13 08 2019

Um livro do início ao fim: processo de produção

Uma das coisas que me faz amar o curso que eu escolhi para a faculdade é ter um contato tão próximo com o mundo dos livros, com a escrita e com o processo de produção — pra quem não sabe, eu estudo Edição na Faculdade de Letras da UFMG.

Um livro do início ao fim: processo de produção

Desde as primeiras disciplinas da edição que fiz — que começaram no 3º semestre, porque os dois primeiros são iguais pra todo mundo e bem focados em literatura e linguística — percebi o quanto a gente não tem noção de como funcionam as coisas em uma editora.

Mesmo sendo uma apaixonada por livros — no começo esse blog falava muito sobre eleseu sabia muito pouco sobre como funcionava o processo de produção deles.

É algo que a gente até brinca no curso: parece que as pessoas acham que o texto sai da cabeça do autor, se materializa em forma de livro e aparece lá na estante da livraria! Mas não é bem assim que acontece, e o que estudo é exatamente o que acontece entre o texto ser escrito pelo autor e o livro chegar nas prateleiras.

Ainda quero contar mais sobre tudo isso, mas hoje vim só mostrar um xodózinho que produzimos em uma disciplina da Letras semestre passado, chamada oficina de edição e criação de textos literários. Vou mostrar detalhes pra vocês enquanto conto um pouco de como fizemos eles, vamos conferir?

O processo de produção dos livros

Bom, antes de tudo, vale explicar que cada um de nós escreveu e fez todo o processo com seus próprios textos — o que é um pouco diferente (e mais complicado, rs) do que quando um autor manda algo pra uma editora. A turma se dividiu em grupos por temas, e dentro desses temas se uniram ou separaram para criar os livros.

A escrita

Como já disse, trabalhamos com temas. A ideia inicial era que a turma inteira escolhesse um só, mas a professora foi incrível ao perceber que seria difícil juntar interesses e personalidades tão diferentes em um tema, e acabou liberando que cada grupo trabalhasse com o que quisesse.

Depois de escolhidos os temas, como era uma disciplina sobre criação também, fomos vendo conceitos e ideias diferentes e ao final de cada “tipo” de texto nós escrevíamos algo dentro da nossa temática e estilo. Os textos eram lidos em aula, comentados e tudo foi construído em conjunto de uma forma bem legal.

O tema que escolhi foi metrópole, e trabalhei também com alguns subtemas como identidade, crítica social e bucolismo. Foi bem divertido escrever sobre isso e fugiu bastante da minha zona de conforto, já que tenho costume de escrever textos mais sentimentais.

A curadoria

Depois de ter todos os textos escritos, era hora de selecionar quais iriam para os nossos livrinhos. Nesse momento, as pessoas com temas e tipos de texto parecido se juntaram, mas algumas pessoas — como eu — fizeram sozinhas também. Quem estava em grupo se reuniu, leu os textos de todo mundo e foram votando e organizando os livrinhos.

No meu caso, que estava trabalhando sozinha, somente escolhi os que achava que fariam sentido juntos e fui organizando da forma que achei mais fluida. Eu não tinha decidido os títulos de vários textos ainda, então resolvi que seria uma boa ideia usá-los como uma forma de “amarrar” tudo. Assim nasceram os títulos dos meus textos e do livro: Notas sobre Ela.

Uma coisa que a gente sempre vê lá na Letras também é sobre a importância desse processo de curadoria: cada texto sozinho pode ser uma obra de arte, mas uní-los de forma que faça sentido é criar uma outra obra através dos intertextos! É como uma exposição de arte: cada peça sozinha tem sua beleza, mas a união delas precisa fazer sentido para estarem ali.

A preparação de originais

Textos selecionados, era hora de deixar tudo prontinho pra virar livro. Nesse momento fizemos todas as correçõezinhas necessárias, revisamos os textos e preparamos todos os paratextos para ficar tudo prontinho para diagramar.

Nas fotos, alguns dos paratextos do meu livrinho ♥. O tempo todo a professora ajudou a gente a entender melhor a função de cada coisa em um livro, como seria melhor criar e etc. Algumas das coisas também foram padronizadas pelo Laboratório de Edição — mas sobre isso eu vou falar daqui a pouco.

Diagramação, impressão e encadernação

Com tudo pronto, fomos para a parte de diagramação e impressão dos livrinhos. Nessa parte tivemos ajuda da professora Emília e das meninas do LABED — o Laboratório de Edição da FALE. Usamos o projeto gráfico de lá e fomos encaixando o livro nele. Algo muito legal foi que a professora ajudou os alunos a “personalizarem” seus livros, então alguns tem encartes e outros detalhes para que o projeto funcionasse melhor com os textos.

Depois disso, escolhemos as cores que usaríamos: o papel pra capa e a linha da costura. Aqui foi engraçado: eu costumo ser toda “anti-amarelo”, mas quando fui na loja olhar as opções eu só conseguia olhar pro quanto esse amarelo tava lindo e vibrante. A linha cinza veio pra complementar.

Da última parte infelizmente não pude participar, porque uma professora de outra disciplina mudou o cronograma da matéria e aí tive compromisso no dia que aconteceu, mas foi o momento de encadernar os livros. Foi tudo feito a mão usando essa costura super fofa e simplezinha ♥ .

Apesar de não ter costurado o livro dessa vez, já participei de uma oficina do LABED em que pude fazer isso e estou doida pra participar de outras… é muito incrível aprender costuras diferentes e ver o resultado final! Esse é o caderninho que costurei da outra vez (tinha um livro também, mas não encontrei foto agora):

Por fim, os livros foram “unidos” nessa coleção chamada Boca do Forno com essa fita xadreza e ficou a coisa mais linda do mundo! Cada aluno ganhou um exemplar de cada livro (no “box” da coleção) e mais 3 exemplares do seu! Tô aqui babando nos meus até agora ❤.

Vou finalizar com mais algumas fotos do meu livrinho, Notas sobre Ela, porque eu realmente não consigo parar de olhar pra ele! hahahaha

Sobre o processo de produção dos livros

Agora me contem: vocês tinham ideia de como funciona o processo de produção dos livros? Já participaram de algo do tipo?

Se tiverem alguma dúvida ou assunto relacionado a isso também, deixem nos comentários! Quem sabe não vira um post também?

6 Comentários
29 07 2019

Taking Stock #9

Taking Stock 9

Eu sumi com vontade dessa vez: 3 meses sem nem dar um alô por aqui e já volto assim com um Taking Stock… Mas é isso: eu adoro essa tradição desse post duas vezes por ano e vou segui-la enquanto puder.

Desde que comecei o estágio tenho sentido muita saudade de escrever por aqui – mexer com um blog todos os dias faz lembrar o quanto eu amo esse mundo de blogueira. Ensaiei voltar varias vezes, mas a correria dificultou — essa coisa de ser fotógrafa, universitária e estagiária que as vezes faz a gente surtar. Dessa vez juro que vou tentar voltar de verdade e trazer mais conteúdo de verdade pra cá.

Mas em conteúdo e no que vai acontecer daqui pra frente a gente pensa depois: hoje é dia de atualizar vocês do que tem rolado por aqui! Pra quem ainda não sabe o que é Taking Stock: uma série de “verbos” que eu completo pra contar pra vocês o que eu tenho ouvido, lido, aprendido… enfim hahhaah… No meio disso tudo juro que tem umas indicações bem legais! Vem conferir:

TAKING STOCK 9

#Ouvindo: Bom, como eu já contei pra vocês, agora eu trabalho em uma plataforma de música, né? Isso tem feito eu conhecer muita música nova e ouvir de novo muita coisa que nem lembrava que gostava. Tem muita coisa que eu tenho ouvido muito: Imagine Dragons, Bruno Mars, essa playlist maravilhosa de rock dos anos 70 e muitas outras coisas. Mas acho que minha queridinha do momento é a playlist de casamento da Isa do Na Nossa Vida:

#Lendo: Bom, eu até dei uma voltada rápida pro mundo dos livros e li P.S. Eu Te Amo que tava há séculos parado na minha prateleira, mas aí começou o estágio e acabei abandonando as leituras de novo. O que tenho lido muito são coisas sobre música por causa do estágio, e eu acho isso maravilhoso hahahah

#Agradecendo: pelo fim do semestre letivo 2019/1 porque SOCORRO, foi difícil viu? Acho que um dos semestres mais pesados da faculdade até agora, principalmente no final. E vai soar repetitivo eu falar do estágio, mas… heheheh

#Pinning: As últimas coisas que pinnei foram todas sobre Bullet Journal – estou de férias e por isso ele tá mais paradinho, mas tô doida pra testar coisas novas (e vir mostrar pra vocês o que tenho feito também!). Vou deixar um pin que representa bem isso:

Pinterest pasta Bullet Journal

#Estudando: Muita coisa relacionada à edição (minha área na faculdade de Letras) e à Marketing digital também: tenho lido bastante coisa sobre SEO e coisas do tipo pro estágio, mas o mais legal é que consigo usar o que estou aprendendo aqui no blog e com a fotografia também 😍 

#Pensando: Em decisões que preciso tomar sobre a faculdade. Minha relação com ela não é das melhores – as vezes eu amo meu curso, as vezes não sei o que tô fazendo nele – e tive umas ideias muito legais mas que me “prenderiam” lá por mais um ano, pelo menos.. E eu só quero formar! hahahah

#Assistindo: Jane The Virgin, que acabei de assistir a última temporada disponível no Netflix. Também tô revendo Friends e, pra variar um pouquinho (heheh), Gilmore Girls – não tem jeito, é minha série favorita da vida!

#Necessitando: Fotografar mais, voltar aqui pro blog, organizar meu quarto e me desfazer de uma papelada infinita!

#Planejando: Voltar pra cá, fazer o Desafio Primeira no instagram de novo, fotografar mais pra mim (e não pros outros, em ensaios e tals).

#Desejando: Pintar o cabelo de ruivo de novo! Hahahah… já deve ter uns 2 anos que não pinto e esses dias me deu uma vontade absurda de voltar pra ruivisse! Até passei numa loja hoje pra comprar a tinta, mas não tinha a minha cor 😢

#Amando: A rotina nova, a experiência nova, as pessoas e coisas que estou conhecendo por conta de tudo isso

#Vestindo: Bom, em BH esses últimos dias tem feito bastante frio, e por isso tem sido basicamente calça jeans, all star ou bota, blusa de frio e os meus tão amados cachecóis! Mas ultimamente tenho mudado muito minha forma de me vestir, acho que em breve venho falar sobre isso.

#Comendo: vish… muita coisa hahahah… Esse semestre o João se formou em gastronomia, e a paixão dele da vez são os pães e fermentados. O resultado é que tem pão, focaccia e coisas deliciosas quase todo fim de semana hahaha

Fazendo pão

#Sentindo: Acho que é a primeira vez que não sei direito o que responder aqui.

#Desfrutando: preciso dizer que das férias? Acho que esse foi o tema desse post quase hahahahah…

E o seu Taking Stock, como seria?

Bom, por aqui é isso – acho que transparece a empolgação com o estágio né? hahahah.. Mas e vocês, o que tem feito? Tô aceitando demais indicações de séries e filmes hein?

4 Comentários
25 07 2019

Polaroid: a queridinha da vez, mais uma vez

A câmera Polaroid, criada em 1948 pelo cientista Edwin Land, e alcançou o status de pop art graças ao artista plástico Andy Warhol, que usou o equipamento para fotografar celebridades como a cantora Debbie Harry e o ator Sylvester Stallone.  

Câmera Polaroid
Créditos: Pexels

Essa câmera tornou-se um marco dos anos 80, mas foi perdendo a relevância com o surgimento das novas tecnologias. Até que voltou recentemente e virou objeto de desejo de hipsters e fotógrafos.

Se você também adora a ideia de tirar fotos e tê-las nas mãos na hora, para usar como quiser, então este post é todo seu!

O sucesso da fotografia imediata

Um dos principais atrativos dessa câmera era a possibilidade da revelação instantânea, algo fascinante em tempos analógicos — lembrando que as comuns exigiam que você usasse todo o filme e, somente depois, levasse a um laboratório para revelar as imagens e conferir o resultado. 

Além disso, as pessoas ainda precisavam lidar com alguns imprevistos quando, por descuido, abriam a câmera antes da hora e acabavam expondo o filme à luz, perdendo todos os registros 😅.

Em tempos de câmeras digitais, que permitem que as fotografias sejam conferidas imediatamente, o apelo da foto instantânea perdeu o valor. Porém, a estética única que a Polaroid traz à imagem, além da busca por elementos retrô, fizeram com que o equipamento voltasse à tona.

Porque investir em uma Polaroid

Se você busca apenas um registro simples de alguns momentos, a Polaroid Originals pode não ser a solução ideal para você, já que seu uso tem um alto custo, afinal, as fotos não podem ser deletadas ― cada clique mal feito é um frame perdido.

Porém, se você é um amante da fotografia, assim como eu, a Polaroid é um excelente investimento. O trabalho com a luz através desse equipamento traz uma nova percepção sobre o registro de momentos e da fotografia em si, não só como forma de armazenar memórias, mas como linguagem.

Polaroids na parede
Créditos: Pexels

Além disso, a estética única que as Polaroids têm dão um toque exclusivo às fotos, permitindo que elas sejam usadas até como elemento de decoração. Quer a prova disso? Você consegue encontrar fotografias Polaroids na composição de espaços em imagens do Pinterest e no Tumblr, por exemplo.

Como aproveitar as imagens feitas em uma Polaroid

Se você gosta de imprimir suas fotos e realmente as usa colando na parede do quarto ou montando um varal com led de luz, vale a pena investir nessa câmera. Outro diferencial importante é que as imagens são realmente únicas, já que não é possível refazer a foto sem perder a impressão. Assim, você vai ter lembranças mega exclusivas dos momentos mais marcantes da sua vida 😍

Outro ponto bastante positivo é que essa câmera é muito divertida para usar com os amigos. Você pode, por exemplo, levar para uma festa e registrar imagens incríveis, com aquela estética que só a Polaroid tem.

Filmes e filtros únicos

Outra vantagem da Polaroid Originals está nos diferentes tipos de filmes. A câmera possui tanto os para a produção em preto e branco quanto para coloridas. 

Os filtros também são importantes, com cores muito peculiares que deixam qualquer foto com uma aparência mais profissional. Aplicativos como o Instagram até tentam reproduzir os efeitos, mas sem alcançar os mesmos resultados.

Esse charme é o que fez com que as Polaroids  voltassem a ser tendência, tornando-se objetos cult e do desejo de muita gente.

3 Comentários
25 04 2019

Life Lately – Faculdade, estágio, fotografia

Life Lately - Faculdade, estágio, fotografia

Faz muito tempo que apareci pela última vez, e muita coisa aconteceu desde então. Pra começar, meu notebook estragou e fiquei quase 2 meses esperando pra trocar a placa mãe dele… Com isso, fiquei só com o computador da minha mãe que não dá conta de muita coisa, então priorizei só as coisas da faculdade.

Acabei tendo que me adaptar a fazer tudo pelo celular, então sumi um pouco do blog de vocês também – não porque não estava lendo (apesar de achar o Bloglovin pelo celular PÉSSIMO), mas simplesmente porque tava ficando complexo demais comentar.

Fotografia e Instagram

Até do instagram eu sumi um pouco – a câmera do meu celular não ajuda nada e não tinha como editar fotos da câmera, então afastei até da fotografia esses meses. Mas tava morrendo de ansiedade pra voltar, porque pouquinho antes disso tudo acontecer fiz um ensaio da Sofia no sítio e foi super lindo… finalmente consegui concluir uma das minhas metas mais antigas!

Deixo aqui algumas fotos, mas depois que terminar de editar tudo posso mostrar mais se vocês quiserem!

Se quiser ver mais, acompanha também lá no meu instagram de fotografia!

Faculdade e matérias incríveis!

Não costumo falar tanto da faculdade por aqui – e deveria mudar isso, porque recebo muitas perguntas sobre a Faculdade de Letras… prometo que em breve vai ter post! – acho que tem sido um dos melhores semestres depois que resolvi trancar uma matéria.

Minha matéria favorita é a de criação e edição de textos literários: algo que nunca imaginei que diria, porque só de ver a palavra “literários” ali eu já queria fugir… mas tá sendo muito legal ter propostas diferentes pra escrever, um tema diferente e sair tanto da zona de conforto. Nesses últimos meses criei coisas que gostei muito e nunca imaginei que conseguiria, tudo nessa matéria.

Outra matéria incrível é a de editar o feminismo e as representações do feminino: estamos pegando textos “feministas” do século 19 – em jornais principalmente- e ver o tema sendo tratado há tanto tempo de formas tão diferentes tem sido muito legal!

Além disso, estou estudando variação e mudança linguística – algo que eu sempre soube que amaria mas ainda assim estou surpresa com o quanto é incrível!

Quer saber algo mais específico sobre a faculdade de letras? Pergunta aqui nos comentários!

Estágio no Letras☆

Por lá eu sou moderadora do Blog do Letras, que é novo mas já tem vários posts incríveis pra quem ama música! Tem sido incrível porque é uma área que gosto muito e tem me ensinado muita coisa que posso usar por aqui também!

Agora, uma notícia incrível que você já sabe se me acompanha no instagram: Sou estagiária do letras.mus.br! Não sei se alguém lembra, mas faz um tempinho já que estou procurando estágio (e morrendo de ansiedade com isso), mas as coisas acontecem no tempo que tem que ser e eu não poderia estar mais feliz com isso!

Com isso a rotina mudou completamente por aqui, e talvez isso afete novamente o ritmo de postagens, mas se eu sumir vocês já sabem que é um período de adaptação e que é por uma boa causa!

No mais…

Bom, fora essas novidades, tenho aproveitado muito os fins de semana com o João ♥. Sempre saímos pra conhecer restaurantes e hamburguerias, fazemos comida, encontramos amigos…

Também assistimos Daredevil, estamos assistindo Sabrina e, claro, acompanhando Game of Thrones ♥. Sozinha assisti pela milésima vez Gilmore Girls e agora assisti também Jane the Virgin – adorei!

É isso! Que tal me contar agora o que você tem feito e assistido por aí nos últimos meses?

4 Comentários
05 02 2019

A viagem que parou o tempo – Nova Viçosa

Pôr do Sol em Nova Viçosa - por A Menina da Janela - Laura Nolasco

Começamos o ano por aqui pondo o pé na estrada – eu, obviamente, não poderia ficar mais feliz com isso. No dia 2 de janeiro acordamos, demos um pulinho na cachoeira lá no sítio e logo depois do almoço saímos eu, João e os pais dele – a meta no primeiro dia era chegar em Itambacuri, uma cidadezinha de Minas que fica entre Governador Valadares e Teófilo Otoni.

Já tínhamos reservado uma pousadinha lá só pra dormir, já que a viagem é longa -12/13 horas – e o calor não deixa a gente em paz nem por um segundinho. Já tínhamos dormido na mesma pousada há dois anos atrás, quando fomos pra Nova Viçosa também, mas dessa vez o calor castigou mais e praticamente não dormimos… Mas só de dar uma pausa, comer, sair do carro e principalmente tomar um banho geladinho já ajuda muito hahahah…

Dia 3 acordamos no horário que o café da manhã começava, comemos e saímos, agora para o destino final: Nova Viçosa, na Bahia. Meu sogro tem uma casa lá com os amigos e todo fim de ano vão todos eles mais as famílias e amigos… uma quantidade de gente suficiente pra movimentar a cidade e ocupar as pousadas todas hahahah.

Quando chegamos já fomos correndo pra praia matar o calor e a saudade do mar… Eu nunca me lembro o quanto amo o mar até entrar nele de novo. A partir daí a gente entrou no ritmo da cidade e da casa: acordar cedo todo dia (calor e barraca… até eu acordo cedo naturalmente hahahah!), ir pra praia, voltar pra casa, almoçar, deitar na varanda, brincar com as crianças, jogar, ler, cochilar, tomar picolé… Até o sol chegar na marquinha da parede (a criançada da casa fica vigiando! É a hora que o sol da Bahia já não está tão forte) e todo mundo volta pra praia, vê o pôr do Sol (que é sempre um espetáculo diferente por ali), toma banho de mar…

Nesse momento também sempre tem uma galera que vai jogar volei (quando a maré tá alta) ou futebol (quando a maré tá baixa e forma um “campão” na areia…), adoro isso de até as brincadeiras serem guiadas pela lua/maré ❤.


Depois disso todo mundo volta pra casa, lancha, começa a fila pra tomar banho – enquanto uns tomam banho os outros jogam, cantam, dançam, batem papo… Vira aquela montoeira de gente na casa arranjando alguma coisa pra fazer pra passar o tempo. Mais tarde os grupinhos vão saindo pra cidade pra comer, andar na feirinha (comer churros!), tomar uma cachacinha do Seu Bibi – um senhorzinho muito gracinha de lá… Várias vezes fomos pra praia de noite e ficamos deitados na areia vendo o céu, que é fantástico de lá – dá pra ver a via láctea e contar um tanto de estrelas cadentes.

A rotina se repete assim e os dias parecem infinitos… Esse ano também teve a festa de 40 anos(!!!) da casa, então decoramos a casa com coisas que fazem parte da história, teve vídeo, muita música, cachorro quente e bolo de aniversário! hahahah… foi ótimo!

Fiquei na dúvida sobre fazer esse post, afinal, não tem muito o que mostrar e até queria ter sido mais blogueirinha – até tinha planejado fazer algumas fotos, mostrar algumas coisas específicas… mas lá só conseguia viver o momento. Resolvi trazer porque foram dias deliciosos com pessoas que adoro, então merecem ficar marcados aqui com esse compilado de fotos e relato rapidinho…

Pra fechar, umas fotozinhas do último dia lá – minha sombra se despedindo do mar, de um açaí delicioso que rolou e tinha “só” 300mL apesar da foto fazer parecer gigante… E do pôr-do-Sol de volta em Minas, quando a gente se perdeu numa estrada de terra perto do sítio e viu esse espetáculo de pertinho da Serra do Gandarela ❤. Agora é a vez de vocês me contarem: como foram as férias ou o início de ano por aí? Também tiveram a sensação de que janeiro foi eterno?

7 Comentários
21 01 2019

Bee Happy – Dezembro de 2018

Bee Happy - Dezembro de 2018

Como já contei, em dezembro começaram minhas férias e fiquei bastante lá no sítio… Foi um mês de curtir o calor (nunca me imaginei dizendo isso, mas tá dito), ficar entediada com a chuva que por vezes veio e não parou mais, fazer muita comida diferente…

1- João tá há muito tempo planejando fazer um forno de barro lá no sítio, e finalmente saiu! No fim das contas foi um pouco megalomaníaco e cabe alguém lá dentro fácil hahahahah…. Nosso natal foi recheado de pães achado aí ❤

2- Fiquei apaixonada por essas florzinhas que tavam perto da janela da sala. Queria uma foto mais ensolarada e próxima dela, mas levei só a 50mm e a chuva não colaborou.

3- Teve cachoeira quase todo dia, apesar da chuva que vinha em um pedaço do dia sempre hahahah… Essa foto específica foi de um dia que os sobrinhos do João estavam lá e a gente ficou fazendo farra com eles lá ❤

4 e 5– Registrando as preparações pro jantar de natal ❤ O jantar teve algumas inspirações de Game of Thrones por causa do livro que dei pro João há um tempo atrás… fez sucesso, viu? hahahah

6- Nem lembro exatamente de que dia foi essa foto, mas mais uma das comilanças preparadas pelo João no fogão à lenha ❤

7- Decoramos a mesa do natal com flores colhidas lá no sítio e na casa da vizinha ❤ os arranjos da última foto eu que fiz, mas foram vários feitos por todo mundo como dá pra ver na foto de abertura do post. Eu fiquei muito feliz com essas flores e as velinhas da nossa mesa de natal! Acabou que duraram até o ano novo também!

Esse foi o Bee Happy, que tava sumido desde agosto, mas voltou de uma forma bem gostosinha e pretendo não deixar sumir de novo! Me contem o que acharam das fotos e do que mais gostaram!

Bee Happy é um projeto fotográfico postado todos os meses, no qual 6 fotografias (ou mais) ilustram um resumo deles; atualmente é composto por Laís(criadora), Laryssa e Laura. Se você desejar fazer parte, será bem-vindo com alegria por nós, basta apenas entrar em contato sobre seu interesse.

1 Comentário
16 01 2019

Taking stock #8 – Aceitando o ritmo

Feliz 2019 - taking Stock #8

Pra começar o ano no blog com o pé direito: Feliz 2019, pessoal! Muito obrigada por mais esse ano em que vocês estiveram aqui batendo papo comigo, trocando ideias e carinho! Que 2019 seja um ano repleto de alegria e encantos para todos, e que, apesar de todos os pesares, seja incrível, porque a gente pode e deve fazer ser.

Dei uma sumidinha esse último mês por motivos de: férias! Fiquei muito lá no sítio e quase não peguei no notebook, e acabou sendo muito bom dar essa distanciada e viver um pouquinho longe desse mundo online. Depois ainda viajei – em breve trago as poucas fotos que tirei, só pra não perder o costume.

Já comecei muito taking stock por aqui pedindo desculpas pelo atraso, etc etc. Resolvi não fazer isso dessa vez: a realidade é que fim de ano é sempre meio louco por aqui e eu venho quando dá, não vou me culpar por isso… Então vamos lá: O Taking Stock, pra quem não conhece, é um post semestral aqui do blog no qual conto um pouquinho de como tem sido os últimos tempos por aqui em diversas categorias. Não tem muito o que explicar… segue lendo que você entende rapidinho <3

Taking Stock 8

#Ouvindo: Já mostrei no último mas não mudou muita coisa, então repito: Tenho ouvido muito uma playlist de samba que criei no spotify e outras do mesmo estilo…uns sambinhas, umas mpbs, umas que não sei definir… mas tudo mais ou menos nesse mesmo ritmozinho.

#Lendo: Terminei (e quero falar sobre) Roube como um artista e estou lendo O Guia Essencial da Bruxa Solitária… Depois de muito tempo agarrada no A dança cosmica das feiticeiras resolvi abandonar e partir pra outro do mesmo assunto… foi ótimo e praticamente engoli o livro apesar do desconforto de ler no celular!

#Agradecendo: pelo ano de 2018 que foi incrível pra mim: teve muita viagem, muita gente incrível, muita coisa legal pra estudar, oportunidades e realizações incríveis e muita conexão comigo mesma nesse finalzinho.

#Pinning: Depois dessas férias longe da internet eu nem tinha aberto o pinterest ainda, então abri pra dar uma olhada e as últimas coisas que pinei foi na pasta Feminino Externo enquanto buscava inspirações para um ensaio com uma amiga – que acabou não saindo ainda porque a chuva não colaborou nos dias que nós duas podíamos.

#Estudando: Bruxaria. É engraçado falar assim, mas tem uns meses que senti uma necessidade de voltar mais meus estudos pra isso, então tenho lido muito sobre, pesquisado, tentado entender muita coisa melhor. O resultado tem sido incrível demais.

#Pensando: Muito em coisas que quero e vou fazer esse ano, em coisas pra fazer nesse resto de férias – UFMG só volta na semana antes do carnaval, então ainda tem tempo!

#Assistindo: O melhor tem sido Grace and Frankie com minha mãe – se você nunca assistiu, aconselho MUUUITO… é divertidíssimo e faz a gente pensar em muita coisa… adorei! Também maratonei Sabrina com o João – adorei também, apesar de ter começado achando que teria medo porque sou medrosa. Umas críticas maravilhosas ao cristianismo disfarçadas… adoro! hahahah

#Necessitando: Fotografar mais e resolver como vai ser a organização por aqui esse ano (Bullet Journal de novo? Planner? Socorro quero tudo!)
#Planejando: Fotografar muito, juntar dinheiro, escrever bastante por aqui.
#Desejando: trabalhos de fotografia. Tô com uma saudade absurda de conhecer gente nova fotografando e também muito afim de conseguir grana pra fazer umas coisinhas que quero.
#Amando: O ritmo dessas férias, o meu ritmo interno ou sei lá o quê… Essa coisinha que mudou aqui no último mês e tem me feito tão bem.
#Vestindo: quanto menos roupa melhor. Na viagem era o dia todo de biquini – alô, Bahia! – e em BH já faz tempos também que é a roupa mais fresquinha e gostosa que achar no guarda-roupas!
#Comendo: serve “bebendo”? Esse calor me desanima um tanto com comida, aí vivo à base de sucos e água praticamente hahahaha… aah, um açaízinho não vai mal também.
#Sentindo: Uma ansiedadezinha e uma sensação de que tem muita coisa incrível por vir, de que preciso me preparar, sabem? Mas também aquela tranquilidade e preguiça digna de férias…

#Desfrutando: preciso dizer que das férias? Acho que esse foi o tema desse post quase hahahahah…

Não vou me prolongar muito mais e fico aqui com uma promessa de voltar em breve –

3 Comentários
13 12 2018

Ideias legais para tentar no seu Journal

Ideias legais para tentar no seu Journal - Donna Rita Ateliê

Desde que comecei a usar o Bullet Journal e principalmente depois do Creative Journal comecei a colecionar ideias de coisas que podia fazer pra exercitar minha criatividade. Sempre gostei de fazer as páginas temáticas para cada mês mas não fazia sentido ficar só nisso, né?

No último post perguntei o que queriam ver e muitos me pediram pra falar sobre de onde vem a inspiração pra fazer cada página, então resolvi trazer não somente um, mas dois posts: Aqui vou dar algumas ideias de páginas e coisas que você pode fazer no seu caderninho criativo e no último post indiquei pessoas que me inspiram através de seus blogs, canais, instagrams e etc. Se ainda não conferiu esse último post, já abre aí numa nova aba pra depois que terminar de ler esse, garanto muita indicação legal!

Vale lembrar que aqui uso o termo Creative Journal porque é a forma que nomeei meu caderninho, um jeito de me lembrar da intenção dele… Mas as ideias são válidas também pra quem é adepto aos Art Journals, Bullet Journals e qualquer coisa do tipo. Também acho válido fazer em páginas soltas se você não tem um caderninho do tipo, é claro, mas acho que ter um objeto que reúne seus exercícios criativos é uma forma bem legal de acompanhar seu desenvolvimento e de reunir suas obras <3

Ideias de páginas para seu Creative Journal

1- Morning Pages (ou “páginas matinais”)

Inspiração Journal Donna Rita Atelie

Muita gente tem um caderno só pra isso, e foi o que tentei fazer. Deu certo por umas duas semanas e aí depois acabei desistindo, mas ainda quero muito voltar. Conheci a ideia no blog da Maqui e funciona assim: Todo dia de manhã, logo depois de acordar, você senta e escreve 3 páginas. Pode ser sobre qualquer coisa. Pode ser até um “blábláblá não sei o que escrever aqui“. Aí você vai escrevendo todo dia, sem filtros, só deixando rolar… E isso te ajuda a organizar seus pensamentos, treinar a escrita, colocar ideias no papel… Pra mim a parte que mais gostei foi que sentia que era uma forma de “limpar” minha mente antes de começar o dia. Sempre acordo agitada pensando em tudo o que preciso fazer e acabo ficando paralisada, mas as Morning Pages ajudavam a “desenrolar” os pensamentos todos e iniciar meu dia com mais clareza. Preciso voltar urgentemente.

2- MoodBoards

Caderno pontilhado Donna Rita Atelie Journal inspiração

Esses chamaram muita atenção de vocês quando postei sobre meu creative journal: Os moodboards são uma ideia que peguei de programas de TV sobre design de interiores, hahahah… Não sei se tem outro nome quando é feito assim no papel. Basicamente é uma reunião de elementos relacionados a um projeto que pode incluir paletas de cores, referências, palavras chave, texturas e coisas do tipo. Tenho usado de duas formas: Para meus ensaios de fotografia e para meus meses. Pode parecer estranho colocar “meses” depois de dizer que são ideias para um projeto, mas gosto de pensar nos meses como um projeto sim… Afinal, assim começo cada mês sabendo em que preciso ou quero focar, quais as coisas estão me deixando mais animada, quais partes da minha vida quero colocar em evidência… É um exercício de visualização bem legal e tem dado muito certo por aqui.

3- Desenhe! 

Caderno pontilhado Donna Rita Atelie Journal inspiração

“Mas Laura, eu não sei desenh….” Eu nem vou te deixar terminar essa frase. Você não precisa ser o ~coloque aqui seu artista favorito na história da humanidade~ pra pegar um lápis e rabiscar o papel. Aliás, deixa eu te contar um segredo: Foi exatamente assim que seu artista favorito e todos os outros começaram. Não adianta vir aqui nos posts dizer que você não consegue fazer um caderninho bonitinho se você nunca tentou, da mesma forma que não adianta vir me contar que você não sabe desenhar se você só conseguiu desenhar um bonequinho palito 10 anos atrás, se frustrou e nunca mais tentou mais nada. O desenho não precisa ser uma obra de arte digna de museu, você não vai participar de nenhum concurso de arte com ele… É simplesmente uma brincadeira e uma forma de colocar as mãos e  criatividade pra trabalhar. Se você realmente quiser virar um desenhista incrível (lembrando: você não precisa!!) fazer o primeiro desenho – mesmo que seja um bonequinho palito – parece um bom primeiro passo.

Não sabe o que desenhar?? Aqui vão algumas ideias: (1) Tente imitar um desenho que você goste bastante (se for postar, lembre de dar os creditos pro autor hein?) ; (2) Desenhe a cena mais completa que conseguir imaginar: claro que vale voltar aos velhos tempos e desenhar uma casa com a família-palito no jardim com nuvens e flores e uma árvore menor que a casa e o sol e uma borboleta… Ou uma cena sangrenta de crime. Aí é com você. (3) Tente fazer um desenho sem tirar o lápis do papel, com 1 único traço! (4) Desenhe o que você vê daí de onde você tá sentado… Ou um comodo da sua casa, ou a vista da janela… Com o máximo de detalhes possível! (5) Pesquise desafios de desenhos! Tem vários bem legais nesse nosso mundão chamado Internet.

Nesse da foto que fiz no meu caderninho eu comecei desenhando a parede da minha sala e acabei tendo uma ideia de decorar ela… mostrei pra minha mãe e no fim das contas vamos fazer! hahahah foi muito legal isso.

4- Colagens

Caderno pontilhado Donna Rita Atelie Journal A Menina da Janela

Esse tópico é algo que estou começando a usar agora. Você pode usar a colagem junto com outras ideias (no moodboard ela tem um papel gigante!) ou fazer uma página só de colagens bem diferentonas. Eu ainda não experimentei essa segunda forma, mas tô morrendo de vontade de fazer em breve… lógico, quando fizer eu venho aqui mostrar pra vocês!

5- Brainstorms e listas

Caderno pontilhado Donna Rita Atelie Journal inspiração

Senta e escreve. Eu gosto de definir por exemplo: um número de coisas e um tópico, por exemplo, 15 lugares que quero visitar. A partir daí, o que vier na cabeça vai pro papel: não importa se é uma cafeteria do bairro ou um país do outro lado do mundo… Não importa também se eu nunca pensei sobre querer ou não visitar aquele lugar: veio na cabeça, vai pro papel. Escrever “sem filtros” assim é uma forma muito legal da gente se conhecer melhor. Outra dica legal é fazer isso com metas: “10 metas para 2019” – escreve tudo que vier na cabeça, sem pensar se é possível ou não. Depois de concluir a lista você deixa ela lá quietinha e volta uns dias depois pra avaliar o que realmente quer, o que faz sentido, o que foi só uma loucurinha momentânea da sua mente…

 

Essas são minhas dicas! Agora só falta você comprar um caderninho bem lindo da Donna Rita (o meu é o caderno pontilhado!) ou desenterrar aquele caderninho que você tem guardado há anos na gaveta e colocar a mão na massa pra começar ser journal! Como eu já disse, você não precisa fazer nada lindo ou perfeito… só precisa parar de achar que não consegue, ir lá e fazer! Se você quer um dia fazer algo lindo e super elaborado, só precisa começar – mesmo que com bonequinhos palito!

 

1 Comentário
22 11 2018

Inspiração para o Journal: onde encontrar!

Creative Journal - buscando inspiração

Um pequeno spoiler de novembro no meu Creative Journal – o caderninho mais amor de todos os tempos é da Donna Rita, é claro!

No último post que fiz aqui sobre o Creative Journal perguntei o que mais vocês queriam ver sobre meu caderninho e o pedido que mais rolou foi sobre “de onde saem as ideias pras páginas“… Eu ainda quero fazer um vídeo respondendo isso e um post com algumas outras ideias, mas hoje vim trazer algumas indicações de canais, feeds do instagram e outros lugares na internet que me inspiram e me ajudam na hora de ter essas ideias!

Claro, não é só na internet e em perfis e canais relacionados a papelaria que conseguimos encontrar inspiração- esse é o assunto do vídeo… ainda me enrolo com o youtube, mas uma hora vai!- e acredito muito que cada minutinho da nossa vida fazendo o que quer que seja influencia no que a gente vai criar, mas hoje vim trazer inspirações mais diretas que acabam sendo mais “fáceis” de absorver quando a gente tá começando nesse mundo.

Onde encontrar inspiração para seu Journal

Já vou começar contando aqui que: Sim, esse post vai ter indicação de alguns canais em inglês. É uma ótima oportunidade pra treinar sua escuta da língua, mas se você não sabe nada acredito que alguns vídeos ainda vale ver só pra ver o processo criativo das pessoas mesmo! Ver o que elas fazem e como elas fazem é o que eu mais gosto!

Jordan Clark

Esse é atualmente o meu canal favorito, mesmo que a Jordan não poste com tanta frequência… Os vídeos calminhos e a voz mansinha dela me fazem ter vontade de ficar pra sempre no canal dela. Ela posta sobre o bullet journal mas também sobre o Art Journal – que tem mais ou menos a mesma ideia do meu Creative Journal– e adoro as colagens e desenhos que ela faz! Adoro os vídeos que ela ensina a fazer doodles(desenhos) como esse aqui. O Instagram dela também é incrível e ela também vende algumas das suas coisas em uma lojinha fofíssima! (Dolar, porquê tão caro?)

Amanda Rach Lee

 Outra gringa que adoro acompanhar é a Amanda… Adoro ver ela desenhando e tentar imitar também, ou me inspirar nos temas dela. É ótimo pra quem faz bullet journal porque ela mostra o processo de todas as páginas do mês. Acho sensacional que no fim dos vídeos ela mostra fotos de gente que “replicou” o layout dela e marcou ela no Instagram! Ainda tomo coragem de tentar algum e marcar ela <3

Melina Souza

A Mel é uma pessoa que me inspira muito há muito tempo… E adoro ver os vídeos dela mostrando o bullet journal também! Ela também posta fotos fofíssimas das páginas dela no Instagram, vale muito a pena acompanhar!

Ann Le

Eu simplesmente AMO ver as aquarelas que a Ann faz! Ainda não me joguei nesse mundo da aquarela, mas morro de vontade e quando vejo os vídeos dela fico ainda mais tentada! Apesar de usar aquarela pra quase tudo, acho os que é super possível pegar os desenhos e layouts dela como inspiração… E ainda quero muito tentar (mesmo sabendo que não vai ser tão fácil quanto ela faz parecer que é!) aquarelar porque acho uma forma bem legal de sair da zona de conforto e tentar algo novo. Ela tem muitos vídeos legais e uma conta no instagram só pra postar essas artes que ela faz!

Maria Lowen

Voltando pras Brasileiras, a Maria é uma fofa e adoro os vídeos de “planeje-se comigo” dela. O ritmo está bem desacelerado por lá porque a neném dela nasceu a pouco tempo mas ainda assim ela consegue continuar atualizando. Ela também tem um instagram incrível que é o Meu Bullet Journal que está mais atualizado que o youtube – e acho legal que ela fala sobre como tem usado o BuJo na rotina nova coma  neném!

Instagram

Instagram Inspiração TAGS

Outra forma bem legal de se inspirar é pelo instagram! Claro, tem mil perfis incríveis como os das meninas que indiquei ali em cima (E o meu! Mostro bem mais coisa por lá e já até arrisquei um videozinho! Já me segue lá?) mas o que tenho curtido muito e que é uma função mais recente no instagram é seguir as hashtags… Já sigo várias, como essas: #ArtJournal #CreativeJournal #BulletJournal #PlanWithMe… É só jogar elas na barra de pesquisa, seguir e ter inspiração vinda de todos os cantos do mundo direto no seu feed do instagram!

Pinterest

Inspiração no pinterest

Por último, mas de forma nenhuma menos importante, vem o pinterest: Chega a ser uma indicação óbvia, afinal, é lá que eu (e muita gente!) me inspiro pra TUDO. NESSA. VIDA. Sério. Eu uso o pinterest pra me inspirar com o journal, com moda, com decoração de banheiro… Tudo o que você imaginar e mais um pouquinho. Tem muita pasta legal de muita gente pra seguir caso você não queira ficar pesquisando coisas específicas: por exemplo, as minhas de organização, moodboards e journal! A Karine, a Maki e a Wanila também tem pastas incríveis!

 

Essas são algumas das minhas fontes de inspiração! E as suas, quais são? Compartilha comigo aquele canal, blog ou instagram super legal que te inspira muito! Espero que tenham gostado do post! Em breve venho aqui mostrar um pouquinho do que fiz no meu Creative Journal no mês passado e nesse e vou fazer também um post com ideias de páginas pro seu creative journal, o que acham??

5 Comentários
06 11 2018

Seguimos de mãos dadas

Ninguém solta a mão de ninguém - por Laura Nolasco

Ô mesinho traiçoeiro que foi esse outubro, hein? Pela primeira vez desde que comecei a me organizar com o bullet journal e com o planner algo conseguiu me fazer perder completamente as estribeiras e quando percebi já estava há dias sem nem mesmo abrir o planner e me culpando muito por deixar o planejamento, organização, criação, tudo o que batalhei tanto e me me orgulhei tanto por conquistar, de lado.

O creative journal foi abandonado também e só rolou uma página no mês inteiro, os projetos foram esquecidos, parei de me exercitar como tinha conseguido fazer por um mês inteirinho. Todo o esforço foi por água abaixo e tudo o que eu queria durante todo o mês era me esconder debaixo da coberta e não sair nunca mais. Até a faculdade se tornou algo difícil e que eu evitei em todos os momentos que pude.

Conversando com uma professora na aula definimos que o mês foi violento. Eu não tenho palavra melhor: a gente sentia o cheiro do ódio no ar e de repente estávamos temendo pelas nossas vidas, pela nossa liberdade, pelos nossos irmãos. A briga, que até pouco tempo tinha apenas as redes sociais como ring, de repente invadiu até mesmo nossa casa e nossas famílias. Fiquei assustadíssima ao ver gente que esteve ao meu lado durante toda minha vida defendendo o indefensável.

Minha escolha foi me afastar: ficar perto de gente sem senso de humanidade e que não abre os olhos pra se preocupar com o outro (e não estamos falando de um outro distante – o outro que está sentado ali na mesma mesa, comendo da mesma panela) nunca foi uma opção. Forçar laços com gente que não consegue se colocar no seu lugar, entender o próprio lugar na sociedade e perceber que tal posicionamento fere e mata as pessoas que diz amar… não dá.

Mas não é por isso que me afastei do blog, obviamente. Inclusive, esse momento foi incrível para ter certeza de que estou acompanhando e dando audiência para as pessoas certas, de que fiz amigos certos, de que conheço um mar de pessoas incríveis. Foi um momento de me orgulhar mais que nunca da minha família e dos amigos que fiz aqui na blogsfera(e na vida) e que acompanho lá no instagram ou no facebook. Momento de admirar ainda mais profundamente um certo moço que chamo de amor.

Me afastei do blog porque falar de qualquer outra coisa parecia futilidade, parecia sem importância, e ainda não tinha digerido tudo o suficiente para conseguir falar como faço agora. Antes tudo parecia pesado demais. E não que tudo tenha se resolvido magicamente – as consequências desse ódio ainda serão sentidas e só pensar nisso me dá calafrios, mas já tive tempo suficiente pra respirar e pra unir forças, entender melhor tudo, confiar de novo na resistência.

E, como diz o belíssimo desenho da tatuadora mineira que marcou tão fortemente esse momento tão crítico, não soltei a mão de ninguém: Agora de forças renovadas- depois de muita vela, incenso e banho de cachoeira- estou aqui de volta para continuarmos construindo nossa corrente de amor. Para continuar criando, compartilhando alegrias, mostrando os momentos leves da vida, fazendo arte, vendo a beleza das coisas… Fazendo da vida poesia. Afinal, essa é nossa força… E eles não suportam poesia.

8 Comentários
Tags: ,