06 07 2016

Porque eu preciso falar de amor

0 Flares 0 Flares ×

Vamos falar de amor

Há quanto tempo não falo de amor? No começo do blog, antes mesmo de entender pra que servia um blog e usando-o como diário virtual, era o principal assunto por aqui. Os assuntos mudaram, mas sempre preguei que esse era meu lugar para falar de tudo o que amo… E vou ser sincera, doeu perceber o quanto ele se tornou impessoal. De repente, falo de tudo um pouco – menos de mim mesma.

Tenho meus motivos, claro, e não cabe citá-los aqui. Mas hoje olho e sinto falta das fotos de passeio tiradas com o celular, das tardes com os amigos, de falar do que sinto. E quando olho pro blog, não me vejo. Não sinto que devia ser assim.

É que de repente a gente ganhou um medo bobo de falar de sentimentos, de mostrar quem é – afinal, pra que serve mesmo um blog pessoal? De repente me vi escrevendo muito para vocês – sim, exatamente como faço nesse post agora – e pouco pra mim. É tanto post sobre definir publico, definir nicho, escrever pro seu leitor… que no final eu, que só queria ter um blog pessoal, me vi perdida e sem motivação. A gente vê aqueles blogs bonitos de lifestyle com vidas perfeitas e emolduradas pra caber no instagram e se sente estranha por mostrar nossa vidinha simples – mas cheia de carinho – nessa Internet que me mostra cada vez mais que tem lugar pra todo mundo.

De repente o blog não pode mais ter foto de celular – a qualidade importa mais que o momento que a foto foi tirada – sim, esse é um post de auto crítica, um puxão de orelha pra mim mesma – e, apesar de ter um pouquinho de várias coisas que eu amo, não tem mais eu por aqui. Poderia ser o blog de qualquer pessoa que gosta de fotografar e cozinhar um doce de vez em quando. Eu falo muito sobre o filme e pouco sobre a ida ao cinema. Muito sobre a música, nada sobre como me senti ao ouvi-la. Muito sobre as fotos e pouco sobre como foi o dia, quando foram tiradas, porque, o quão divertido, complexo ou desafiador foi fotografá-las. Eu não falo sobre as minhas experiências. Eu não falo sobre o amor. 

Atualmente, eu me definiria bem como uma boba apaixonada – daquelas que pode botar na legenda da foto que “Até quem me vê lendo jornal na fila do pão sabe que eu te encontrei…” e nem uma alma viva vai duvidar, tamanho é o sorriso estampado na cara. E, ainda assim, eu não falo sobre o amor. Se você procurar aqui no blog – repito, um blog pessoal – não vai encontrar nem meio vestígio disso… No máximo um post em que chamei ele de “moço” porque achei esquisito falar “meu namorado” e até postar uma foto no meu instagram- que devia ser uma coleção de fotos de coisas que me inspiram e me fazem feliz – com ele foi esquisito.

Amelie

Mas esse é um blog pessoal, e como pessoa tem um monte de outras pessoínhas que, vivendo junto comigo, me ajudam a construí-lo. Para começar com o pé direito toda essa coisa de retomar o cunho pessoal do blog – sim, é o que quero fazer e o que motivou esse post, apesar de saber que não vai ser fácil – resolvi citar nomes: quer algo mais pessoal que um nome?

Tem o João- que já foi citado nesse post e nesse blog, mas só agora ganhou nome- e que tem sido a pessoa mais carinhosa e fofa, que faz as melhores comidas do mundo inteirinho, além de me deixar toda sorridente pelos cantos. Tem minha mãe – oi, oi, dona Regina! – que a cada dia se torna mais confidente e companheira, de forma que jamais imaginei que seria. Tem a Lups, amiga doidinha e divertida com quem me sinto livre pra falar todas as besteiras do mundo e mais algumas. E tem até a Amelie, minha gatinha e companheira de madrugadas que adoça meus dias com suas trapalhadas e ronrons. Eu falo muito de quem me inspira através das telinhas, mas me esqueço de mostrar o tanto de gente de carne e osso que tá aqui nos bastidores me dando os abraços mais gostosos do mundo, compartilhando momento, ajudando nas receitinhas, saindo pra comer coisas gostosas e, enfim, vivendo junto comigo e me inspirando a ser quem sou.

Claro, não digo – nem quero- que o blog irá virar um reality show da minha vida, mas sim que, aos pouquinhos, a Laura de carne e osso, as experiências, as viagens, os passeios, as janelas vão aparecer mais por aqui. Porque o blog está aqui pra falar de mim, pra ser meu cantinho, meu diário, pra mostrar meus momentos, minhas fotografias – das mais planejadas à aquelas da câmera frontal do celular! O blog está aqui pra mostrar a leveza dos meus dias e pra deixar os dias pesados mais leves. Pra me inspirar e pra inspirar quem mais quiser se aconchegar por aqui. Porque o blog está aqui para falar de amor. 

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Email -- 0 Flares ×

Laura Nolasco, 18 anos, Belo Horizonte- MG. Blogueira, fotógrafa, estudante e viciada em papelaria. Dessas pessoas que sonham em viajar o mundo inteiro só com uma mochila nas costas.

28 Comentários

28 Comentários em "Porque eu preciso falar de amor"

  1. Mariana disse:

    Engraçado que hoje mesmo eu estava vendo duas blogueiras falando sobre como você deve definir o seu nicho no blog e eu realmente não sei qual é o meu nicho, porque eu criei o blog com o intuito de falar de coisas que eu gosto, e eu gosto de várias coisas diferentes, não só um tema especifico. Eu adoro tirar fotos das coisas mas sempre me senti insegura de postar no blog porque parece ser uma regra que foto no blog só é aceitavel se for com uma resolução incrivel e tals. Mas recentemente deixei essa bobeira de lado e ando postando fotos que eu mesma tirei no blog, são pouquissimas, mas ja é alguma coisa, não vou ficar esperando anos até eu ter miha propria renda e ter condições de comprar uma camera boa pra postar fotos, vou postar minhas fotos simples e meio borradas com a minha camera de moto g, a edição mais antiga por acaso, doa a quem doer hahahaha.
    Eu sinceramenrte gosto mais de blogs assim, mais pessoais, me sinto mais perto da pessoa que está escrevendo o post.

    http://pequena-orbe.blogspot.com

    Responder

  2. Entre Anas disse:

    Esse post foi um abraço quentinho, sério. Se a intenção é deixar o blog mais pessoal, você já começou acertando – e muito! Dá pra perceber o quanto tem de você nessas palavras, juro.
    Pelo título, eu jurava que seria um texto romântico, sabe? Mas me surpreendi positivamente. E tô doida pra ver mais das suas experiências mesmo, não só superficialmente, mas sabendo o que você sentiu, pensou, o que mudou em você, porque é isso que aproxima ainda mais quem tá lendo de quem tá escrevendo <3

    Responder

  3. Te entendo muito! Às vezes eu acho que falta coisas pessoais no meu blog também. Só que ainda não achei o meu modo de incluí-las lá sem deixá-lo como um “reality” da minha vida, como você mesma disse.
    Porém, no seu caso, você achou o modo, sim. Esse texto foi uma introdução maravilhosa pra esse “novo começo”. Eu pensei algo bem diferente ao ler o título, e confesso que me surpreendi (de um jeito bom!) ao ler o post.
    E eu adorei a sua ideia de apresentar os nomes, pois eles estão tão presentes na nossa vida… Mesmo que às vezes a gente esqueça da sua importância. *-*
    Pode ter certeza que, se já gostavam do seu blog antes (estou me incluindo nisso, inclusive), agora mais ainda. <3

    Beijos :*

    Responder

  4. Fernanda disse:

    Fiquei tão feliz lendo esse post, porque me identifiquei totalmente com o que você está passando. Até porque eu mesma estou tentando tornar o meu blog mais pessoal novamente, e assim como você senti que acabei perdendo isso com o passar do tempo e com isso perdendo a essência do que eu mais amava que era escrever pro Vitrola (meu blog). Agora estou retornando de um longo bloqueio criativo, e por mais que eu busca-se inspirações eu me deparava justamente com “lifestyle com vidas perfeitas e emolduradas pra caber no instagram” e me sentia cada vez mais fora dessa “vida de blogueira” justamente por não me encaixar. Só tenho a agradecer por assim como eu acreditar que a nossa “vidinha simples” também merece e vale a pena sim ser compartlhada ♥

    http://www.vitrolanavitrine.com

    Responder

  5. (Adoro quando você está nas interações porque relembro o quanto teu blog é lindo)
    Meu blog também só falava de amor… E no meu rosto era estampada, mesmo na fila do pão, que eu havia encontrado a pessoa certa. E depois a incerta… E outros amores. Gosto da intensidade que esse sentimento nos proporciona. E eu continuo a falar dele muito! Continue tbm <3 As vezes é mesmo preciso!
    Beijooo http://www.raaymilhomem.com

    Responder

  6. Que maravilhoso ler esse texto! Lembrei de quando criei meu primeiro blog e ele também era um diário virtual. Mas com o passar do tempo acabei excluindo e lendo o seu texto agora me deu um aperto no peito, porque não posso mais ver aquilo que um dia eu expressei para pessoas que nem conhecia. Enquanto eu fui lendo seu texto eu fui pensando e realmente é verdade, hoje quase não tem blog pessoal, onde as pessoas falam do que sentem, dos seus medos, das tristezas, porque hoje todo mundo tem que ser forte. Criamos uma cultura errada onde falar de sentimentos é demonstração de fraqueza. Eu sempre fui muito aberta, nunca tive muito controle do que demonstrar ou não, sofri muito mas sofri muito mais quando tive que reprimir o que sinto porque era ” errado” mostrar. Criamos um cultura totalmente fútil e hipócrita. Parabéns pelo seu texto Laura! Amei e sim fale mais do que você sente se isso te faz bem 😉

    Beijos

    https://entre-linhaseparagrafos.blogspot.com.br/

    Responder

  7. Que texto mais lindo! Sabe, quando eu criei o blog o meu objetivo era postar contos, espalhar sentimentos e me sentir bem com isso. Comecei a conhecer uns blogs todos técnicamente pensados e repensados e pensei: puxa, não sou assim e tentei ao máximo ser, mas pra que? O blog é para ter a essência do autor, não para ser bonitinho e padrão. É pra ser do nosso jeito, sendo jeito certo ou errado, É NOSSO. Acho maravilhoso você voltar ao seu objetivo inicial com o blog e tenho certeza que todos os seus leitores irão amar!

    http://www.aconteceucomagente.wordpress.com

    Responder

  8. Karen disse:

    Lendo esse teu texto me senti nele, pois sei como é esse sentimento esquisito de falar sobre o amor, mas depois que digitamos ou escrevemos dá um alívio tão grande…

    Responder

  9. Miga, como você escreve bem, sério!! E seu post foi como um abraço bem quentinho de urso, sabe? haha Hoje em dia a gente acaba caindo na armadilha de ser mais do mesmo. Esquecemos o nosso principal foco com o blog e vamos em busca de leitores, escrever para os leitores (como você mesma disse) e nos tornar blogueiras influentes. Eu cometi esse erro e posso te dizer que isso quase me fez desistir de tudo. Você fez muito bem de perceber isso e querer mudar, vai ver como vai fazer diferença na sua vida e até mesmo atrair leitores que te seguem por todo o amor colocado aqui. Segue em frente que eu tenho certeza que vai dar tudo certo! Beijão! <3

    Responder

    Laura Nolasco disse:

    @Gabriela Charbe, Owwwn, obrigada!
    Fico feliz que tenha sido bom assim ler <3
    Muito obrigada pelo comentário e pelo carinho!
    Beijos!

    Responder

  10. Eu desisti do meu último blog por isso. Eu ainda falo sobre viagens hoje, mas antes eu estava sendo só descritiva, sabe? Sem falar das minhas experiências pessoais.. E isso me deixou muito mal. Amo quando resolvemos colocar mais de nós nos posts. E amor é sempre bem vindo <3

    Responder

    Laura Nolasco disse:

    @Katarina Holanda, nossa, não consigo nem pensar nisso, mas o desanimo que dá as vezes me faz entender. A gente se distancia dos posts e aí eles viram obrigação, né?
    Fico feliz que goste,
    Beijos!

    Responder

  11. Mari disse:

    Maravilhoso o post. O blog deve ter mais a nossa cara mesmo, tem hora que a gente se preocupa tanto em deixar ele mais profissional que se perde no meio e deixa de ser o nosso canto. Então, por favor, apareça mais por aqui, vamos adorar conhecer um pouco mais da sua vida.
    Beijos
    Mari
    http://www.pequenosretalhos.com

    Responder

    Laura Nolasco disse:

    @Mari, Obrigada!
    Fico feliz que pense assim e de ver que tanta gente curte essa ideia mais “pessoal”, sem tanto profissionalismo e etc.
    Beijos!

    Responder

  12. Quando abri o Blog, me vi numa corrida atrás de um lifestyle que não era meu, que, sei lá porque, me distanciou de mim, e do meu foco! Faça por você, por amor, sempre, pra não perder isso, esse seu brilho! <3

    Responder

    Laura Nolasco disse:

    @Rafaela Arnoldi, Hahahah SIM!
    No meu caso, eu mostrava muito o meu lifestyle mesmo… E depois fui achando “que não é legal” e parando, sabe? Pensando muito nesse lifestyle dos blogs todos que é muito mais “glamouroso”, mas nada meu… E sim, senti falta da delicadeza, do aconchego dos meus dias, das minhas experiências!
    Beijos!

    Responder

  13. Ingrid disse:

    Texto que tocou o coração, que lindo, achei tão verdadeiro.
    Eu tenho dificuldades para demonstrar, crie essa dificuldade com as decepções, mas o amor é lindo e exiset nas pequenas coisas… Esse trecho é lindo: “De repente o blog não pode mais ter foto de celular – a qualidade importa mais que o momento que a foto foi tirada – sim, esse é um post de auto crítica, um puxão de orelha pra mim mesma (…)”

    Faz pensar nas regras e imposições que excluem o básico: amor!

    http://www.cantinhob.com

    Responder

    Laura Nolasco disse:

    @Ingrid, Aai, obrigada!
    Sim sim, é o que mais tem me incomodado… A gente esquece de postar o que faz a gente feliz pra postar o que “fica bonitinho”…
    Beijos!

    Responder

  14. Pollyanna disse:

    É essa a marca do seu blog, falar da de vc – a menina da janela. Na verdade, pode o blog ser escrito para outras pessoas ou não, gostamos de ver a impressão do (a) blogueiro (a).
    Beijos!

    Responder

    Laura Nolasco disse:

    @Pollyanna, Sim, é o que eu disse…
    Beijos.

    Responder

  15. Karoline Krahl disse:

    Confesso que esse post foi uma puxada de orelha pra mim também. Eu estou nos últimos dias tentando analisar isso no meu cantinho também. Ele tem amor, tem minhas opiniões, mas ainda assim eu fico com um pé atrás quando quero colocar algo sobre um assunto que tenho uma opinião mais extremista, pensando será que dá certo? Mas a real é que é meu espaço, meu cantinho pessoal e que isso é a parte mais importante dele. Eu sou a parte mais importante dele e ele tem que ser bom e agradável primeiramente para mim.

    Responder

    Laura Nolasco disse:

    @Karoline Krahl, Karoool, sua linda ❤
    Fico feliz que tenha servido pra você também… Tô com essa dificuldade demais: tem eu, claro que tem, sou eu aqui escrevendo… Mas sou eu também calculando o que posso ou não dizer, do que vão gostar ou não… é tenso :/ Tem que ser realmente algo pra nós!
    Beijos, sua liiiinda!

    Responder

  16. Amei o seu texto e me identifiquei muito com ele, sabia?!

    Hoje em dia os blogs no geral estão todos tão profissionais que sinto falta às vezes de ler blogs mais simples com vidas mais reais.

    Beijos

    http://www.senhoritamarmelada.com/

    Responder

    Laura Nolasco disse:

    @Carolina Delacroix, Fico feliz que tenha curtido e se identificado, Carol!
    Sim… A ideia do blog mais profissional é linda também, mas perde muito o sentido se a gente esquece que o blog é mais legal exatamente por ter a opinião da pessoa, experiencias dela e etc, né?
    Beijos!

    Responder

  17. Duds disse:

    Que lindo! Adorei essa reflexão e saber mais da sua vida. Como a Carolina mesmo disse aqui em cima, hoje falta tanto disso nos blogs né? Um toque mais pessoal e mais dos sentimentos da vida 🙂

    Responder

    Laura Nolasco disse:

    @Duds, Obrigada! Fico feliz que tenha gostado!
    Falta sim, dá uma saudade de ver mais coisas assim né?
    Beijos!

    Responder

  18. Geovana disse:

    Muito Bom ! Estou sempre visitando e lendo os posts deste site, eu e minha amiga sempre estamos acompanhando este site maravilhoso.
    Gostei deste artigo, muito legal.

    Parabéns !

    Responder

    Laura Nolasco disse:

    @Geovana, 🙂 Obrigada

    Responder