12 09 2016

Home is where the heart is

pôr-do-Sol da nova casa - Home is where the heart is

Eu gostaria de ter uma foto e um jeito melhor de começar esse post. Ontem a tarde eu e João brincando com a câmera tiramos varias fotos legais, eu iria editá-las hoje para colocar nesse post, mas Amelie está bem dodóizinha e passei boa parte do dia cuidando dela ou com ela na veterinária… Não tem estrutura pra editar foto ou escrever algo mais alto astral, me desculpem. De qualquer forma, queria escrever, e se puderem me mandar um pouquinho de carinho e energia positiva pra Amelie, ficarei grata. Apesar desse começo meio depressivo, esse post é uma novidade bastante feliz para mim.

Semana passada eu falei da correria, mas não queria falar muito sobre até que tudo estivesse resolvido… Agora, enfim, posso deixar o mistério de lado. Em abril desse ano, minha mãe soltou um “vamos mudar de casa?” e eu, de alma cigana que sou, achei a melhor coisa do mundo. Nunca me senti muito em casa em lugar nenhum, e mudar de ares – que seja no mesmo bairro – seria ótimo. Morávamos na mesma casa desde que eu tinha 2 anos de idade. E então, colocamos o apartamento a venda em maio. No principio de junho, vendemos! Ficamos super felizes, e começou a correria para comprar outro…Foram alguns fins de semana acordando cedo e olhando apartamentos até cansar, mas não demorou muito pra que isso acontecesse também. Enfim, antes do meu aniversário no dia 25/06 já estava tudo certo, dependendo de todas aquelas documentações e burocracias das quais não entendo nada. E aí teve problema com correio, teve assinatura no lugar errado, teve um tanto de coisinha que deixou o processo bastante longo e um tanto angustiante.

Faz menos de duas semanas que tudo se resolveu. Na quinta-feira descobrimos que já poderíamos nos mudar na sexta da semana seguinte. Foi um corre daqui, aperta dali, passa na Leroy Merlin, pinta banheiro, embala tudo e enfim… Mudamos! Agora já tá tudo mais ou menos arrumadinho, mesmo que de forma provisória, a casa nova já tá funcional. A foto do início do post é o pôr-do-Sol visto da janela do meu quarto, e a cada dia me apaixono mais por essa vista… sem contar nas árvores que tem na janela da sala!! E o espaço enorme do meu quarto? Sei nem o que dizer!

Na quinta feira antes da mudança, eu, João e Amelie viemos dormir aqui – num colchão de ar mesmo, pra facilitar as coisas com a Amelie no dia da mudança. Bateu uma angustiazinha de “dar tchau” pra casa que morei por tantos anos, e nã consegui segurar as lágrimas… Num abraço, o João me disse: “Não esquece que lá tá só a estrutura. Tudo que cê viveu lá, as lembranças, tão tudo aqui” – com a mão na minha cabeça e no meu coração. Era tudo o que eu precisava ouvir pra me sentir bem… Mais tarde, quando ele foi tomar banho, escrevi um texto que deixarei aqui no fim do post, que expressou muito do que senti. Há muito não escrevo um texto tão grande pro blog, e há muito não consigo ser tão sentimental assim nas palavras… Acho que essa mudança e a história da Amelie realmente mexeram comigo. De qualquer forma, que venham muitas alegrias na nova casa. Muitas fotos do pôr-do-Sol. Muitas novas decorações. Muito aconchego, amigos e carinho. Que essa nova fase me motive ainda mais aqui no blog.

“Não é fácil despedir de uma casa na qual você viveu todas as partes que você se lembra da sua vida. As primeiras amigas estão lá, as festas do pijama, as primeiras receitas, os primeiros amassos. Tudo o que eu conheço como lar está lá. Das melhores partes à falação das vizinhas me acordando cedo. Tanto amor e tanto ódio, tanto medo, tantas emoções, tanto carinho… Tudo, ta lá. Dentro daquele punhado de paredes coloridas e portas menores que o normal. É difícil sair. Pensar que o que conheço como rotina: os pontos de ônibus, a senhora que tá sempre sentada na calçada, a sorveteria da esquina e a lanchonete do outro lado da rua, tudo tá lá, ficou pra trás. Depois de anos pra me acostumar, me assustando com os barulhos e tendo medo de apagar a luz da sala e correr pro quarto. Agora é tudo novo, e a sala fica mais longe do quarto. Mas tem o corredor no caminho. E tem espaço e animo pra decorar tudo do meu jeitinho. E tem amor, tem carinho, tem a Amelie aqui em cima de mim, ronronando. Tem todas as coisas maravilhosas que essa nova casa vai trazer. Tem toda a individualidade, a privacidade e o silêncio. Tem um pôr do Sol maravilhoso que eu posso ver da Janela do meu quarto. Até o chuveiro aqui tem pressão! E tem uma vizinhança que já se mostrou super acolhedora. Tem luz natural. E tem um esforço enorme pra deixar a energia de tudo aqui bem gostosa e acolhedora. Tem uma nova história pra ser construída aqui. Novas amizades, novas festas do pijama, novos amassos. Tem muitas risadas e muitos choros que ainda vão ser vividos dentro dessa nova casa. “Home is where the heart is”. Lá está um amontoado de paredes, aqui está o lugar que construiremos o próximo capítulo da nossa história. Aqui estão todos os pedacinhos de mim que eu mais amo: das lágrimas aos sorrisos. E as melhores companhias do mundo.

9 Comentários

9 Comentários em "Home is where the heart is"

  1. C disse:

    Ai Laura! Que amor de post! Me emocionei lendo sobre sua experiência gostosa de mudança. Desejo que você seja muito feliz nesse novo lar! Beijão!

    [Reply]

  2. Carol Rocha disse:

    Ai Laura! Que amor de post! Me emocionei lendo sobre sua experiência gostosa de mudança. Desejo que você seja muito feliz nesse novo lar! Beijão!

    [Reply]

  3. Wanila disse:

    Que delícia de texto, Laura! Eu não tenho nenhum tipo de apego pela casa onde eu moro e gostaria muito de me mudar daqui, gosto de pensar que nosso verdadeiro lar é a gente mesmo, porque só lá estão todas as nossas memórias e sentimentos. <3

    [Reply]

  4. Lari disse:

    Adorei o seu texto <3 é bem isso o que sinto quando me mudo, adoro esse sentimento de novas memórias, aventuras, amizades, conversas ao acaso com porteiros haha
    mas nossa, eu odeio odeio odeio o processo de me mudar. Odeio empacotar as coisas, ver aos poucos minhas memórias sendo tiradas das prateleiras e essas coisas sabe?
    Quando eu saí da casa da minha mãe em SP e vim pra Curitiba foi tipo "wow" aquela emoção de cidade nova e aquela tristeza de "ficou tudo". A vantagem é que isso passa logo né? Mudar de ares é muito bom e novas experiências então <3 Que venham várias memórias e risadas gostosas na sua nova casa!
    Ah! Melhoras para a Amelie, ela é uma fofura de gatinha! Já já ela fica boa <3
    Bjuuuus Laura!

    [Reply]

  5. KARINE disse:

    melhoras pra Amelie, espero que ela fique bem logo! <3
    eu sempre morei no mesmo apto e tenho essa vontade de mudar, acho que deve ser algo muito legal de fazer, tipo como um recomeço né? conseguir montar suas coisas mais do seu jeitinho, mudar os ares, conhecer gente nova… espero que seja uma experiência ótima por aí 🙂

    [Reply]

  6. Helena Krauel disse:

    Espero que você já esteja se sentindo melhor em relação à Amelie, não sei o que faria se fosse com a Mia, mas tenho certeza que com todo esse amor que eu dei pra ela (e que você deu pra Amelie) ela estaria muito feliz.
    Acho que gostaria de ter essa sensibilidade sobre uma casa…não gosto da minha. Moramos junto com meus avós. Era uma casa gigante que meu avô reformou para alguma filha morar na parte de baixo e ele e minha avó na parte de cima. Eu e meus pais fomos escolhidos pois nossa condição era a pior e eles também, antes de trabalhar, tinham que me deixar de manhã muito cedo aqui na casa da vó (o que me resultou em sinusites e gripes diversas haha)… Mas eu não gosto desse lugar, intrigas entre irmãos ciumentos e falta de privacidade…Não vejo a hora de sair.

    Adoro você, moça!

    Sucesso, beijos! Com carinho, Menina Borboleta <3

    http://meniborboleta.blogspot.com.br/

    [Reply]

  7. Deise Lima disse:

    Moro na mesma casa desde que nasci, e as vezes paro pra pensar em como seria estranho se eu precisasse mudar. Sei sobre muitos pedacinhos dela e sinto que ainda tenho coisa para descobrir, e olha que eu nem tenho quintal!
    Mas mudar é uma parte essencial da vida, não é mesmo?! Que tudo que for bom sempre te acompanhe nos seus caminhos e onde você fizer morada!
    Certamente você não mudou só de casa, como também mudou de ânimo e produzirá muita coisa boa nassa transição.
    Um abraço!

    [Reply]

  8. Karina Pinho disse:

    Que amor esse texto! Me identifiquei, morei com a minha vó desde que nasci. Aos 9 me mudei, mas como era criança não entendia direito. Aos 17 voltei pra cá e esse ano minha mãe resolveu se mudar de novo. E aí, senti tudo o que sentiu! Mas mudanças são necessárias! Amei o texto! Beijos

    [Reply]

  9. Casa realmente é onde o coração está, me senti como você quando precisei me mudar do lugar onde vivi por anos, foram tantas lembranças deixadas pra trás, fiquei nostálgica por uns bons anos, até que fui morar com meu marido e nos mudamos para nossa casa, a sensação foi diferente, a novidade, uma casa novinha pra decorar do jeito que eu queria e criar novas lembranças e momentos felizes.

    Que você seja muito feliz no seu novo lar e que crie muitas novas lembranças, novas amizades e deixei cada cantinho com sua cara.

    Bjoss

    [Reply]