Nolasco Reply:

    Hahahah é bom ver que outras pessoas passam pelo mesmo… assusta, mas é bom né?
    Fico feliz que tenha gostado!
    Beijos!

    [Reply]

  4. Fofa! É assim mesmo. Estou beirando os 20 e ainda não acostumei com a vida adulta, não. É trabalho de um lado, correr atrás do estágio, faculdade… Dá até saudade das aulas do ensino médio. Mas dá aquela alegria no fundinho de estar conquistando nosso futuro, sabe?
    Continua sempre compartilhando esses pensamentos. Amei o seu jeitinho e seu cantinho (que ainda não conhecia, mas agora quero acompanhar sempre!)

    [Reply]

  5. Alexia disse:

    Sei que muita coisa muda ao decorrer dos anos… “Ainda” tenho 16 anos e vi muita diferença apenas no meu modo de pensar kkk, sei lah agr estou com um pouco de receio de chegar aos 18 e me sentir estranha… Ah sei lá…nem sei mais o que estou escrevendo…estou com fome… Deve ser isso!!!! Kkkkkkk

    [Reply]

  6. Luana Souza disse:

    me identifiquei :p
    estou no terceiro ano e sinto como se minha vida antes disso fosse uma versão “café com leite” da realidade. como assim ano que vem eu já vou estar na faculdade? como assim ano que vem eu já tenho que começar a trabalhar? como assim, minha mãe está dizendo que estou “perto de tirar a carteira”?
    sério, é estranho! eu não sei nem pagar conta de luz :p fico esperando minha mãe dizer o que eu estou sentindo no médico…
    só digo que quero voltar a ser criança! hehe
    beijos :*

    [Reply]

  7. Super me identifiquei, tô meio que nessa quase crise dos quase 18 também. Meu aniversário de 18 é esse mês e eu tô tipo, amando e odiando ao mesmo tempo!
    Já tô na faculdade e é estranho perceber como tudo mudou, mas que bom que mudou. Eu estava precisando de mudanças na minha vida e agora que elas estão ocorrendo eu tenho que me adaptar!

    Beijos! ~ http://www.umdiarioquasenormal.com

    [Reply]

  8. Eu tô é confusa, você tem 17 anos SÉRIO? achei que era brincadeira. Você tem um jeitinho de tipo mais de 20, parece super adulta e responsável. Sei la porquê pensei isso, mas so agora fui ler o perfil “ler mesmo” – desculpa nao ter lido antes- e pá 17 anos. Hãn? Eu vim ler isso pois super me identifiquei. Fiz 18 agora e ver tudo isso foi muito louco (so uma coisa, que inciação cientifica? to correndo atrás da minha – tentando- agora e na faculdade! hahah) mas então eu tirei o titulo, assinei papeis e contratos e também fiquei muito “ue cade minha avó pra me ajudar? por que eu tenho que preencher tudo? E pegar metro, onibus, sair sozinha, viver sozinha então? Nossa preciso fazer um post sobre isso MUITO OBRIGADA foi tudo muito louco e por essa loucura que o blog nasceu, para eu ter um cantinho para voltar (dentro de mim mesma).

    [Reply]