20 06 2017

Mas a minha vida não é clean – ou reflexões sobre um feed colorido

Mas minha vida não é clean

Não vou ser hipócrita e negar: em meio a toda essa onda de minimalismo e feed clean, já tentei me adaptar também. Já quis um feed branquinho, cheio de flatlays e comidas bonitinhas. Mas minha vida não é clean. Minimalista até passa- nunca estudei a ideia o suficiente, mas diria que nunca fiquei muito longe. Clean? Não.
Minha vida tem fruta colhida no pé, flor nova que encontrei ontem e o vestido de arco-íris que comprei no verão retrasado. Tem pé no chão, criança lambuzada de sorvete, comida que não é bonitinha mas dá quentinho no coração. Tem cachoeira sempre e até praia de vez em quando. Tem um tanto de matinhos – se você também nunca se encantou com algum por aí, minha dica é prestar mais atenção por onde anda, você com certeza está perdendo muitas das bonitezas que a tal da mãe natureza reservou pra gente.

Mas minha vida não é clean

Tem mil pratos diferentes porque não tem cara de casa se os pratos são todos iguais. O mesmo vale pras canecas e copos, e descobrimos recente que não temos mais xícaras de chá – complicou na hora de fazer mais uma das nossas receitas.
Tem as mil cores do céu que dona Morte já fez o favor de citar no meu livro favorito – faço questão também de reparar em todas. E preciso lembrar de anotar pra lembrar de fotografar o pôr-do-Sol da janela do meu quarto… Tem sido um show particular nesses dias frios.
Minha cama não parece de hotel com mil almofadas e colcha branca, mas a manta Paraíba ta sempre aqui mantendo o calor e o aconchego e tem ainda minha coberta de infância que não largo por nada. As almofadas? Já quase desisti, nunca lembro de comprar uma praquela capa linda que ganhei. Nem preciso citar que a cama tá sempre bagunçada e a colcha só é estendida em dia que vem visita, né? Se for gente de casa pode cancelar esse evento. As linhas das mandalas que teço? Quanto mais cores, melhor!

Mas minha vida não é clean
Minha gente é toda colorida e na foto nem parece harmônico, mas juro: na vida é. Ou pelo menos rende umas boas risadas. O meu restaurante favorito tem grafites nas paredes. Os outros do top 3 são cheios de madeira, vidros, ferro e tijolinho.
Eu até já quis um feed branquinho, mas a minha vida é verde, laranjada, vermelha, amarela, azul, roxa. Até o céu dessa madrugada está rosado – e quando o texto for postado, provavelmente estará num lindo azul que só o céu de inverno sabe ter. A única coisa branca que consigo lembrar agora é a parede do banheiro que a gente pintou ouvindo musica Latina, então por algum motivo me lembra cores também.
Fiquei feliz outro dia quando disseram que meu feed é muito bucólico. E na aula de inglês descobri a palavra “idyllic” que vira idílico e que amei o significado também- “pleasing or picturesque in natural simplicity“, pra quem prefere manter no português, “Agradável ou pitoresca em simplicidade natural”-me identifiquei bastante. Tem tanta palavra legal pra definir um feed – e a linda possibilidade de  simplesmente não definir- que não tem motivos para limitar minha vida ao clean.

Mas minha vida não é clean...

23 Comentários
12 06 2017

5 Fotógrafos de casais para morrer de amores!

5 Feeds de fotógrafos de casais para morrer de amores!

Vai ter post temático de dia dos namorados sim, e se reclamar tem dois! E pra ficar mais legal ainda, não só de dia dos namorados: É post de fotografia também! Na pesquisa de público do blog vocês me contaram que gostam muito de posts relacionados à fotografia, então obvio que vou tentar trazer esse tema cada vez mais né? Além de ser um dos assuntos preferidos de vocês é o meu trabalho e a minha paixão. Quer combinação mais gostosa que essa? Enquanto estou elaborando posts bem completinhos com dicas de fotografia e edição – quero que sejam realmente incríveis!- vou trazendo alguns fotógrafos legais pra que vocês se inspirem bastante!

Hoje, pra aproveitar esse clima cheio de corações pelas ruas, suspiros, beijos, sorrisos e posts fofinhos, resolvi indicar um tipo específico de perfil no Instagram: fotógrafos que fazem principalmente fotos de casais na natureza, com aquela golden hour maravilhosa, locações de tirar o fôlego e, é claro, muito amor envolvido. A maioria desses feeds eu conheci bem do nada – alguns encontrei no explore, outros simplesmente começaram a me seguir… E eu fiquei apaixonada querendo ir pra todos esses lugares fotografar e aprender com eles! A maioria são feeds pequenos, com menos de 5 mil seguidores e sempre me pergunto POR QUE uma pessoa tão incrível tem tão poucos seguidores.

O que mais gosto em acompanhar esses e outros perfis do tipo é observar a edição. Alguns usam tons mais frios, outros com tons mais quentes, mas todos arrasam MUITO nesse quesito. As fotos ficam com uma carinha de fotografia analógica que eu adoro! Prestar atenção nisso tem me ajudado muito a melhorar a minha edição e entender melhor o que eu gosto na minha fotografia! Também me encanta o quanto eles conseguem demonstrar a intimidade e a alegria dos casais que fotografam – é algo que tento sempre trazer pra minha fotografia!

5 feeds de fotógrafos de casais incríveis!

@chrisandruth

Fotógrafos de casais incríveis - chrisandruth

Uma das missões mais difíceis da minha vida foi escolher só 3 fotos pra ilustrar esse post. É o feed com maior número de seguidores dessa lista, mas merecem estar aqui porque as fotos são MUITO incríveis! Os fotógrafos são Chris e Ruth, casados, e segundo o portfólio deles, atualmente vivem na Alemanha, mas viajam o mundo fotografando! Não é incrível? A grande maioria das fotos é em locações externas e incríveis, e a edição com tons bem quentes/puxando pro marrom deixa meus olhinhos brilhando!

@autumngrey_

Fotógrafos de casais incríveis - autumngrey_

Ok, só precisei de 2 feeds pra entender que vai ser difícil selecionar fotos de todos eles! A fotógrafa desse feed é a Autumn, de Utah, EUA – eu tô impressionada com esse Estado, gente! Tem MUITO fotógrafo incrível de lá! Ok, a paisagem lindíssima ajuda, mas tem muita gente talentosa lá! A edição dela é um pouco mais escura e dessaturada, mas ainda bem quente e MUITO linda. Fico encantada com as expressões e alegria dos casais nas fotos!

@fischerphotoandfilm

Fotógrafos de casais incríveis - @fischerphotoandfilm

Mais um casal de fotógrafos que arrasa na fotografia de casais: Russell e Lily Fischer também são de Utah e fotografam casamentos nos estilos “lifestyle” e “de aventura”. As fotos são muito delicadas e divertidas, e a edição é bem mais colorida, sem perder a delicadeza e a carinha de fotografia analógica. Eles também viajam bastante fotografando e postam fotos de lugares incríveis! Pelo que entendi, as fotos são dela e ele faz vídeos… Mas pelo que já consegui ver, ambos são incríveis! É legal que você consegue ver os preços deles no portfólio (o link tá lá na bio deles!) e achei MUITO acessíveis pra um trabalho tão maravilhoso!

@ashleymeaganphoto  

Fotógrafos de casais incríveis! - @ashleymeaganphoto

E voltamos pra Utah! Estão entendendo meu encanto por esse lugar? Por favor, me digam que não sou só eu que fiquei morrendo de vontade de ir pra lá! Ashley Meagan é mais uma fotógrafa incrível de Utah, com fotos super lindas e acolhedoras e uma edição clarinha e quentinha também! Achei tudo muito lindo! O preço dos ensaios dela também estão disponíveis no portfólio e mais uma vez me surpreendi com isso!

@lindseymariephoto

Fotógrafos de casais incríveis - Lindseymariephoto

Minha descoberta mais recente, Lindsey é do Texas e tem fotos muito apaixonantes! Um comentário sobre ela: Não sou a maior fã de fotos em ambientes internos, mas as dela são MUITO incríveis, sutis e encantadoras também! Amo as cores da edição, bem quentes e com muita luz. E os lugares? Incríveis também!

Roubando um pouquinho: @joe.and.sabrina 

Fotógrafos de casais incríveis - @joe.and.sabrina

Vou roubar um pouquinho aqui porque só percebi meu erro grotesco depois de postado – Joe e Sabrina não são fotógrafos, são modelos, mas o feed não é menos inspirador por causa disso! Além do mais, é uma ótima forma de encontrar outros fotógrafos – só ver quem fotografou as últimas fotos deles! Adicionei a Lindsey aí em cima pra continuar com 5 fotógrafos, mas  não queria tirá-los da lista! “Amantes de viagens e da natureza” – tem como não sair coisa boa disso? Eles são da Áustria. Eu que sou toda coração mole fico até arrepiada vendo as fotos, porque é muita lindeza! Gosto particularmente das fotos  deles mais “de pertinho”, que mostram mais expressões… Mas é tudo muito lindo.

+3 fotógrafos de casais que merecem ser comentados

Fotógrafos de casais incríveis - Bônus!

Se escolher 3 fotos dos fotógrafos acima já foi difícil, imagine como foi escolher só uma de cada um desses aqui? 5 era muito pouco – juro, com o número de fotógrafos nesse estilo que acompanho, eu conseguiria fazer pelo menos uns 3 posts desses! Querem? Aqui estão alguns outros que merecem ser citados também, de brinde pra vocês hahah!

kahaiacondie   é mais uma fotógrafa de Utah com fotos quentes, clarinhas, em lugares incríveis e muito cheias de emoção! hannahheliseeee  é de… Adivinhem? Utah de novo!  Ela arrasa com fotos bem clarinhas, com pouca saturação e muitos detalhes lindos! E, pra fechar, erikagreenephotography  é do Arizona e também arrasa nas fotos e edições… Adoro algumas brincadeiras que ela faz com luzes e linhas nas fotos!

 

O que acharam das minhas indicações? Também ficaram com vontade de fazer as malas e ir pra algum canto fotografar com algum deles? Eu morro de vontade a cada vez que um deles posta uma foto nova! E qual foi o seu preferido? Você conhece algum desse estilo? Adoro conhecer gente nova, então me indiquem! E ó: pra todos os que indiquei, 3 fotos (ou 1!) não são suficientes pra mostrar o quão incrível é o trabalho deles, então se fosse vocês eu já abria o Instagram de cada um e começava a seguir! Fico aqui por hoje, Feliz dia dos namorados pra todo mundo 💕

 

20 Comentários
08 06 2017

Como o Pinterest me ajuda a entender meu estilo

Definindo seu estilo com o Pinterest

Pra começar esse post, acho legal fazer uma espécie de linha do tempo e explicar um pouco do meu estilo, de criança até atualmente e, por fim, dar algumas dicas pra você que também quer descobrir seu estilo -ou um pouco mais sobre ele- nesse site tão incrível.
Lembro-me que desde pequena eu gostava de ganhar roupas, escolher roupas e etc. Pra minha festa de 8 anos fiz minha mãe e minha tia rodarem as lojas comigo porque eu queria uma saia específica, com uma bata de um jeito específico e uma bota. Assim. Já tinha o look na cabeça, blogueirinha desde cedo. Na época eu gostava muito de roupas num estilo mais hippie, vestidos e saias. Hoje vejo que não mudei muito, mas houve um intervalo grande aí no meio. (A foto é a que mais da pra ver esse “look”, mas achei fofa e quis mostrar hahahha)

Não sei exatamente com que idade, mas em algum momento entre meus 10 e 12 anos comecei a ser zoada na escola por muitos motivos: era porque minha mãe me levava na escola, por eu não ter o corpo parecido com da maioria das meninas- principalmente não ter peitos…. Agora já queria poder doar um pouquinho hahahah-, ser “nerd”, ter sido uma das primeiras da sala a menstruar (e as outras meninas descobriram e acharam nojento)… várias coisas que fizeram minha auto estima cair bastante. No meio disso tudo, eu só queria passar despercebida onde fosse e tentava, de um jeito ou de outro, “me encaixar”. Isso é um assunto que renderia um post enorme, mas resumindo: dos 10 aos 13 ou 14 anos eu usava roupas da minha mãe ou iguais às dela. Eram blusas de malha básicas, todas do mesmo modelo, só mudava a cor, e calça jeans ou bermuda, largas. Muito raramente, uma camiseta. Os poucos vestidos que ainda tinha usava apenas quando ia sair com minha mãe e tinha poucas chances de encontrar alguém da escola ou coisa do tipo.

Com o tempo – e com a ajuda dos blogs e discussões sobre bullying e auto estima e feminismo- percebi o quão sem sentido e triste era usar as roupas da minha mãe. Eu queria que minhas roupas fossem uma forma de me expressar, de mostrar ao mundo quem eu era. Mas isso aconteceu no meio da adolescência e no meio de um momento “Tá, mas quem sou eu mesmo?”. Aos poucos, fui comprando uma peça aqui, ganhando outra ali e comecei a voltar a usar saias, vestidos e coisas que sempre gostei. Mas, ainda assim, parecia algo incompleto, em processo, sabe?
Com um pouco mais de tempo, percebi que eu tinha várias peças que eu gostava – algumas modinhas , outras com estampas legais, outras eu realmente gostava do modelo- mas a maioria das coisas não faziam sentido juntas. E aí eu comecei a me questionar sobre meu estilo e, enfim, o Pinterest pode me ajudar.

COMO ENTENDER SEU ESTILO USANDO O PINTEREST

1- Crie uma pasta de inspirações de roupas

Definindo seu estilo com o Pinterest

Comecei criando uma pasta pra salvar looks, acessórios, peças e todas as coisas relacionadas à estilo que eu gosto, assim como tenho uma pasta para tudo que gosto: quartos, bullet journal, receitas, etc. Atualmente ele é um cantinho pra me inspirar na hora de montar looks ou escolher peças pra comprar, mesmo que no começo eu nem tivesse pensado nisso.
Pra começar, encha sua pasta de inspiração. Comece pesquisando algumas palavras chave, como por exemplo “look winter“, “Saia boho/hippie” e coisas do tipo- pesquisar em inglês ajuda! Pense na sua peça de roupa favorita e procure por alguma palavra relacionada a ela, ou a uma estação do ano/situação específica… Salve todos os looks que gostar! Com o tempo, a magia do Pinterest vai entender o que você gosta de ver e vai te indicar coisas parecidas! Salve inspirações por algum tempo – 1 semana, 1 mês, algo assim.

 2- Com uma pasta já cheia de inspiração, observe os padrões!

Definindo seu estilo com o Pinterest - looks verão

Aqui nós começamos a analisar as coisas que você salvou lá no passo 1: Quais são as cores que mais se repetem? E as peças? Que modelos de blusa? Tem muitos ou poucos vestidos? E calças? Você encaixaria esses looks em que estilo? Quais peças são muito presentes nesse estilo? Se faça todas essas perguntas e tente realmente anotar tudo o que se repete muito, as coisas que mais te chamam atenção em cada look…
No meu caso: Com esse “exercício”, percebi que sou uma pessoa muito sazonal. Eu AMO cores, estampas, tecidos leves (e crus!) e um estilo mais boho/hippie quando os looks são “de calor” – A maioria dos looks de verão que salvei são bem coloridos, cheios de acessórios, texturas. Nos pés, sempre uma rasteirinha preta ou caramelo.
Já no inverno, percebi o oposto: Todos os looks que mais me chamam atenção são bem simples, clássicos, com cores escuras, sem muitos acessórios. As botas de cano curto ou médio dominam 100% dos looks. A maioria tem cores lisas, casacos mais compridos – tipo sobretudo-, camisas, MUITO tricô e MUITOS cachecóis.
Viu como só observando  a pasta consegui descobrir muita coisa do meu estilo? 

Definindo seu estilo com o Pinterest - Looks inverno

Um cuidado que a gente tem que tomar: Muitas vezes vemos um look LINDO no Pinterest, super simples, super “gente como a gente”, e aí você resolve vestir algo parecido e… sem graça. O primeiro pensamento é “Aah, ok, não tenho estilo /banca/ auto confiança pra usar isso, não vai ficar legal em mim.” Mas temos que lembrar que o que vemos lá grande parte das vezes são fotos super produzidas, com a luz ideal, a pose, o lugar… E aí acabamos apaixonando pelo contexto inteiro. Então preste bastante atenção: você realmente gostou do look? Se a resposta ainda for sim e continuar “sem graça” em você, procure por looks parecidos, pense no que você pode adicionar ou tirar dali pra ficar mais divertido… Experimente!

3- Por fim, experimente!

Claro que só olhar mil fotos de roupas legais não vai fazer você aprender a usar roupas legais, né? O último passo – e mais trabalhoso – é experimentar. Comece com o que você já tem: Procure na sua pasta coisas iguais ou parecidas com o que você já tem e monte looks com essas peças. Tire tudo do guarda-roupas e pense em combinações diferentes do que você está acostumada – mantenha o estilo definido nos passos acima em mente. Aproveite pra desapegar das coisas que não fazem sentido pra você e pro seu estilo! Tem muito tempo que não usa uma peça? Acha que não tem nada a ver com o estilo que você quer seguir? Não serve tão bem mais? Você pode vender ou doar essas peças e assim abrir espaço pras coisas novas e que façam mais sentido pra você!
Depois, você pode escolher alguma peça que quer comprar da próxima vez que sobrar uma graninha, pedir de aniversário ou qualquer coisa do tipo! E a pasta vai servir como guia sempre que você precisar de algo novo, ajudando a pensar melhor suas escolhas de compras – elas combinam com suas outras roupas? E com seu estilo?- e não consumir de maneira tão compulsiva – só porque está na moda ou é uma peça bonita na vitrine.

Esses são os passos que têm me ajudado a entender melhor meu estilo! E você, já tentou fazer algo do tipo? Usa o Pinterest? Me segue lá? E me conte também se gostou do post e se vai seguir as minhas dicas, se quer mais posts sobre esse assunto por aqui – ops, estou devendo look do dia a anos? Sim. Tô tentando mudar, eu juro. Todas as fotos desse post foram retiradas da minha pasta “Style” por lá, caso você tenha gostado de algo e queira adicionar à sua pasta também!

 

13 Comentários
05 06 2017

6 Blogs para ver a vida de uma forma mais leve

6 BLOGS LIFESTYLE PARA VER A VIDA DE UMA FORMA MAIS LEVE

Nesses tempos que o blog saiu do ar eu percebi o quanto precisava acompanhar mais blogs. Eu simplesmente não gastava o mesmo tempo produzindo conteúdo, fotografando e etc, mas sentia falta do blog e estava com raiva de tudo que estava acontecendo. Pra matar um pouquinho dessa saudade, eu passava esse tempo lendo outros blogs. E aí percebi que a grande maioria dos blogs que eu acompanhava há muito tempo foi abandonado, a dona parou de postar e coisas do tipo… Comecei a entrar então no Blogroll dos blogs ativos que eu mais gosto e ir atrás de posts com indicações de blogs e etc… Agora que meu cantinho tá de volta resolvi atualizar meu blogroll e escrever esse post pra ajudar quem também quer conhecer cantinhos novos nessa blogesfera ♥.

Minha categoria favorita de blogs é a lifestyle. Amo blogs que falam de tudo um pouco daquele jeitinho bem pessoal, que mostram um pouquinho da vida da autora, dos pensamentos, das coisas que ela ama. Esse post é pra indicar blogs assim – e, em todos os escolhidos, eu tenho uma sensação de leveza e doçura muito grande. E como alguns de vocês sabem, estou terminando o 1º período da faculdade de Letras, bacharelado em Inglês. Vi uma grande necessidade, desde o início, de começar a ler mais coisas em Inglês pra treinar e me acostumar mais com a língua. Por isso, pra ajudar quem também gosta ou quer começar a estudar inglês lendo, metade das indicações desse post são em Inglês! Selecionei também um post de cada blog que talvez não seja o melhor, mas na minha opinião diz muito sobre aquele blog!

6 Blogs Lifestyle Para Amar

VUOU

Blogs Lifestyle- VUOU

O Vuou é o blog da Hadassah Sorvillo, moça que acredita e divulga a beleza e a felicidade na simplicidade. Futricando a página Sobre dela encontrei a frase “VUOU é um blog que fala sobre a liberdade de escolher seus próprios caminhos. Mesmo o quão diferentes e malucos eles pareçam.” e acho que ela fala mais que qualquer coisa que eu poderia falar sobre esse blog incrível! A Hadassa me inspira muito. Sua forma de ver o mundo, de escrever, de fotografar… É tudo incrível. Eu não consigo segurar as lágrimas quando ela resolve falar da irmãzinha dela, Eliza. O blog dela pra mim tem carinha de sítio de vó que a gente chega, já quer tirar o sapato, pôr o pé na terra e ir catar laranja, sabe? E é por essa simplicidade que eu gosto tanto.
Um post que você precisa ler: Menininha que graça é você, uma coisinha assim começando a viver

Na Nossa Vida

Blogs Lifestyle - Na Nossa Vida

Na Nossa vida é o blog da Isa Ribeiro, que é casada com o Barba e têm dois cachorros maravilhosamente fofos- A Lucy e o Ringo. No blog ela compartilha um pouquinho da vida e das paixões deles. Ela também é super adepta à ideia de vida mais simples, e acho que nem preciso dizer que adoro isso. Adoro quando ela compartilha sobre as viagens deles: além dos relatos deliciosos, todos os posts são recheados de fotografias lindas, porque a Isa também é fotógrafa. Os looks que ela posta também são incríveis, bem gente como a gente, sabe?  As crônicas que ela posta também deixam a gente de coração quentinho.
Um post que você precisa ler: Foi bom te encontrar

Desancorando

Blogs Lifestyle - Desancorando

O Desancorando é o blog da Maki, e me apaixonei por ele no exato momento que vi o nome – e aí enquanto carregava a página comecei a torcer pra ser um blog muito bom e não estragar toda a magia no nome. Eu acho difícil definir sobre o que o blog fala, mas tem coisa sobre papelaria, filmes, música e sobre a vida de um modo bem geral. Foi um dos blogs que me ajudou muito na hora de fazer meu bullet journal e eu sou muito grata por isso. Eu adoro os posts de “diário” dela e adoro também quando ela resolve falar de coisas mais sérias.
Um post que você precisa ler: 20 Coisas para ficar mais perto de quem você é de verdade em 2017 

Daughter of the woods

Blogs Lifestyle - Daughter of the Woods

Dando início aos blogs em Inglês, o Daughter of the Woods é o blog da Michelle. Essa moça faz de tudo: fotografa, compõe músicas, pinta.. E deixa a gente apaixonado por tudo isso. Ela se define como uma Filha da Natureza, e toda vez que fala sobre isso eu me identifico muito. Ela gosta de estar em contato com a natureza, viajar, de descobrir coisas novas e fala de tudo isso no blog. Eu sou loucamente apaixonada pelas fotos dela – e inclusive já indiquei o instagram dela por aqui.
Um post que você precisa ler: I Feel Homeless-Where do I belong?

Amy Flying a kite

Blogs Lifestyle - Amy Flying a Kite

Amy é uma moça do Canadá dona desse blog lindo e florido. É nisso que eu penso sempre que entro lá: florido. Não só no sentido literal, mas na sensação que ele me passa. A AMy compartilha um pouco do seu cotidiano, suas fotos, looks e tudo mais, de um jeito muito poético. Eu adoro a forma apaixonada que ela fala sobre jardinagem e flores, e as fotos não poderiam expressar isso melhor também. Sabe quando a fotografia combina com o texto e deixa tudo mais incrível? Então, bem assim que é o Amy Flying a kite. Ao contrário da maioria das blogueiras que acompanho e amo, Amy é super caseira, mas isso não faz com que eu goste menos dela. O ar bucólico do blog também ajuda muito!
Um post que você precisa ler: 6 reasons for leaving you house

The Fresh Exchange

Blogs Lifestyle para seguir - Fresh Exchange

The Fresh Exchange é o blog do Mike e da Megan, que são casados e tem um filhinho muito fofo! Minha categoria favorita é a “life”, onde eles compartilham um pouco do cotidiano, de momentos simples e de coisas não tão simples as vezes também. O blog fala um pouco de maternidade (e de como conciliar ela e o trabalho, por exemplo), de fotografia, de blogs. Eles também compartilham receitas, viagens, dicas de organização e muito mais! Eu amo e fico feliz a cada post novo!
Um post que você precisa ler: The Beauty of Spring Days

 

Esses são os blogs amorzinho que deixam minha leitura, meu dia, minha semana, minha vida mais leve… E os de vocês? Me indiquem também! E me contem se já conheciam algum desses blogs, quais foram os preferidos e se gostam de indicações de blogs em Inglês também!

10 Comentários
01 06 2017

Pequenas Alegrias, Maio de 2017 – Viagens e fotografia

Maio de 2017 - Pequenas Alegrias

Quem acompanha o blog há alguns anos sabe: eu costumava fazer um post “resuminho” do mês contando o que rolou de bom no meu mês. Em algum momento da minha vida a vida ficou corrida, a câmera ficou mais pesada, o meu estilo de passeios mudou e… Fim, não fiz mais esse estilo de posts que sempre me deixou feliz.

A ideia recente é trazer tudo que eu amo pro blog. É trazer coisa leve, inspiradora, feliz e tornar esse cantinho novamente o meu mundinho cor de rosa, onde todo mundo se sente à vontade pra sentar, pegar um cappuccino, puxar a coberta, sabe? Tentar deixar a auto-exigência um pouquinho de lado e abrir mais espaço pro meu estilo de vida, pras alegrias, pros momentos bonitos com fotografias não tão bonitas assim. Não vai ser fácil, mas a gente vai se ajeitando. Pra seguir nessa ideia, resolvi trazer um pouquinho das coisas incríveis que aconteceram em maio na minha vida! Vamos conferir?

Pequenas Alegrias – Maio de 2017

1º de maio – Delfinópolis

_DSC0186

Comecei o mês viajando! Tem coisa mais gostosa que isso? No finalzinho de Abril eu, João e os pais dele botamos o pé na estrada e fomos pra casa de alguns amigos lá em Delfinópolis. Os dias frios na fazenda não podiam ser mais gostosos: teve muito aconchego, muitas risadas, muita comida boa. Eu e João fizemos um bolo indiano sensacional e já quero repetir pra trazer a receita pra vocês. Meu momento preferido em Delfinópolis é o pôr-do-Sol: A Serra da Canastra fica absurdamente linda com todas as luzes e tons que o fim do dia traz. Blogueirinha como sou ~ou tento ser~ gravei um videozinho bem bobinho, mas com momentos bons! Espero que gostem! Aos pouquinhos a gente vai melhorando e quem sabe um dia vira um vlog de viagem, né? Hahahah
_DSC0092
_DSC0062

6 de maio – Meu primeiro pós-wedding

_DSC0045

Eu nunca imaginei que gostaria de fotografar um casal, mas a oportunidade surgiu. Eu estava morrendo de medo, sem saber exatamente como seria… E foi incrível! A Priscila e o Alesh moram em Praga e vieram visitar a família dela aqui… Ela trouxe o vestido de noiva porque queria aproveitar pra fazer algumas fotos aqui! Fomos pro Topo do Mundo em Brumadinho e foi um momento incrível, super divertido. Eles são super românticos, ele é um fofo com ela e a família dela é incrível também. Mais um detalhe legal: O Alesh (desculpem, não sei se o nome está escrito certo) não fala em português, e eu consegui dirigir todo o ensaio e conversar com eles em Inglês! ❤ Foi realmente muito especial e percebi que quero muito continuar com esse tipo de fotografia! Aliás, vocês já me acompanham no meu instagram de fotografia?
_DSC0149

12 de maio – Pé na estrada de novo… Diamantina!

_DSC0401

Como vocês já sabem por esse post aqui, no meio do mês fomos pra Diamantina com o primo do João e a namorada dele. Foi uma delícia, apesar de tudo. Conhecemos a Cachoeira do Telésforo, que é incrível e já me deixou com vontade de voltar – e de fazer um ensaio lá, talvez? hahahah, comemos muitas coisas gostosas, vimos amigos que não víamos há algum tempo e curtimos as noites frias de Diamantina – tudo que mais amo!
_DSC0308
E no mês de vocês, o que rolou de bom? Me contem, mesmo que seja algo pequeno! Encontrou um amigo que gosta muito? Visitou algum lugar legal? Comeu alguma coisa gostosa? Quero saber! E também me contem se gostaram da ideia desse tipo de post… Pretendo fazer mais vezes!

 

13 Comentários
29 05 2017

5 tatuadoras de BH que você precisa conhecer!

5 tatuadoras incríveis em Belo Horizonte

Como boa apaixonada por tatuagens que sou, acompanho muitos tatuadores pelo Instagram e facebook. Sempre admirei muito esse trabalho – é muito artístico, muito delicado e exige MUITA responsabilidade. Um dia, pouco depois de fazer minha primeira tatuagem, minha irmã me colocou em um grupo chamado “Tattoo das Mina” e abriu meus olhos para perceber o quanto é mais difícil pras mulheres serem reconhecidas nessa área, o quanto é uma área ainda muito dominada pelo sexo masculino. Como fotógrafa, sei bem o que é isso– parece que a gente tem que trabalhar mil vezes mais, se esforçar mais, se especializar mais, se tornar MUITO melhor que qualquer homem para ter mais ou menos o mesmo reconhecimento que ele.

Desde que percebi isso, decidi que daqui pra frente só me tatuo com e só indico mulheres. Não é que eu não ache o cara que fez minha primeira tatuagem fantástico, e nem como se eu não achasse o trabalho de vários homens muito bom também. Mas, se tem mulheres com trabalhos tão bons quanto- e, muitas vezes, melhores- eu escolho apoiá-las. Comecei então a fazer uma listinha de mulheres com as quais quero tatuar, e hoje trouxe uma listinha de tatuadoras incríveis de Belo Horizonte pra compartilhar com vocês! Não estão aqui em ordem de preferência, mas na ordem que conheci o trabalho delas – pra ser mais justo.

5 Tatuadoras incríveis de Belo Horizonte

1- Ana Mendes

Tatuadoras BH - Ana Mendes

A Ana foi a primeira tatuadora de BH que conheci – acho que por uma postagem em um blog ou reportagem em revista online de tattoo- e desde então me apaixonei pelo trabalho dela! A conheci pessoalmente quando ela tatuou o João, e ela é uma fofa! Foram 3 horas de conversa que me deixaram ainda mais apaixonada por ela! A Ana arrasa em todo tipo de tattoo que faz, mas eu sou apaixonada pelas mais old school dela – mesmo não sendo muito fã de old school… ela arrasa demais! Acho incrível também o trabalho com luz e sombra dela em tattos P&B.

Insta: @anamendestattoo  || Estúdio: Old Lines Tattoo – Rua Alagoas, 1208, Savassi

2- Marcella Resende

Tatuadoras BH - Resende Marcella

A Marcella é a pessoa mais linda do mundo e foi ela que fez a minha tattoo de câmera! Sou apaixonadinha demais pelo trabalho dela, e gosto principalmente das tattoos mais delicadinhas que ela faz! Conheci ela quando fiz minha primeira tattoo – ela trabalhava lá no estúdio que fiz e aí comecei a ver uma coisa ou outra dela no insta deles. Quando vi que ela tinha aberto um estúdio super pertinho aqui de casa corri pra tatuar com ela! O estúdio dela é a coisa mais linda do mundo, dá vontade de morar lá! E mesmo as tattoos com desenhos não tão delicados tem uma delicadeza enorme!

Insta: resendemarcella.tattoo  || Estúdio: RM Tattoo Atelier – Avenida Aggeo Pio Sobrinho. 261, Buritis

3- Carol ~Cajurine~

Tatuadoras BH - Carol Cajurine

Conheci a Carol lá no grupo Tattoo das Mina. Essa moça arrasa em tudo que é tattoo que faz também, nem consigo escolher um tipo ou estilo preferido! Lembro que comecei a acompanhar o trabalho dela quando estava começando e vocês não fazem ideia da evolução dessa menina! Além de tudo, acompanhar ela no instagram é uma delícia porque além das tattoos super criativas e arrasadoras ela vive compartilhando seus desenhos -em papel- lindíssimos!

Insta: @cajurine.tattoo  || Estúdio: Godarc Galeria – Bairro Pampulha.

4- Luiza Blackbird

Tatuadoras BH - Luiza Blackbird

Se não me engano, conheci a Luiza quando ela também trabalhava no estúdio que fiz minha primeira tattoo. Essa moça me deixa de queixo caído a cada trabalho novo que posta! Ela só tatua desenhos dela, criados especificamente pra cada cliente, acho isso lindo demais! Tem como não morrer de amores por essas tattoos “sem contorno”? As flores que ela tatua nesse estilo são minhas preferidas. Eu não sou a maior fã de tattoos coloridas – acho lindo nos outros, mas não consigo imaginar em mim~mas o trabalho maravilhoso dessa moça me deixa com vontade de colorir minha pele também!

Insta: @luiza.blackbird   || Estúdio: Blackbird Atelier

5- Camilla Campos

Tatuadoras BH - Camilla Campos

Eu caí de paraquedas no Instagram da Camilla -Na verdade, segui o estúdio que a Cajurine trabalha, postaram uma tattoo MARAVILHOSA dessa moça e aí pronto, apaixonei e fiquei horas lá babando nas tattoos dela! Eu não posso negar: meu tipo de tatuagem preferido é o tal do lettering. Já tenho uma e já tenho mil outras frases na cabeça pra tatuar. E essa moça arrasa no lettering, viu? Eu fiquei apaixonada por TODAS as tatuagens ~com escritos~ que ela postou até hoje. Das letras mais desenhadinhas e acompanhadas de desenhos às mais simples com carinha de maquina de escrever: tudo lindo e super delicado. Ela também é incrível nos desenhos e em todas as tattoos que faz, mas eu só tenho olhos pros escritinhos dela.

Insta: camillatattoo   || Estúdio: Godarc Galeria – Bairro Pampulha

 

Essas são as tatuadoras incríveis que tenho pra indicar em BH! E ó: o trabalho de todas é muito maravilhoso, não dá pra ter nem noção com essas 3 tattoos de cada que consegui selecionar, então corre lá no Instagram delas pra conhecer melhor!

E você, gosta de tattoos? Já tatuou com alguma mulher? Quer tatuar? Conhece tatuadoras legais aí da sua cidade? Me contem tudo, adoro descobrir mais moças incríveis! E me contem também se gostaram do post, quais foram as tattoos/tatuadoras que mais gostaram!

36 Comentários
26 05 2017

Diamantina – Uma tentativa de diário de viagem

Diamantina - Diário de Viagem

Eu já começo esse post pedindo desculpas e aproveitando para desabafar um pouco. Tive sérios problemas com o serviço de hospedagem do blog- mandaram a data de vencimento errada, tiraram o blog do ar antes dessa data de vencimento, mandaram o boleto errado, paguei, me contaram que estava errado e não podiam cancelar o pagamento e eu teria que pagar outro boleto, depois de muita briga cansei e mudei de empresa de hospedagem, com muitos reais de prejuízo e muita raiva também. Por isso o blog esteve fora do ar esse mês quase inteiro e por isso ficamos tanto tempo sem posts. Aos pouquinhos  a gente recupera o tempo perdido – e pode ser que nesse início ainda role uma certa instabilidade! Se perceberem algum problema por aqui, por favor me avisem!

Deixando a raiva de lado, que tal falar de coisa boa? O que vocês andam fazendo por aí? Hoje vim contar um pouquinho de uma viagem que fiz pra Diamantina. Sempre gostei muito de ler posts no estilo “Diário de viagem”, então vou tentar começar a fazê-los por aqui. Preciso aprender a fotografar mais momentos das minhas viagens, os lugares que vou… Mas aos poucos a gente vai se acostumando, não é?

_DSC0308

Há alguns fins de semana fomos eu, João, Bolusca e Sofia (primo do João e a namorada) para Diamantina para o aniversário da Anita – filha de uns amigos nossos. Saímos de BH na sexta-feira à tarde e chegamos lá no comecinho da noite. Eu e João ficaríamos em uma casa e Bolusca e Sofia em outra – fomos então deixar as malas, tomar um banho e logo depois saímos para comer algo. Estávamos todos cansados e foi uma dificuldade imensa de achar algo pra comer que agradasse a todos. No fim das contas, ficamos na Baiuca e pedimos uma tábua de carne de sol com mandioca na manteiga de garrafa… Estava deliciosa e o clima frio na cidade deixou tudo ainda mais gostoso. O aniversário era no dia seguinte em uma cachoeira, e teríamos que sair cedo, então fomos para as casas dormir.

Eu e João acordamos de manhã e o termômetro marcava 16ºC, nada animador para uma cachoeira, mas lá fomos nós: o biquini por baixo de mil blusas de frio, calças jeans e cachecol era a prova de que somos pessoas esperançosas. Pegamos estrada para a cachoeira com um amigo, e parecia ter uma névoa sobre Diamantina… A gente ia se afastando e a temperatura ia aumentando. Primeiro, tirei o cachecol. Depois, a blusa de frio perdeu seu lugar. Por fim, quando chegamos à cachoeira do Telésforo – no distrito de Conselheiro Mata- já estava quente o suficiente pra querer dar um mergulho.

_DSC0276
_DSC0283

Fomos os primeiros a chegar, e pouco depois outras pessoas foram chegando. Ajudamos a montar a mesa de piquenique e fomos ver a cachoeira… É LINDA DEMAIS! Tem uma faixa de areia gigante antes de chegar nela, a areia bem branquinha, fica parecendo uma praia e dá vontade de sair correndo-e olha que eu odeio correr! As pedras tem um tom marrom/dourado também que deixa tudo mais lindo, não dá pra descrever e acho que nem as fotos fazem jus à beleza do lugar! Já estávamos nadando quando Bolusca e Sofia chegaram contando que caíram em um buraco na estrada e algo tinha vazado do carro. Na hora, não demos muita atenção e fomos curtir o dia.
_DSC0401
_DSC0507
_DSC0450

Nadamos muito, comemos muito, cantamos parabéns pra Anita e aí comemos mais um pouco – hahahah- Fiquei encantada com o lugar e com a luz no final da tarde e tirei MUITAS fotos. Pra quem interessar possa: A cachoeira do Telesforo fica em Conselheiro Mata, Distrito de Diamantina. Pra chegar lá saindo de Diamantina a maior parte do caminho é estrada de terra, mas não é das piores (apesar do buraco absurdo citado ali em cima…). Ela fica em uma propriedade particular e cobram R$10,00 para entrar, mas vale muito a pena. Também é permitido camping no local, e aí tem uma taxa por barraca que não lembro bem de quanto é. A cachoeira é incrível pra adultos e crianças, por ter uma grande parte bem rasinha, que dá pra criançada correr e brincar muito (sem falar na areia!) e uma parte mais funda. Todas essas machinhas pretas na água na foto são peixinhos!

_DSC0365
_DSC0302
_DSC0461

Já no comecinho da noite resolvemos ir embora. Poucos minutos com o carro andando e ele começou a superaquecer. Os meninos colocaram mais água, olharam o que tinha acontecido, pesquisamos um pouco e chegamos à conclusão de que tinha furado o radiador. Era melhor deixar o carro lá, chamar o seguro e esperar alguém que também estava voltando da festa passar pra nos dar uma carona. Nesse dia, mortos de cansaço, demos uma voltinha a pé pela cidade e comemos uma pizza também nos arredores da baiuca. Eu adoro as noites em Diamantina, e o friozinho deixa tudo mais encantador.

_DSC0566

O domingo amanheceu ensolarado pra rir da nossa cara: tínhamos combinado de ir a alguma cachoeira antes de voltar pra BH mas  sem o carro não seria possível. Eu e João dormimos até tarde, demos uma volta na cidade, almoçamos e fomos arrumar as coisas para vir embora- voltaríamos em um taxi oferecido pelo seguro. Como se não bastasse os problemas com o carro, já estávamos chegando em BH, presos no trânsito, um carro bateu no taxi em que estávamos. Foi só um susto mesmo e todo mundo ficou bem. Quando chegamos em casa tudo o que queríamos era um banho e cama… Que fim de semana!

Essa foi nossa viagem, deliciosa e problemática ao mesmo tempo! Agora me contem: vocês conhecem Diamantina? E essa cachoeira do Telesforo? Já ouviram falar pelo menos? Indico muito que todo mundo que tiver oportunidade vá, é muito linda e o lugar é ótimo! Já contei um pouco de outra viagem pra Diamantina aqui! E pra caso você resolva pegar a estrada também, tenho um post aqui que ajuda muito na hora de fazer as malas!

4 Comentários
18 04 2017

Tudo que você precisa saber sobre o Bullet Journal

Desde que postei a primeira foto do meu bullet journal lá no instagram, chovem comentários pedindo posts sobre o BuJo aqui no blog. Como o pedido de vocês é uma ordem, aqui estou eu pra falar um pouquinho dessa minha nova paixão.

Antes de qualquer coisa, sinto que preciso me desculpar pela ausência: Comecei a faculdade mês passado e ainda estou um pouco perdida com horários, rotina e tudo isso. Mas com paciência e com organização ~olá bullet journal salva vidas~ as coisas vão se ajeitando e eu volto a postar com a frequência habitual.

O que é Bullet Journal?

É uma mistura de agenda, planner, diário e o que mais você quiser que seja. Basicamente, uma forma de organizar seus dias e se tornar mais produtivo. É um caderno que você “monta” da forma que quiser e que se encaixar melhor na sua vida. O método foi criado pelo Ryder Carroll e ele explica no site que linkei no nome dele, mas vou explicar aqui também. As pessoas começaram a usar e adaptar esse método e isso foi tornando o BuJo ainda mais cheio de possibilidades.

Quais são suas vantagens?

O BuJO tem muitas vantagens, mas acho que a maior delas é o que já citei acima: Você faz suas regras! Não sei vocês, mas sempre tive um problema com agendas: Se por algum motivo não usasse uma página, me sentia culpada por deixar uma página em branco e não conseguia usar depois por ser datada. Com o bullet journal, isso não acontece! Sem contar que você pode ter uma página no meio do seu mês para anotar os filmes que você assistiu ou quer assistir, a lista de compras do mês ou um texto aleatório. E a melhor parte é ter um índice organizadinho que vai deixar fácil de você reencontrar cada página sempre que quiser.

O que preciso para fazer um Bullet Journal?

Bullet Journal - Do que preciso?
Há quem pense que você precisa de muito material, coisas caras e tudo o mais, mas o material necessário pra fazer um bullet journal é:

  • -Um caderno (tamanho, formato e tipo de páginas que você preferir)
  • – Uma caneta/lápis (cor, modelo e etc que você preferir também)

Só isso! Você escolhe o caderno, o tamanho, se será pautado, quadriculado, pontilhado ou com folhas brancas. Você escolhe a caneta ou as canetas que vai usar. Pode ser um kit de 48 cores da Stabilo 88? Pode! Pode ser uma BIC preta? Pode também!

É preciso também tomar muito cuidado: não fique achando que você precisa de um caderno específico ou da caneta X pra começar o seu Bullet Journal. Nem se iniba com tantos desenhos e caligrafias lindas que vemos pelo Instagram e Pinterest.  A ideia é se manter organizado e produtivo, a decoração é totalmente opcional e, caso você queira fazer, ela vai evoluir com o tempo. É aquela lógica de a prática leva à perfeição, sabe?

Eu comecei meu BuJo em um caderno pequeno e sem pauta. Depois de uma semana usando, percebi que não estava funcionando pra mim e mudei pra um caderno A5 pautado (o meu lindinho é da Loja Heróicas porque ele tava parado aqui desde que ganhei da loja e não tive coragem de usar de tão lindo). Me adaptei muito melhor. Comecei usando uma caneta preta “tipo Stabilo” (as minhas são da Maped e amo! Compro 1 de cada vez, são mais baratas e maravilhosas!) mas atualmente quando estou com mais pressa uso uma BIC preta mesmo. Comecei sem decorar muito, e já tô me arriscando -e me apaixonando pelo- mundo das caligrafias e desenhos.

Como faço um Bullet Journal?

Começar o bullet journal talvez seja a parte mais “trabalhosa” do método, mas nada assustador. Vou explicar aqui passo a passo como começar, e com o tempo você vai adaptando pro seu jeitinho, pra sua rotina.

1- Faça uma legenda!

Bullet Journal - Legenda

O nome Bullet vem desses símbolozinhos que são usados na organização. Tem gente que usa cores diferentes também, tem gente que tem meio milhão de símbolos. Eu preferi ficar com o básico, assim me acostumo mais rápido e só de bater o olho em uma página já tenho uma imagem de como será aquele dia. Os bullets que uso são:

  • Uma caixinha para tarefas
  • Um círculo para eventos
  • Um pontinho para notas
  • Um asterisco para marcar coisas importantes

E para sinalizar o que já foi feito, as mudanças de planos e coisas do tipo:

  • Um “Check” para tarefas/eventos cumpridas
  • Um > para eventos adiados e < para os adiantados
  • Um – no que foi cancelado

Como vocês podem ver na foto, também controlo a quantidade de água que bebo diariamente no meu BuJo, então na área de água do dia um tracinho | = 250 mL de água.

2- Faça um índice!

Bullet Journal - Índice
A principio, vai ser só uma ou duas páginas com o título “índice”. Quando você for usando as páginas vai numerando elas e voltando lá pra anotar. Por exemplo: Na página 20 você fez o planejamento de abril, então durante o mês de abril vai precisar voltar lá algumas vezes pra conferir o que tem para aquele dia/semana, né? Então coloca “Abril —– pag 20” no índice. Fez o checklist pra mala de viagem na página 24, no meio dos Daily logs (explico mais pra frente) de Abril? Anota isso no índice e sempre que precisar vai ser facinho achar esse checklist! É o índice que deixa tudo mais organizadinho e fácil de achar.

3- Faça um Future Log!

Bullet Journal - Future Log
Bullet Journal - Monthly Log
Primeiro você vai fazer um calendário dos próximos 3, 6 meses ou 1 ano – o que for mais prático pra você. Aqui você pode marcar os eventos marcados com muita antecedência, sabe? Por exemplo, em janeiro você comprou ingresso pra um show em março? Anota lá! O aniversário da sua mãe é em agosto? Anota lá! Assim não corre o risco de esquecer nada.

Eu faço também, no início de cada mês, um “Monthly Log”, onde eu anoto as coisas mais especificas daquele mês: Consulto o Future Log, vejo o que tenho programado naquele mês e vou marcando nesse planejamento mensal as coisas como trabalhos e provas da faculdade, trabalhos de fotografia e coisas do tipo. É mais pra o Future Log não ficar muito confuso e poluído. Nessa página anoto também metas do mês, pra no final do mês voltar e ver o que consegui cumprir e o que passou ❤

4- Faça “caixas de entrada” ou “Daily Logs”

Bullet Journal - Daily Log/ Caixa de entrada
Por fim, vem a parte mais “cotidiana”, que exige mais esforço pra criar uma rotina: Todo dia você vai planejar seus dias no Daily log. Na noite anterior ou no dia de manhã você reserva 5 minutinhos pra pensar em todas as tarefas, eventos, tudo que deve ser feito naquele dia. Então você anota – usando os símbolos- e durante o dia, quando você for resolvendo aquelas tarefas e etc vai dando “check” no seu BuJo. Tem gente que prefere fazer um layout semanal pra não precisar limitar por dias, então só vê o que precisa ser feito naquela semana… Vai do que você prefere e se adapta melhor. A ideia é ter uma visão rápida e prática do que precisa ser feito.

Muita gente faz varios “Trackers” diferentes, pra controlar horas de sono, filmes e séries assistidos, livros, esse tipo de coisa. Por enquanto estou só controlando a quantidade de água que bebo todo dia e faço isso no daily log mesmo. Uma coisa que eu adoro nesse daily log é que não tem limite de linhas: Eu escrevo tudo que preciso, quando acaba aquele dia faço uma separação e começo o dia seguinte. Sem aquele desperdício de folhas que citei ali em cima com as agendas!

É isso! Simples assim! Hahahha, na verdade eu sei que no começo pode parecer um pouquinho complicado… Mas quando você para de adiar e põe a mão na massa percebe que com meia horinha pra começar tudo e menos de 5 minutos por dia você se torna muito mais organizado e produtivo, é sensacional! Eu não abro mão do papel e caneta pra me organizar, antes fazia só um “checklist” e o método do Bullet Journal me ajudou muito!

Agora me contem nos comentários: Vocês já conheciam o bullet journal? O que acharam? Já fazem ou tem vontade de fazer? O que te impede de começar? Vamos conversar! ❤

10 Comentários
30 03 2017

É que tudo é melhor com você, moço.

Acordei e você não tava ali do lado. Senti saudade. Pode rir da minha cara,  eu sei que é pouco tempo demais para senti saudades, mas eu senti. Ah, moço, vamos ser sinceros: tem coisa mais gostosa que começar o dia abraçadinhos? Quando acordo e a gente tem tempo pra curtir um tempinho antes de levantar parece que tudo fica melhor. “Só mais 5 minutinhos?” Eu sempre digo e você sempre ri. Você sabe que por mim ficaríamos por horas e horas- até a fome falar mais alto. O que sempre esqueço é que você, a maioria das vezes, já acorda com a fome gritando.

E quando a gente resolve aprontar algo na cozinha? Você quase enlouquece com minha bagunça, eu sei. Mas quer saber? Acho que é meio perfeito esse nosso combinado de que você faz o salgado e eu o doce. Até porquê, seria meio desastroso se eu fosse a encarregada do nosso jantar ou algo do tipo, né? Aliás, falando em jantar, não esquece que a gente tá se devendo um jantar, ok?

E ok, já que já estou sendo completamente brega e clichê por aqui, vou me render de vez. Sabe o que é? É que me apaixono ainda mais a cada vez que percebo o quão incrível é fazer até mesmo as coisas mais ordinárias ao teu lado. Sabe que eu adoro quando a gente pega ônibus junto e fica conversando sobre assuntos aleatórios e comentando sobre as pessoas que passam por nós? Então. E quando a gente tem que ir caminhando até o supermercado? É a coisa mais gostosa do mundo quando você para de andar do nada, me puxa e me dá um beijo.

Nem preciso dizer nada sobre quando a gente deita juntinhos pra ver um filme. Se estiver frio e tiver pipoca, melhor ainda, mas mesmo quando somos muito infelizes na escolha do filme. Eu sinto que o meu mundo pode estar desabando… quando a gente se enfia debaixo das cobertas abraçadinhos pra ver um filme, tudo fica bem.

E sim, tudo isso é pra dizer que tô com saudade. Que tô contando as horas pra você chegar, pra ter seu abraço de novo, pra poder te contar como foi a semana e ouvir sobre os seus dias. Tudo isso pra pra não deixar você esquecer o tanto que eu te amo e dizer, mais uma vez, que sua companhia é sempre minha melhor companhia.

3 Comentários
27 03 2017

Sobre ser mulher {Coletivando}

Pernas
Não é novidade alguma dizer que ser mulher tem suas dores e encantos. Hoje, deixo as dores pra depois. O tempo todo falamos sobre as dores. Da conversa no Whatsapp com as amigas contando da cólica ou do medo de, sozinha, ter encontrado um cara numa rua escura, aos muitos maravilhosos -e, muitas vezes, dolorosos – textos feministas que aparecem todo dia na nossa timeline.  Tudo fala da dor. As mais diversas mídias esfregam na nossa cara todos os dias os muitos esteriótipos- de beleza, padrão corporal, comportamento, maternidade romantizada e tantos outros- e continuamos gritando: Eu não me resumo a isso!

Acho importante dizer: Falar da dor não é um problema. Jamais. É falando da dor que a gente a entende, é falando da dor que a gente muda, é falando da dor que a gente percebe que não está sozinha – que tem MUITA gente do nosso lado. Mas, hoje, não quero falar da dor.

Hoje, quero falar de ciclos. Quero falar de sororidade. Quero falar de empatia. Quero falar de união. Quero falar de força. São tantas belezas, tantas alegrias, tantos encantos pra falar que tive que me conter pra não fazer deste texto algo gigante.

A lua tem seus ciclos. A princípio, é Nova, escura, muitas vezes invisível. Depois, se torna Crescente, sorrindo; Dê um pouco mais de tempo para vê-la cheia.  Em seguida, ela míngua e sorri para o outro lado. A natureza tem tantos outros ciclos que não posso citar todos: Primavera, verão, outono e inverno, vida e morte. Ser mulher é ter seus ciclos, como a natureza, como a lua. Nós temos nossas luas, nossa período fértil, nosso sangue. Morremos e renascemos todo mês.

Além dos ciclos, em semelhança com a natureza, temos a possibilidade de gerar. Possibilidade, perceba bem minhas palavras – mulher nenhuma tem essa obrigação- Não querer ou poder não te torna menos mulher. Acho que eu vou passar minha vida inteira me encantando com a ideia de que uma vida pode se formar no corpo de uma mulher. Me encanto ainda mais com essa nossa condição quando penso em todas as adaptações que nosso corpo faz a fim de gerar e cuidar das nossas crias. Eu poderia falar uma eternidade disso sem nem perceber, eu acho. Mas não vou encher vocês.

Outra coisa maravilhosa é quando nós mulheres resolvemos nos unir. Seja um papo de amigas, seja uma roda de conversa, seja numa manifestação pelos nossos direitos. Quando a gente dá as mãos e se abre para ouvir e participar da história de outras mulheres, uma força maior se cria. A união das nossas forças parece não se somar, mas multiplicar. Quando mulheres se apoiam elas crescem.
E não vou dizer que é fácil: a gente vive num mundo em que inventaram que somos inimigas. Quando conseguimos olhar além disso, derrubar essa ideia absurda… Aah, que coisa maravilhosa nasce. Juntas percebemos que não somos pequenas, que não tem nada de errado conosco, que somos únicas e cheias de particularidades – como qualquer indivíduo-, mas não estamos sozinhas.
No simples ato de conversar, mulheres se descobrem. Percebem suas semelhanças e diferenças, começam a enxergar a si mesmas como seres muito mais complexos e muito além de todos os esteriótipos. Encontram amigas, irmãs de luta, irmã de dores e de alegrias. Percebem sua força, descobrem sua voz.  Ainda acredito que, no dia que as mulheres se unirem de verdade, não há nada que as segure.

Aah, há tanto pra falar. É tanta força, tanta beleza, tanta delicadeza, tanta magia. É tão sagrada. Para não ficar cansativa- e, quem sabe, para ainda ter assunto para tantos outros posts- me despeço aqui desse post sobre as coisas que mais me orgulho e mais amo sobre ser mulher.

Este post faz parte do Projeto Coletivando. Quer ver mais posts com o tema “Sobre ser mulher?” Visite o blog das outras participantes:

3 Comentários