19 07 2018

Bee Happy – Junho

Bee Happy - junho

Já passou do meio de julho, mas não queria deixar o Bee Happy de junho passar em branco. Junho foi um mês meio caótico por aqui, como já comentei: final de semestre, muitos trabalhos, alguns trabalhos de fotografia, aniversário do João e o meu e no final uma infecção de garganta e sinusite pra fechar com chave de ouro, hahahaahah.

Tomei a liberdade de no lugar de uma das fotos desse mês colocar uma coleção de selfies tiradas com pessoas queridas na comemoração do meu aniversário – só joguei todas juntas porque queria guardá-las e postá-las de alguma forma. Vamos às fotos?

Bee Happy - Junho FIQ 2018

Bee Happy - Junho, FIQ 2018

 

Bee Happy - Junho

Bee Happy - Junho

Bee Happy - Junho, aniversário

1- O mês começou com o FIQ – Festival Internacional de Quadrinhos – e esse ano tive uma amiga lançando um livrinho infantil lá! A Bella é incrível e já tô doida pra falar sobre tudo melhor aqui no blog.

2- Esse ano fiquei encantada com a quantidade de mulheres com mesas no FIQ. Já fui no festival em alguns anos anteriores mas essa vez foi realmente muito feliz nesse quesito!

3- Dia 15 foi aniversário do João, e no fim de semana ele reuniu alguns amigos lá no sítio… comemos bastante, jogamos, curtimos o clima frio… foi muito legal.

4 e 5 – No fim de semana do aniversário do João saí com a câmera pelo sítio fotografando flores, esse urucum, o pé de limão… tô usando as fotos pra brincar testando edições diferentes, por isso a bagunça de edições diferentes hahahahha… O que acharam?

6- A coleção de selfies do meu aniversário, comemorado numa churrascaria gostosinha por aqui com amigos. Nem todo mundo me mandou as fotos, mas foi muito especial pra mim reunir tanta gente que gosto tanto. Também fiquei absurdamente feliz com a quantidade de pão de alho e caipirinha ahhahahahah

É isso, pessoal! O Bee Happy- Junho é uma coleção de momentos gostosinhos do meu mês. Me contem o que acharam (qual edição das fotos aí em cima vocês mais gostaram? Qual a foto preferida?) e também como foi o mês de vocês… qual a lembrança mais gostosa que ficou?

Bee Happy é um projeto fotográfico postado todos os meses, no qual 6 fotografias (ou mais) ilustram um resumo deles; atualmente é composto por Laís(criadora), Laryssa e Laura. Se você desejar fazer parte, será bem-vindo com alegria por nós, basta apenas entrar em contato sobre seu interesse.

9 Comentários
16 07 2018

Laura Nolasco Fotografia – Agora tenho logo e cartões!

Laura Nolasco fotografia - Cartões de visita

Já trabalho com fotografia há 3 anos, mas tenho uma mania boba de ter vergonha de dizer que sou fotógrafa. É bobeira minha, eu sei, mas luto frequentemente com a sensação de não me achar boa o suficiente pra me dar esse nome, sabem? Tenho a sensação de que ainda tenho muito a aprender e por isso ainda não posso usar o título.A verdade é que se eu deixar esses pensamentos dominarem, nunca me intitularei fotógrafa: sempre vai ter muito o que aprender, sempre vai ter aquela auto exigência absurda e sempre vou querer ser melhor. Agora, terminando o curso profissional de fotografia, resolvi que é hora de assumir o “Laura Nolasco Fotografia” de uma vez por todas.

O plano é parar de me auto sabotar: já tenho página, instagram e tudo o mais, mas estes são abandonados e vivem desatualizados. Eu ainda respondo “sou estudante de letras” quando alguém me pergunta o que faço da vida… Pode parecer um passo pequeno pra muita gente, mas me lembro direitinho da primeira vez que respondi “sou fotógrafa”. É com fotografia que eu trabalho e é a fotografia que é a paixão maior da minha vida – não tem porque esconder ou sentir vergonha disso. Cartão de visitas-Laura Nolasco fotografiaResolvi então – e oficializei no 20 antes dos 20 – que já era hora de ter uma logo bonitinha e um cartão de visitas – já tinha cliente puxando minha orelha pela falta do cartão! Muito feio, né? Eu tenho a sensação de que ter o cartão, uma página com logo e tudo o mais não só passa uma sensação mais profissional pros futuros clientes, mas me dá também a sensação de “essa é a imagem do meu negócio de fotografia”, sabem? Isso dá um medinho – afinal, eu morro de medo de páginas em branco, de começos- mas não deixa de ser absurdamente empolgante.

Depois de resolver, eu não tinha ideia de como queria minha logo. Tinha a ideia de usar um diafragma, mas só. É aí que a incrível Lariz Santana entra. Procurei ela, conversamos sobre preços e ideias, fechamos tudo e eu ainda não tinha nem ideia do que ia sair disso tudo. Já tava encantada com o tanto que ela foi atenciosa e compreensiva – eu não tinha ideia e tava surtadinha, gente, juro.

Cartão de visitas- Laura Nolasco fotografia

A Lariz me mandou um briefing pra responder e nele eu contei pra ela que queria algo simples, delicado, que tivesse relação com a natureza que é um elemento que está sempre presente nas minhas fotos. Contei que queria um fundo branco mas que gostaria de algo verde também. Disso, ela fez magia e o resultado vocês já tão vendo nas fotos que fiz meio no improviso esses dias.

Eu realmente fiquei encantadíssima com o resultado: Quando minha mãe viu ela falou “Olha, igual sua tatuagem!!” e é verdade: minha logo tem raminhos igual minha tatuagem preferida. Lariz foi um amor e contou que apesar de normalmente trabalhar com formas geométricas, nesse caso ela teve a ideia e resolveu ilustrar com o mouse mesmo- ainda me mandou uma foto da versão “a mão” pra eu ver como surgiu a ideia! Achei muito amor e senti muito carinho nisso! Pra todos os amigos que já entreguei um cartão sempre me respondem “Nossa Laurinha, tá muito a sua cara!!!” e isso me enche de alegria.

Laura Nolasco Fotografia logo por Lariz Santana Designer

Poucos dias depois que a Lariz me mandou a arte aconteceu uma daquelas coisas que a gente fica até meio assustado com a sincronia – dá aquela sensação boa de que tudo vai dar certo, sabe? O pessoal da 360 imprimir me ligou oferecendo 250 cartões para conhecer o serviço deles. Não é incrível? Poucos dias depois os cartões já estavam nas minhas mãos – o processo de enviar a arte, escolher tudo e etc foi super fácil e eles são muito atenciosos. Os cartões chegaram antes do prazo e achei a qualidade incrível! Só não curti muito a embalagem que veio – apenas embrulhados em kraft – acredito que poderiam vir mais protegidos pra evitar problemas, mas não tive nenhum problema então é só uma observação.

Esse post é só pra falar um pouquinho sobre e mostrar as novidades pra vocês… Contar o tanto que eu tô feliz – e com borboletas no estomago – por tudo isso. Espero que gostem e não esqueçam de me contar o que acharam, ok? Vou deixar aqui embaixo links das minhas redes de fotografia e os da Lariz também!

Laura Nolasco Fotografia

Instagram 
Facebook 
Site

Lariz Santana Designer

Instagram
Facebook

 

7 Comentários
12 07 2018

20 antes dos 20 – Resultados!

Resultados - 20 antes dos 20

Logo depois de fazer o post comemorando meu aniversário, uma gripe me pegou. Literalmente: Eu tava bem, escrevi o post, garganta tava coçando um pouco… Saí pra faculdade e quando voltei não aguentava nem ficar em pé direito. Com isso passei os dias seguintes bem mal, fui no médico e descobri que era uma garganta infeccionada que me deu 40ºc de febre por uns dias somada a um princípio de sinusite… Fiquei bem quietinha por uma semana e até tentei escrever aqui pro blog, mas não fui muito bem sucedida nessa missão. E é por isso que esse post de resultados atrasou.

A sorte foi que na última quinta-feira de junho fiz minha última prova na faculdade, então entrei de férias e pude ficar literalmente uma semana dentro de casa sem me preocupar com nada… Foi o que fiz. Quarta passada estava me sentindo um pouco melhor e fui no cinema com um amigo assistir Os Incríveis 2 – mais alguém já foi? Amei sentir o gostinho de infância de novo! Ia publicar esse post na quinta, mas não consegui fotografar e tive mil compromissos desde então, aí acabei atrasando…

Agora que já tô melhor e oficialmente de férias, vamos ao post: vim mostrar pra vocês os resultados do 20 antes dos 20, projetinho de metas que comecei no fim do ano passado pra tentar realizar algumas coisas antes de completar meus 20 aninhos! Vou colocar uma visão geral de cada uma das categorias e falar melhor sobre as coisas que achar mais importantes, ok? O que não consegui cumprir vai estar riscado. Se quiser ver um pouco melhor sobre cada uma das metas, vai lá no primeiro post!

Resultados 20 antes dos 20

20 antes dos 20 – Resultados!

Pessoal

1. Tirar carteira de motorista
2. Começar a planejar uma viagem sozinha
3. Pintar meu quarto
4. Fazer prateleiras no meu quarto
5. Fazer uma MEGA LIMPA nas minhas coisas
6. Continuar cuidando mais de mim
7. Fazer uma nova tattoo

Fiquei muito feliz nesse quesito: Não só comecei a planejar uma viagem sozinha, como juntei as malas e fui sozinha pro Festival de Fotografia de Tiradentes – teve até vlog! Pintei meu quarto, fiz uma nova tatuagem, fiz uma bela limpa na minha papelada e consegui continuar cuidando de mim: 2L de água todo dia, protetor solar com muito mais frequência, cuidei mais do meu cabelo nos últimos meses, me mantive organizada… tô feliz!

Não consegui tirar carteira: até tentei, mas tomei pau no primeiro exame e resolvi que preciso primeiro aprender a lidar com o medo de dirigir pra depois me preocupar com isso. Sobre as prateleiras: ô coisa difícil! Pedi orçamento em uns 4 lugares diferentes, mas nenhum me respondeu e aí acabei deixando passar. Será que antes dos 21 sai?

Blog

8. Retomar e manter ativo o canal do youtube
9. Fazer mais Looks do Dia
10. Conhecer pessoalmente mais blogueiras
11. Post comemorando 7 anos de blog!
12. Resenhar um livro por aqui
13. Mais posts sobre fotografia

Ok, no blog eu não fui tão bem quanto gostaria: só saiu 1 look, não resenhei o livro que queria (nem terminei de ler!) e não fiz TAAANTOS posts quanto queria sobre fotografia – nem como queria. O canal do youtube só teve o vlog do primeiro dia da viagem também. Mas comemorei os 7 anos e conheci a Joy!

Estudos, trabalho e cultura

14. Fazer uma logo para o @lnolascofotografia
15. Começar a juntar $$ para trocar de câmera
16. Fazer um ensaio no sítio
17. Conhecer 5 novos restaurantes

Tá aí uma área que andou bem: não fiz o ensaio no sítio – quando achei que ia rolar, quebrei o pé e complicou tudo! Agora o frio chegou, mas assim que a temperatura permitir eu já sei até com quem vai ser o ensaio. A logo pro trabalho de fotografia vocês já podem conferir no instagram e na página – não é a coisa mais linda do mundo?- mas ainda vai ter post sobre porque foi feita por uma pessoa muito especial!
A poupança pra trocar de câmera tá indo – a passos de formiguinha, mas tá indo. E 5 novos restaurantes eu acho que foi a primeira meta que completei, já que eu e João saímos bastante pra comer e na viagem comi em vários lugares novos.

Compras

18. Fazer cartões de visita de fotografia
19. Comprar um HD externo
20. Comprar roupas para trabalhar

YEY! Todas essas foram atingidas! Os cartões de visita chegaram pouco antes do meu aniversário – mas, como á disse, vai ter post especial depois então não vou contar muita coisa – e foram uma das coincidências mais legais que já rolaram comigo… Chega a dar aquela sensação gostosa de que o universo tá conspirando pra tudo dar certo, sabe?
O HD externo ganhei do meu pai – um que ele não estava usando mais e me passou… Mas por enquanto tá mais que suficiente pra mim. E as roupas eu acabei comprando uma calça e uma blusa e, apesar de ainda querer uma outra blusa, já tenho uma roupa legal pra trabalhar!

Resultados - 20 antes dos 20

Fazendo as contas, achei ótimos os resultados do projeto: apenas 5 metas não cumpridas! Considerando que até fui além de uma das metas, fiquei bem feliz! É como eu já disse: Adoro metas a curto prazo assim, afinal, fica mais fácil manter o foco e lembrar das coisas que preciso e quero fazer! Outra coisa incrível foi perceber o quanto a organização e o planejamento tornaram muitas dessas metas possíveis. O que acharam dos meus resultados?

E as metas de vocês, como andam? Realizaram algo que deixou vocês felizes recentemente? Me contem!

7 Comentários
25 06 2018

Taking Stock #7 – Meu aniversário de 20 anos!

Laura Nolasco por Letícia Reis - Taking Stock

Foto por Letícia Reis

Uma das coisas que mais gosto quando se aproxima o meu aniversário e o fim do ano é fazer o taking stock por aqui e ver tudo que mudou nesse tempo… já são 3 anos e meio que esse projeto me acompanha e sempre na hora de escrever eu volto nos posts anteriores pra comparar, me lembrar de coisas que já tinha esquecido… É sempre um momento gostoso.

Hoje é meu aniversário – 20 aninhos! – e dei uma pausa na loucura de fim de semestre (ok, não deveria, tenho um trabalho enorme pra entregar amanhã e prova hoje) pra vir aqui comemorar com esse post. Você pode conferir o do início desse ano por aqui e o do aniversário do ano passado aqui. Ainda essa semana – provavelmente quinta feira – trarei também o resultado do 20 antes dos 20, então passa lá pra conferir quais foram minhas metas e no próximo post você descobre quais alcancei!

Taking Stock #7 – 20 aninhos!

#Ouvindo: Tenho ouvido muito Lorde – Demorou, mas o Melodrama finalmente me conquistou-, Shakira e John Mayer também… Juntando assim parece meio aleatório, mas cada um tem seu momento. Mas o mais diferente de tudo é que fiz uma playlist com uns sambas (nem sei se posso classificar todas assim) e tô amando ouvir.

#Lendo: Comecei a ler História da Sexualidade, do Foucault… Tô meio agarrada nele, mas adorando. Pra acompanhar, tenho lido muito um livro infantil que era meu favorito quando criança: A Menina e a Pantera Negra, do Rubem Alves, que foi o tema que escolhi pra analisar como trabalho final de uma disciplina da faculdade (o que tenho que entregar amanhã!).
#Agradecendo: pelo frio que chegou, pelo semestre que, apesar de ainda caótico, foi mais agradável e cheio de coisas amáveis na faculdade, pela comemoração do meu aniversário no sábado que me fez reencontrar muita gente querida e me deixou extremamente feliz.

#Pinning: Tenho usado o Pinterest mais pra trabalho, então tô pinnando muita foto de casal e muita foto de mulheres(são os tipos de fotos que mais gosto de fazer)… é simplesmente incrível o tanto de trabalhos incríveis que encontro por lá e o tanto que isso me inspira.
#Estudando: Italiano, edição, análise do discurso, inglês, fotografia… Aah, é final de semestre, né? É o momento de estudar tudo pra fazer os mil trabalhos. A fotografia é sempre um dos tópicos por aqui, mas atualmente estou empolgadíssima com o Italiano- já consegui ler um livro inteiro! É incrível!
#Pensando: No tanto que mudei nesses últimos meses, no tanto de coisa que aconteceu, em como esse semestre da faculdade foi legal pra achar o rumo que quero seguir na Letras.
#Assistindo: Terminei Gilmore Girls – e comecei o revival! – e é definitivamente minha série favorita da vida. Maratonei Friends também, assisti Spotlight, estou assistindo Merlí com o João – apaixonadíssima também!
#Necessitando: De roupas. Percebi que tem tempos que só compro vestidos/roupas de calor, e agora com o frio tô passando um aperto com a falta de roupas quentinhas – principalmente pra enfrentar UFMG a noite!
#Planejando: Fotografar muito nas férias que já começam semana que vem, começar uns projetos novos, atualizar coisas que deixei pra trás…
#Desejando: AS FÉRIAS. Hahahahah… brincadeira. Desejando muitas festas juninas – por enquanto o movimento tá bem fraco, viu? 🙁
#Amando: Italiano e análise do discurso e assistir vídeos de pessoas desenhando.
#Vestindo: A única calça jeans que serve e as blusas de frio que tenho. E cachecóis, muitos cachecóis, amo cachecóis!  Acho que falo isso em todo taking stock de inverno.
#Comendo: Nossa, ultimamente as comidas de frio – como sempre nessa época do ano. Hoje aqui em casa tem caldo de mandioca – coisa que já virou tradição no meu aniversário.
#Sentindo: Um turbilhão de coisas. De medos, de ansiedades, de alegrias… Seria impossível descrever.
#Desfrutando: Dos amigos incríveis que tenho, dos últimos meses do curso de fotografia, do frio… De muita coisa.

É isso, pessoal! Esse foi um post rapidinho só pra manter a tradição do taking stock no meu aniversário e pra dar aquela atualizada básica… Como disse, quinta feira eu volto com o resultado do 20 antes dos 20! Enquanto isso me contem: O que vocês tem visto/ouvido por aí? Como foi o último semestre de vocês?

8 Comentários
18 06 2018

Sobre me permitir gostar do que eu gosto

Laura Nolasco por Letícia Reis  - gostar do que eu gosto

Foto por Letícia Reis 

Outro dia o nome de um blog me fez pensar na minha “história” – me sinto engraçada falando assim tendo só quase 20 anos de idade, mas vamos lá, todo mundo entendeu. “Maquiagem não é futilidade”, ele dizia. E aí lembrei de como as mulheres da minha infância sempre foram inteligentíssimas, estudiosas e do (graças à Deusa já superado por aqui) discurso de “É melhor uma biblioteca cheia de livros que um guarda-roupa lotado”. Maquiagem e roupas só eram assuntos quando eram alvos de críticas mil. Cresci repetindo sem pensar que “sou básica”, “maquiagem? não gosto!”.

Lá pelos meus 12 anos, quando as coleguinhas já tinham até alcançado um delineado perfeito  (ok, eu também questionaria isso/me assusta muito) me permiti comprar meu primeiro batom vermelho. Ver aquela cor no meu rosto me deu uma sensação de poder, de alegria, me senti tão linda quanto nunca imaginei que sentiria. Junto, veio um pouquinho de culpa: eu deveria me sentir assim por uma maquiagem?

De repente resolvi que gostava de saias. De repente meu guarda-roupa tava lotado de estampas. De repente me vi estudando um pouquinho aqui e ali sobre moda e amando usá-la como forma de expressão. No meio disso tudo surgiu um tanto de blog legal e de conteúdo interessante me dizendo que tá tudo bem gostar de maquiagem, que tá tudo bem gostar de moda E de livros, que eu não precisava ser aquele esteriótipo de filme americano da garota nerd que só veste a mesma coisa sempre e não ousa nem um pouquinho.

No meio disso tudo também, as grandes mulheres da minha vida também foram se abrindo pra tudo isso. De repente minha mãe usa saia. Minha tia não sai sem um batom colorido. Até minha madrinha aprendeu a se maquiar e  arrisca uma sombra brilhante de vez em quando. Minha mãe ainda olha torto quando experimento uma roupa diferentona ou quando passo mais de 20 minutos me maquiando; mas também se empolga de encontrar um creme novo com um cheirinho gostoso ou quando passamos na nossa loja favorita e ela experimenta um batom meio tom mais escuro.

Não é que todo mundo tenha que amar moda, viver de maquiagem e seguir à risca um cronograma capilar… – inclusive, NÃO! Ainda defendo que a gente tem que se amar como a gente é; mas que mal faz colorir um pouquinho mais o rosto quando der vontade?- É que eu fico muito aliviada de ver elas se abrindo pra experimentar coisas novas e de pensar que um dia isso será mais fácil pra minha filha- e que, é claro, apesar da minha empolgação com tudo isso ela pode nem ligar pra nada do tipo. Mas é que ela não vai precisar se sentir culpada quando ficar igualmente animada com um batom ou com um livro novo.

Eu fico feliz de saber que tá ok colocar um jeans velho, camiseta branca e all star batido pra ir pra faculdade com o cabelo preso num coque. Mas, que naqueles dias que o desanimo reina, a solução pode ser colocar meu vestido mais florido, o batom mais alegre, caprichar na finalização do cabelo e usar o “me sentir linda” como propulsor pra sair de casa e ir conquistar o mundo.

9 Comentários
07 06 2018

O Planner na minha rotina – Adaptação e resultados

 

Desde que a Rita, da Donna Rita sugeriu me mandar o Planner Realize eu fiquei meio “Mas eu já tô tão adaptada ao Bullet Journal, como vai ser isso?” e batia uma insegurança mesmo sobre não conseguir usá-lo da melhor forma – afinal, não queria deixar essa coisinha linda e feita com todo o carinho de lado como fiz com tantas agendas ao longo da vida, né?

Eu conseguia pensar em todas as coisas que seriam vantagens pra mim – e expliquei todas lá no primeiro post sobre ele aqui no blog – e depois do post que mostrei um pouquinho de como estou usando as páginas pontilhadas você provavelmente já sabe que eu dei meu jeito de me adaptar, mas o que vim contar aqui hoje é sobre como foi – e está sendo- esse processo. Porque sim, eu tive que aprender a usar tudo de um jeitinho que funcionasse na minha rotina e a não me cobrar por coisas que não faziam sentido pra mim.
Planner Realize Leve-7 Rotina
Antes de tudo, vou explicar um pouquinho da minha rotina esse semestre: Tenho aulas na faculdade de segunda a quinta – fiz uma baguncinha no plano de estudos pra conseguir ter as sextas livres porque deu vontade. No sábado de manhã tenho o curso de fotografia agora… E no fim de semana quando não tenho trabalho de fotografia eu reservo o tempo pra ficar com o João, seja aqui em BH ou seja lá em Rio Acima. Assim sendo, normalmente tenho mil coisas pra fazer de segunda a quinta, mas na sexta só tem algo se tiver algum trabalho ou outra coisa que deixei, e evito isso ao máximo.

Planner Realize Leve-9 rotinaO resultado disso é que nas primeiras semanas eu me odiava por deixar espaços em branco no planner. Podem me achar louca mesmo: o negócio é pra me ajudar a me organizar e tem dias da minha semana que eu não tenho o que organizar e eu me sentia culpada por isso. Não foi fácil – até hoje, olhando essas fotos me dá um negócio ver esses espaços em branco. Primeiro resolvi escrever algo ali, desenhar… só pra não deixar em branco. Depois resolvi brigar comigo mesma e deixar em branco só pra entender que tá tudo bem. Hoje em dia já é natural colocar algo ali quando tem algo pra ser colocado, escrever quando dá vontade, deixar em branco quando não.
Planner Realize Leve-6
Planner Realize Leve-5 rotina
Nesse tempo todo – são quase 4 meses usando esse meu companheirinho – teve semana de todo jeito: de molho em casa com o pé quebrado, surtando com semana de provas e trabalhos, teve semana bem morna e na média. A meta de aproveitar o layout pronto pra exercitar a criatividade funcionou super bem considerando isso: Teve semana tão linda e decoradinha que eu só queria emoldurar e expor na sala de casa, teve semana que não tive tempo nem pra tentar uma letra bonitinha, teve semana que eu comecei a tentar fazer algo diferente mas não gostei e não tive tempo e desisti no meio do caminho – bem vida real, né? Mas num modo geral eu desenhei e colori bem mais que fazia no bullet journal. Meta alcançada o/
Planner Realize Leve-8 rotina

Além de tudo isso, teve coisa que me surpreendeu: Achei que nunca usaria a parte de controle de gastos, já que tinha tentado coisas parecidas no bullet journal e falhado. Mas nesse meio de caminho surgiu muita coisa diferente – viajei, fiz compras “grandes” e resolvi botar tudo no papel… pronto, de repente amei ter noção de qual era a área que me fazia gastar mais (oi, comida!) e ter noção de quanto tava entrando e saindo por mês – olha, posso dizer que fiquei feliz viu?Planner Realize Leve-2 Rotina controle de gastosOutro pedacinho do planner que me surpreendeu foi o de listas – depois de usá-lo tanto, voltei no meu bullet journal pra olhar e percebi que sempre fiz muita lista espalhada por ele – coisas que precisava comprar, xerox que precisava fazer, posts pro blog, lista de coisas pra botar na mala – e nem percebia isso. O espacinho mensal de listas do Planner Realize versão leve é perfeito pra mim porque tem espaço pra lista de todo tamanho – incluindo um pedaço com 8 itens que virou a programação oficial de posts do blog (eu sei, eu sei, tenho falhado, mas a ideia é ter sempre 2 posts por semana, então normalmente são 8 por mês no blog).
Planner Realize Leve-3 rotinaPra não falar que tudo foi mil maravilhas, além das “sextas em branco” eu ainda não consegui lidar muito bem com o habit tracker – é algo que sempre quis fazer no bullet journal mas sempre ficava com preguiça de fazer o layout. Aí chegou o planner e eu pensei “UHUL VOU TER UM HABIT TRACKER!!!“… Resultado? Nunca lembro de anotar nada lá. É óbvio, eu não sou obrigada a usá-lo – o planner encaixa na nossa rotina, não o contrário, né? – mas é realmente algo que quero muito me disciplinar pra usar. Um dia ainda venho aqui contar pra vocês como estou feliz com meu habit tracker todo coloridinho, mas por enquanto fiquem aí com um lembrete de mim pra mim mesma que tá tudo bem .
Planner Realize Leve-4
Tirando esses desafios e coisas que percebi, a rotina não mudou muito – sento 5 minutinhos no dia de manhã ou no anterior a noite e anoto tudo o que tenho que fazer. Vez ou outra surge algo durante o dia e anoto também. Sempre que tenho um tempinho livre aproveito pra fazer os doodles e frasezinhas, e no começo de todo mês eu arranjo um espaço pra fazer a página do mês – vocês não imaginam o bem que isso me faz.

Juntando o aprendizado do bullet journal de anotar tudo pra esvaziar a mente (e não só os “eventos importantes”, como fazia na época das agendas abandonadas) e o tempo livre pra desenhar e inventar moda que planner me deu, o dia a dia ficou não só muito mais organizado, mas também muito mais colorido e fofo.

6 Comentários
28 05 2018

Notas sobre o caos – ou, novidades e ansiedade

Notas sobre o caos - ansiedade e novidades

Convivo com a ansiedade desde sempre: Me lembro de ainda criança, com meus 6 ou 7 anos, passar minha primeira noite em claro por causa da ansiedade pra uma viagem na manhã seguinte. Desde então, muitas noites foram passadas em claro – por motivos grandes, por motivos bobos e até sem motivo nenhum. Qualquer mudança de ritmo, de rotina, qualquer decisão importante ou coisa do tipo são sempre períodos conturbados por aqui.

Estou longe do blog a mais tempo que gostaria – tem tanta coisa pra contar, tanto post que eu queria ter feito mas não sei se vale a pena mais, tanta novidade… – e me peguei reparando que estou afastada desde uma mudança na rotina. Passei meu curso de fotografia pro sábado de manhã, por mil motivos que não convém explicar, e aí tudo começou a mudar.

Minhas tardes ao longo da semana ficaram livres, e com isso resolvi que seria um bom momento para tentar começar um estágio. Decidi isso meio repentinamente e na mesma hora enviei meu primeiro currículo. 20 minutos depois o telefone toca e em alguns minutos minha primeira entrevista de estágio da vida tava marcada.
A ansiedade tomou conta de mim e até como respirava eu esqueci – por mais que tentasse me controlar, o resultado foi uma noite em claro e uns 3 dias de dor nas costas (hello tensão nervosa my old friend).

Fui pra entrevista, me saí até bem e apesar de não ter conseguido a vaga não fiquei tão decepcionada com isso – foi só a primeira e tô mais que acostumada a ver amigos nessa mesma saga, tá tudo bem. Depois disso já marquei outras entrevistas, passei mais uns nervosos, fiquei feliz por conseguir dormir antes de uma entrevista… continuo na saga e continuo tentando lidar com a dor nas costas e as espinhas que vieram de brinde no processo.

Desde então a vida tem sido procurar vagas, mandar currículos, marcar entrevistas e tentar lembrar de respirar, de cuidar de mim e de respeitar meu próprio ritmo. Eu sempre tenho medo de contar essas coisas aqui no blog porque tenho a sensação de que tô criando mais expectativas em mais gente e consequentemente decepcionando mais gente se falhar – eu preciso parar com isso, entender que é coisa da minha cabeça e que tá tudo bem falhar de vez em quando, né?

Apesar de tudo isso, tem sido tempos incríveis em muitos quesitos. Esse post é um desabafo e uma atualização – afinal, acredito que falar da turbulência de vez em quando é um jeito bom de sentir que a gente não tá sozinho e de lembrar pro mundo que ninguém tem a “vida perfeita de Instagram“, que é normal ficar meio mal as vezes – mas sempre prefiro focar e dar atenção pras coisas boas, e é por isso que é sobre elas que vou falar no próximo post.

Tentarei aproveitar a semana sem aula por causa da greve dos caminhoneiros pra botar isso aqui em dia… Aproveitem também pra me contar como anda a vida de vocês, estou com saudades de conversar por aqui!

 

11 Comentários
19 04 2018

Como uso: páginas pontilhadas do Planner Realize?

Como uso: páginas pontilhadas do Planner Realize?Quem nunca passou raiva tentando fazer uma linha reta em uma página sem linhas que atire a primeira pedra! Sou do tipo de pessoa que passa meia hora medindo tudo milimetricamente com a régua e no final ainda tem a sensação péssima de “isso aqui tá tudo torto!“. Até então eu nunca tinha usado as tão amadas páginas pontilhadas e confesso que quando recebi o meu Planner da Donna Rita fiquei super ansiosa pra testar e ver se realmente seria tão  mais prático. Um mês depois, já tendo aprontado muita arte nessas páginas (e estando em um caso de amor com elas), vim contar pra vocês sobre a experiência.

Eu já fiz um post contando tudo sobre o Planner Realize que recebi da Donna Rita e aproveitei pra contar um pouquinho sobre como estou usando o que aprendi no método bullet journal e adaptando algumas coisas pra essa plataforma diferente que é o planner. Se você não conferiu, corre lá no post que aqui eu vou considerar que você já sabe o quão completinho o Realize é!Planner Realize - páginas pontilhadasA divisão dessas páginas ao longo do planner é mais ou menos assim: quebras de semanas no início/final do mês têm páginas pontilhadas ou apenas pedaços de páginas e no final do planner tem também 13 páginas – é muito espaço pra soltar a criatividade e ter a mão tudo o que você precisa!

Resolvi que sempre que tiver alguma página inteira no início do mês vou usar pra fazer uma página do mês – do jeitinho que fazia no bullet journal mesmo! Eu sempre gostei muito de pensar no layout, desenhar, colorir e fotografar essas páginas… ter a oportunidade de continuar tendo esse momento é incrível!Planner realize - Páginas pontilhadasOs trechos de páginas pontilhadas- que aparecem quando o mês começa no domingo, por exemplo… ou quando ele termina na segunda-feira- estou usando pra escrever quotes e frases inspiradoras bonitinhas! Eu sou uma pessoa que ama essas frases, realmente me motivam muito… e brincar com lettering, escritas diferentes e desenhozinhos para acompanhar as frases nesses espaços é uma forma de me manter produtiva e criativa!Planner Realize - páginas pontilhadas
Planner realize - páginas pontilhadasPor fim, nas páginas finais estou fazendo as coisas mais práticas e úteis: um checklist do meu projeto de 20 antes dos 20, um calendário menstrual – que o planner na versão completa tem, mas na versão leve não!-, um tracker de economias (não colori ainda porque não queria postar aqui! hahah) e o controle de notas da faculdade por enquanto. Tudo isso fiz de um jeito bem prático, clean e intuitivo – pensado pra funcionar bem pra mim, na minha rotina!

Planner realize - páginas pontilhadas
Planner realize - páginas pontilhadas
Ainda quero fazer algumas coisas, como por exemplo aproveitar o resto da página de calendário menstrual pra fazer um calendário lunar e poder ver os dois juntinhos e relacionados! Sempre que fizer algo novo tentarei postar no meu instagram, então me acompanhe por lá!

Enquanto isso, me contem: já usaram as páginas pontilhadas? Gostam? Tô super aceitando sugestões do que mais posso fazer também, viu? O que você faria se fosse eu ou o que você fez no seu planner/bullet journal que te ajudou muito? Estou curiosíssima pra saber!

17 Comentários
12 04 2018

Sobre ser fotografada – do outro lado da câmera

Sobre ser fotografada - por Joy Freitas

Talvez você queira ver uma versão resumida desse post lá no meu twitter – é por lá que muitas das minhas ideias de posts surgem e acabo usando como uma forma de ficar mais pertinho de todo mundo que acompanho e que me acompanha.

Por coincidência, fui fotografada duas vezes nos 3 meses que já se foram esse ano. Tinha tempos que eu não ficava na frente das câmeras de um outro fotógrafo sendo dirigida pra um ensaio, e fazer isso duas vezes em um intervalo tão pequeno de tempo me trouxe um tanto de reflexões sobre isso.

Como fotógrafa eu conheço muitos fotógrafos. A grande maioria deles preferem ficar atrás das câmeras e fogem de qualquer um que tentar apontar uma câmera pra eles… Nunca me identifiquei muito com isso: eu adoro trocar de papéis, ser dirigida, deixar que me registrem também. Eu adoro perceber como as pessoas trabalham de formas diferentes. Adoro ter a oportunidade de perceber como meus clientes se sentem enquanto aponto minha câmera pra eles.

É uma oportunidade incrível de realmente sentir o que funciona ou não, o que é mais legal, como podemos melhorar: a gente vive na pele a história de se colocar no lugar do outro e pensar em como se sente com isso. Não estou dizendo que sou a chata analisando quem tá lá dando seu melhor pra me fotografar: no fim do dia é sempre muito claro o que tornou aquele momento tão incrível, o que me deixou mais confortável, o que posso absorver. É uma oportunidade incrível.

Sobre ser fotografada - por Luanna Lima

Uma segunda coisa que acho incrível:  Minha última vez na frente das câmeras tinha sido pela Luanna em 2015: eu era uma pessoa completamente diferente. Tinha mil inseguranças a mais e estava dando meus primeiros passinhos na fotografia de gente – já sabia muito de ISO, velocidade, obturador… mas nada sobre direção de pessoas, posicionamento e tudo isso que é uma das minhas coisas favoritas atualmente. Eu tinha acabado de conhecer a Luanna, que também é super tímida e também estava começando a fotografar pessoas.

Aí veio o ensaio com a Reis: faz 3 anos que eu fotografo pessoas, 8 meses no curso de fotografia tendo dicas, aulas práticas e tudo o mais. Eu conheço a Reis há 3 anos e somos amigas, estávamos uma fotografando à outra em um lugar totalmente novo pra mim. Claro, a intimidade ajuda MUITO – o que deixou mais claro pra mim o quão importante é criar uma conexão com os clientes e modelos- mas a experiência foi totalmente diferente porque eu já tinha uma noção muito grande sobre como me posicionar, o que fica legal, o que não fica… Em coisas simples como não travar o maxilar eu conseguia contribuir pra fotos mais legais.

Sobre ser fotografada - Por Letícia Reis

Por fim, mas de forma alguma menos importante, algo que o contraste entre ser fotografada duas vezes em tão pouco tempo me fez perceber muito claramente: Sebastião Salgado não tava brincando quando ele falou que “você não fotografa com sua máquina, você fotografa com toda sua cultura”. Ver duas fotógrafas incríveis – e totalmente diferentes – fotografarem o mesmo objeto (e aquele que eu conheço melhor: eu mesma!) foi uma das partes mais incríveis disso tudo.

O ensaio com a Reis rolou no final de janeiro, no início de março a Joy me chamou e falou que estaria aqui em BH, perguntou se eu animava sair pra fotografar com ela… E assim nasceu o segundo ensaio desse ano. Fomos pro Mercado Central, andamos lá, Joy conheceu um pouco… almoçamos no palácio das artes, vimos uma exposição de fotografia e fomos pro Parque Municipal (o mesmo lugar do ensaio com a Luanna!) e foi lá que ela me fotografou.

Sobre ser fotografada

Não são nem 2 meses de diferença, não mudei nada em mim – acho que nem a sobrancelha eu fiz nesse tempo!!!- mas o “filtro” do olhar de cada uma mostra duas pessoas bastante diferentes. O estilo de fotografar, de tratar as fotos, a escolha de lugar, a direção... tudo isso colabora  muito pra que eu me veja tão diferente.

Quando olho pras fotos da Reis eu me vejo uma menina, descobrindo a vida, brincando com sensualidade, com seriedade, com a sensação de poder… fazendo caras e bocas e rindo de tudo isso. Tem muita cor, tem muita luz, tem até Fora Temer e uma sensação de tomar posse da cidade que é nossa. Eu me vejo, mas vejo também a menina super engajada socialmente, feminista, do movimento negro, apaixonada por cultura, por teatro. Eu vejo a minha fotografa nas fotos.

Sobre ser fotografada
Nas fotos da Joy, uma sensação totalmente diferente: não é como se me sentisse mais velha, mas me vejo mais mulher, adulta. Mais séria, mais serena…um ar maior de mistério. As cores são mais sóbrias, tem mais sombra… Eu tô no lugar mais confortável do mundo pra mim que é no meio do mato. Tem brincadeira, tem sensualidade, tem carão, tem gargalhada, tem tudo que me torna eu… mas visto por um olhar diferente, de uma mulher mais velha, de outro estado, com uma vivência totalmente diferente. Eu não a conheço tão bem, mas os 3 dias que passei convivendo com ela em Tiradentes foram suficientes pra identificá-la em cada uma das fotos também.

Sobre ser fotografada

Se eu pudesse dar uma dica pra todo mundo nessa vida é a de viver essa experiência de ser fotografada – o que pode parecer conveniente vindo de uma fotógrafa- mas principalmente pra quem fotografa outras pessoas. Vale muito a pena sair da zona de conforto, trocar de lado da câmera, se deixar ser visto e dirigido por outro alguém: É um momento que só pode trazer coisas boas!

Você já foi fotografada ou fotografado? Como foi? E o que achou do post? Me contem tudo!

Só um comentário porque muita gente perguntou nos comentários do último post: o pé tá melhor, já até viajei sem a botinha… Ainda tomando cuidado e não andando muito, mas já tô melhor, obrigada pelo carinho!

Dicas para fotografos: sobre ser fotografada

17 Comentários
02 04 2018

Bee Happy – Março

Bee Happy - Março

Eu não consigo definir se março voou ou se demorou séculos pra passar por aqui: Eu me lembro como se fosse ontem da ansiedade pra decidir se iria viajar mesmo ou não, mas ao mesmo tempo parece que tem anos que não consigo me locomover direito por causa do pé. Essa coisa de andar com dificuldade e de não conseguir ir onde eu quero na hora que eu quero fez o mês se arrastar e me deixou bem mais impaciente que o normal.

Me perguntei muito se faria esse  post: Já postei um milhão de fotos da viagem nos 2 posts que fiz sobre ela e não tenho outras fotos: Como vocês podem imaginar, se até andar tá difícil imaginem fotografar! A última vez que peguei na câmera pra fotografar foi pra trazer o post sobre meu planner novo… Fora isso, meu flash chegou e ainda não sei usá-lo, mas fiz várias fotos da cadeira de casa enquanto tentava entender como ele funciona… Nada muito empolgante.

Resolvi trazer o post de qualquer forma: pra não abandonar o projeto que tanto gosto e pra lembrar um pouquinho de um momento bom do mês e tentar deixar esse desanimo de lado. Aproveitei pra trazer fotos na vertical: raramente faço fotos assim, talvez pelo costume de fotografar sempre pensando no blog. Nessa viagem resolvi me forçar a lembrar desse outro jeito de fotografar e acho que consegui coisas muito poéticas no fim das contas… É legal essa coisa de experimentar novas formas de ver o mundo.

As fotos não devem estar mega agradáveis de olhar no layout, mas vez ou outra não faz mal né? Espero que gostem.
Bee Happy - Março
Bee HappyBee Happy - Março
Bee Happy - Março
Bee Happy
Bee Happy
Bee Happy
Bee Happy

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Dessa vez não consigo falar muito de cada foto: É tudo um pouquinho da  poesia que encontrei em Tiradentes no início do mês de março: Uma lojinha minúscula perto da matriz que se preocupou em florir a mesa, a porta de doceria mais fofa do mundo com direito a sempre-vivas e latão de leite combinando com a paleta de cores, um cachorro curtindo a paz da porta da igreja, a bicicleta que fica em frente a uma confeitaria, o bequinho mais lindo do mundo que me levava do local das palestras pro hostel, o desalinhamento alinhado e combinadinho entre poste, portão e montanhas e por fim uma placa fofíssima.

Sinto não ter mais pra contar sobre esse mês pra contar, mas foi tudo meio parado por aqui mesmo. Não esqueçam de me contar como foi março pra vocês: O que teve de mais legal? Fotografaram muito?
Fico por aqui – preciso me arrumar pra ir no médico ver se já fico livre dessa bota ortopédica… em breve dou notícias, torçam por mim!

Bee Happy é um projeto fotográfico postado todos os meses, no qual 6 fotografias (ou mais) ilustram um resumo deles; atualmente é composto por Laís (criadora), Laryssa e Laura. Se você desejar fazer parte, será bem-vindo com alegria por nós, basta apenas entrar em contato sobre seu interesse. ❤

12 Comentários